Seleccione Edição
Login

No Uruguai laico, o Natal é o ‘Dia da família’

A secularização do calendário por parte do Estado no início do século XX fez mudar o nome da celebração

Bailes nas ruas de Montevidéu para celebrar as festas.
Bailes nas ruas de Montevidéu para celebrar as festas. EFE

Em um país laico como o Uruguai, o dia 25 de dezembro está marcado em vermelho como feriado, mas, a secularização do calendário por parte do Estado, no início do século XX, levou a mudar o Natal para o Dia da família.

Assim como com outras festividades como a Páscoa, que no Uruguai se conhece como a Semana do Turismo. Não obstante, isso não impede que as famílias celebrem tanto o ano novo, como o Natal: as ruas se iluminam, os shoppings são enfeitados com árvores gigantes e decorações com o Papai Noel, de barba branca e traje de feltro vermelho, embora a temperatura no Cone Sul nesta época do ano supere os 30 graus.

À habitual correria da época de Natal, soma-se o fim do ano escolar e o início do verão, o que deixa as ruas abarrotadas, entre os que estão com sua cadeira e seu mate, tomando sol na praia ou tomando ar na Avenida de Montevidéu e os que aproveitam para fazer suas últimas compras.

A celebração uruguaia é familiar, com algumas tradições da Itália (como o panettone) e da Espanha (o turrón). O menu costuma consistir em um tradicional assado, no qual, além de carne, não pode faltar queijo provolone, algumas verduras assadas como o morrón vermelho (pimentão) e a papa doce (batata-doce). Para brindar: o médio e médio, uma bebida que consiste em uma mistura de vinho espumante doce e vinho branco seco. O mais popular é o do restaurante Roldós, localizado no Mercado do Porto desde 1886. E como toda boa celebração, não podem faltar os fogos de artifício.

Mas para visitar familiares ou amigos há que tomar precauções: no dia 24, o serviço de ônibus para quase completamente às sete da noite e só se normaliza no 26.

Mudo o vermelho pelo branco

Nas ruas, floristas vendem ramalhetes de jasmins por 20 pesos (1 dólar) em pequenos embrulhos de papel. Os uruguaios levam para casa arranjos com quatro ou cinco destas flores aromáticas que utilizam como centro de mesa, invés daquela flor vermelha, que se costumam pôr de enfeite nos lares no hemisfério norte.

Outra coisa típica desta época do ano são os postos improvisados dos estudantes de Arquitetura que vendem a popular "Agenda de Arquitetura 2014". É conhecido no Uruguai o esforço que fazem estes estudantes para arrecadar dinheiro durante os três últimos anos de faculdade para ao final, uma vez graduados, realizar uma volta ao mundo para conhecer algumas das obras que estudaram durante o curso e em busca de inspiração para seus futuros trabalhos.

A venda de suas caprichadas agendas, que incluem fotografias feitas por alunos que realizaram a viagem anteriormente, fazem parte desta estampa natalina de verão.