A hora das vítimas na Colômbia

O processo de paz entre o governo e as Farc se aproxima de seu momento mais delicado, as reivindicações das vítimas

Representantes das Farc no processo de paz, no sábado em Havana.
Representantes das Farc no processo de paz, no sábado em Havana.A. Ernesto (EFE)

Samuel, 43 anos, mãos grossas, pele queimada, faz um esforço para recordar o ano em que as Farc começaram a rondar suas terras no Tolima, um departamento no centro da Colômbia onde nasceu o grupo guerrilheiro. Mas há um número que ele não esquece. Este camponês está há sete longos anos vivendo mal em Bogotá, desde que recebeu um ultimato da guerrilha para abandonar seu sítio. “Me deram três dias para sair.” Essa foi a sentença que o deixou sem terra quando resistiu à tentativa de recrutarem seus filhos de 12 e 13 anos.

Miguel tem 27 anos e também mora em Bogotá. Nasceu em La Uribe, no departamento de Meta, no leste do país. Como ocorreu com Samuel, cresceu no campo, vendo a guerrilha ir e vir. No dia em que terminou o bacharelado pensou que tinha ganhado a batalha contra o recrutamento, conseguiu trabalho em Bogotá e regressou nas primeiras férias, e enquanto subia uma colina, uma explosão lhe arrancou vários dedos de um dos pés e o calcanhar. No hospital contabilizou 27 amputados por minas. Embora não tenha conseguido identificar os responsáveis, sabe que as Farc usavam esses artefatos explosivos em sua região como estratégia para deter o Exército. Hoje vive com uma prótese.

Estaria disposto a perdoar, agora que se negocia o fim do conflito com as Farc? “Prefiro perdoar aos que nos causaram danos e não ter de esperar dez anos mais para perdoar o dobro de sofrimento”, diz . Samuel e Miguel, cujos nomes reais são omitidos para proteger sua identidade, formam parte da volumosa cifra de vítimas deixada pelo conflito armado colombiano e que, segundo os registros do governo, ronda os 6 milhões. São vítimas não apenas das guerrilhas, mas também de paramilitares, bandos criminosos e agentes do Estado. A última rodada de negociações entre a guerrilha e as Farc terminou este fim de semana em Havana e as conversações entrarão em 2014 na etapa decisiva.

Em agosto a guerrilha admitiu pela primeira vez que havia causado dor e se abriu à possibilidade de uma “reparação com total lealdade à causa da paz e da reconciliação”

Reivindicar os direitos das vítimas é uma questão de grande sensibilidade para os colombianos por causa das devastadoras dimensões da guerra. Um balanço apresentado em julho pelo Centro de Memória Histórica revelou que o conflito armado deixou 220.000 mortos desde 1958, dos quais 81% eram civis. “É uma primeira janela até a verdade que devemos às vítimas neste país”, disse na época o presidente Juan Manuel Santos. Seu governo deu um primeiro passo ao aprovar em 2011 uma lei para reparar as vítimas e lhes restituir as terras das quais foram despojados.

Santos também reconheceu em junho que o Estado foi responsável por violações dos direitos humanos e infrações ao direito humanitário internacional. Fez isso seguindo uma recomendação do Memória Histórica no sentido de que um dos grandes desafios para a paz é assumir as responsabilidades.

No acordo para as negociações firmado pelas Farc e o governo – em discussão em Havana há 13 meses – o assunto foi resumido em uma frase contundente: “Ressarcir as vítimas está no centro do acordo.” E embora hoje se concentrem em discutir a questão das drogas ilícitas, depois de terem firmado acordos parciais em demandas históricas da guerrilha, como o desenvolvimento agrário e a participação na política, as vítimas esperam que, no menor tempo possível, tanto o governo como as Farc definam como farão a compensação dos danos que causaram em meio século.

O Alto Comissário para a Paz, Sergio Jaramillo, disse que os direitos das vítimas não serão negociados e que qualquer solução à que se chegue em matéria de justiça – que os analistas concordam ser o nó górdio do processo de paz – tem de ser formulada com a sua participação.

As Farc também deram pequeníssimos passos, embora não com a contundência que a maioria dos colombianos espera. Depois de se negar a reconhecer que provocou vítimas, argumentando que não é a causa mas a resposta à violência do Estado, em agosto a guerrilha admitiu pela primeira vez que havia causado dor e se abriu à possibilidade de uma “reparação com total lealdade à causa da paz e da reconciliação”. No entanto, insistiu em que isso só ocorrerá se o Estado fizer o mesmo.

Esses passos são realmente significativos no interesse da paz? Patricia Linares, subdiretora de Memória Histórica, assim acredita, mas diz que a aceitação da responsabilidade para com as vítimas não pode ficar na retórica. “Deve ser acompanhada, quando se trata especificamente do Estado, e da guerrilha, se ela se incorporar nesse caminho, do esboço de alternativas que levem a processos de reparação integral e do qual as vítimas participem”, diz.

MAIS INFORMAÇÕES

Ángela María Robledo, parlamentar da Comissão de Paz do Congresso, acredita que falta grandeza às Farc para pedir perdão. “Foram abrindo espaço, tomara que haja mais generosidade em relação ao que ocorreu. Isso levaria a um grande apoio dos cidadãos.” E Clara Rojas, seqüestrada durante seis anos com Ingrid Betancourt, pensa que o próximo passo seria que as Farc tomem a decisão e se comprometam não só em deixar as armas, mas em entregá-las “como garantia de não repetição”.

As vítimas também deixaram claras suas posições. Em maio foram convocadas pelas comissões de paz do Congresso a nove mesas regionais para que suas exigências fossem ouvidas, independentemente de quem fossem os responsáveis. Segundo a ONU, mais de 2.800 vítimas participaram desse processo que resultou em cerca de 4.000 propostas que já foram enviadas a Havana.

O que pedem? “A maior verdade e lembrança que for possível, assim como a justiça necessária para que não se produzam ódios nem a sensação de impunidade. E também uma reparação integral na qual a sociedade em seu conjunto peça perdão”, acrescenta Robledo. Mas, sobretudo, um “nunca mais”. Não querem que volte a se repetir o horror da guerra.

Nisto coincide Narina Gallego, diretora do Caminho Pacífico das Mulheres, uma associação que há pouco tempo reuniu em um relatório mais de mil depoimentos de mulheres afetadas pelo conflito.

“Para elas é central a desmilitarização do país assim que seja firmado o acordo de paz. Isso inclui a remoção de minas, redução das Forças Armadas e que realmente haja uma desmobilização”, diz. Em termos de justiça, a maioria exige que lhes peçam perdão sem que isso signifique esquecimento.

As vítimas também exigem assento na mesa de negociações. “Nós não queremos mediadores de nossa palavra em Havana”, diz Luz Marina Bernal, líder das mães das vítimas de execuções extrajudiciais de Soacha, uma localidade onde os militares seqüestraram rapazes para assassiná-los e apresentá-los como guerrilheiros mortos em combate. “É preciso começar a desfazer a guerra e nós, como vítimas, nos encarregaremos de tecer uma paz, mas uma paz verdadeira”, sentencia. O ano de 2014 será decisivo.

Arquivado Em: