O cérebro de mulheres e homens mostra diferente conectividade

Cientistas da Universidade de Pensilvânia acreditam ter achado a chave neurológica das diferenças de comportamento de ambos os sexos

PNAS

Os estudos psicológicos mostram de forma consistente certas diferenças no comportamento dos sexos: os homens têm, em média, mais habilidades motoras e de percepção espacial, e as mulheres exibem melhor pontuação no conhecimento social e na memória. Os neurocientistas da Universidade da Pensilvânia acreditam ter encontrado a chave para essas diferenças neurológicas.

De acordo com uma pesquisa com cerca de mil jovens, a conectividade entre diferentes partes do cérebro se desenvolve de forma diferente nos dois sexos. Nas mulheres predominam as conexões entre os dois hemisférios do cérebro, e nos homens prevalecem as conexões interiores de cada hemisfério. Curiosamente, esse padrão se inverte no cerebelo, uma estrutura responsável pela coordenação de movimentos e procedimentos de aprendizagem.

Os pesquisadores acreditam que essas diferenças de conectividade são subjacentes aos padrões de comportamento previamente detectados por psicólogos. "Os nossos resultados", disse Madura Ingalhalikar e seus colegas da Pensilvânia, "indicam que o cérebro masculino é estruturado para facilitar a conectividade entre a percepção e a ação coordenada, enquanto que o feminino facilita a comunicação entre o modo de processamento analítico e o intuitivo." O trabalho foi publicado pela revista científica PNAS.

A interpretação dos autores requer alguma explicação adicional. Dentro de cada hemisfério, o cérebro está dividido em módulos, como os responsáveis pela percepção visual (localizados perto do pescoço) e aqueles que mandam ordens aos músculos para executar movimentos (localizados aproximadamente acima das orelhas). Por isso, uma maior conectividade dentro de cada hemisfério implica uma maior coordenação entre percepção visual e coordenação motora.

Por outro lado, um hemisfério não é uma cópia exata do outro. Em linhas gerais, o hemisfério esquerdo abriga a nossa parte mais racional, incluindo a linguagem e o intérprete ou narrador que dá sentido à nossa vida. Já o hemisfério direito lida com a nossa parte mais intuitiva. É a partir disso que os autores interpretam a alta conectividade entre os hemisférios em mulheres como uma maior coordenação entre o pensamento analítico e o intuitivo.

O leitor já estará familiarizado com o termo genoma e, inclusive, com suas sequelas proteoma e metaboloma. A designação “–oma” quer destacar uma ambição de totalidade: a investigação simultânea de todos os genes, todas as proteínas ou de todos os metabólitos. Estudiosos do cérebro agora falam do conectoma com o mesmo espírito de totalidade. Ingalhalikar e seus colegas estudaram o conectoma (todas as conexões do cérebro) de 949 pessoas entre 8 e 22 anos de idade (521 meninas e 428 meninos).

Um fato importante é que as diferenças de conectividade entre os dois sexos são muito raras antes dos 13 anos; é a partir dos 14 que começam a se manifestar. Embora não haja nenhuma evidência direta, essa distribuição de idade torna provável que as tempestades de hormônios sexuais na adolescência estejam envolvidas no fenômeno.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se