Seleccione Edição
Login

Morre Ronald Biggs, conhecido como o ‘ladrão do século’

O britânico, após o histórico roubo ao trem dos Correios entre Londres e Glasgow, fugiu para o Brasil, onde viveu de 1970 a 2001

Ronald Biggs com o cantor Shaun Ryder, do grupo inglês Happy Mondays, em 1990.
Ronald Biggs com o cantor Shaun Ryder, do grupo inglês Happy Mondays, em 1990. Getty Images

O ladrão-celebridade do assalto ao trem pagador, entre Glasgow e Londres em 1963, na Grã Bretanha, faleceu esta manhã, aos 84 anos. Ronald Biggs estava na clínica East Barnet, ao norte de Londres, onde recebia cuidados desde 2009. Apesar de ter sido condenado a 30 anos pelo roubo de 2,6 milhões de libras  (4,2 milhões de dólares), um montante que já era significativo para aquela época, Biggs conseguiu fugir com a esposa e três filhos para a Austrália, em 1965. O britânico chegou ao Rio de Janeiro em 1970, onde viveu até 2001, quando se entregou às autoridades de seu país.

Seu falecimento ocorre quatro meses após o 50º aniversário do roubo. Mike Biggs, seu filho brasileiro de 39 anos, lamentou a morte do pai no Facebook: "Caros amigos, hoje o céu tornou-se mais divertido! Eu tenho o triste dever de comunicar a todos o falecimento de meu pai, Ronald Biggs. Meu querido pai, Ronnie, Ron, Big Mike.... Sua hora chegou meu mestre e guia... Obrigado por todo o amor que você me deu!". Mike era um dos integrantes do grupo infantil Turma do Balão Mágico, no qual participavam Simony, Jairzinho e Tob. O grupo também teve um programa na Globo nos anos 80. Em 2005 o filho do ladrão - um dos mais famosos assaltantes da Inglaterra do século 20 - lamentou sua infância ao jornal Folha de S. Paulo, em uma entrevista onde também contou que o dinheiro roubado havia acabado "pelas fugas" do pai e que o retorno dele à Inglaterra para entregar-se à polícia custou 100.000 libras, pagas pelo tabloide The Sun, que teria exclusividade na cobertura do fato, em maio de 2001.

Ronald Biggs com sua segunda mulher, Raimunda Nascimento de Castro no Rio, em 1974.
Ronald Biggs com sua segunda mulher, Raimunda Nascimento de Castro no Rio, em 1974. Getty Images

Apesar de ter sido descoberto pela Scotland Yard em 1974, ter tido um filho com uma brasileira garantiu sua estada no país e evitou sua extradição. Em 2011, em uma entrevista à revista Rolling Stone, Biggs afirmou que tinha sim arrependimentos. "Sempre me arrependi pelo sofrimento que causei com minhas ações, e, especialmente, à minha própria família e amigos. Mas não me arrependo de ter tomado parte no "Grande Roubo do Trem", já que o episódio abriu todo um novo mundo para mim.", contou, sobre a experiência na Austrália e no Brasil. Hoje o homem que deixou duas famílias e quatro filhos entra para a história não só como um criminoso, mas como uma celebridade que gravou com Sex Pistols, que foi tema de escola de samba na apoteose, que foi assunto de livros, reportagens e, sem dúvidas, um personagem que exerceu fascínio por ser um representante de carne e osso de aventuras que só se veem em filmes.