Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Governo venezuelano dá prova de vida de Leopoldo López após rumores sobre sua saúde

Boatos sobre estado de saúde do líder opositor causam tumulto em Caracas

Leopoldo López salud
Leopoldo López em um protesto. AP

O homem forte do Governo da Venezuela, Diosdado Cabello, divulgou na noite de quarta-feira uma prova de vida de Leopoldo López após os boatos sobre a saúde do preso político venezuelano.

“Esta é uma mensagem de prova de vida para minha família. Hoje é 3 de maio, são nove da noite. Não sei por que razão tenho que dar uma prova de vida neste momento. Esta é uma mensagem para Lilian, digo que estou bem”, foi a breve mensagem de López, que não é visto em público há mais de dois anos. Aparece de camiseta branca, com cavanhaque e em boa forma física. No vídeo, que aparentemente foi editado, o opositor se refere à data sem mencionar o ano.

O senador republicano Marco Rubio, dos Estados Unidos, escreveu no Twitter: “Confirmei que Leopoldo López foi transferido para um hospital militar em estado muito grave”. O legislador pelo estado da Flórida, que na quarta-feira apresentou junto com outros senadores um projeto de lei para sancionar o Governo de Nicolás Maduro, continuou denunciando a notícia através de seu perfil. “A Venezuela nega a informação de que Leopoldo López está no hospital. É fácil esclarecer: permitam que sua mulher o veja depois de tê-la proibido por mais de um mês”, disse o republicano, um dos maiores aliados da causa nos Estados Unidos, informa Nicolás Alonso de Washington.

A notícia causou uma comoção de tal magnitude na Venezuela que a família está tentando confirmar a veracidade da informação dada por Rubio, horas antes também divulgada pelo conhecido jornalista venezuelano Leopoldo Castillo, residente em Miami, que tinha chegado a afirmar que López “havia sido hospitalizado sem sinais vitais”.

De início se pensou que a conta do jornalista tinha sido hackeada, mas este jornal pôde confirmar com pessoas próximas que ele “lamentava compartilhar a informação, mas que provinha de fontes de sua total confiança”.

Depois das 21h30 (22h30 em Brasília) a esposa de López, Lilian Tintori, escreveu que estava indo para o hospital militar. No local estava também a mãe do dirigente do partido Vontade Popular, Antonieta López. De Madri, a irmã do político, Diana, exigiu que o ministro da defesa, Vladimir Padrino López, apresentasse uma prova de vida. Tintori apareceu em sua conta do Periscope chorando diante de uma grade. “Peço ao ministro Padrino Lopez ou ao diretor do hospital que nos diga onde está Leopoldo”. O oficial de plantão não respondia. “Não se importam com a vida de ninguém”, dizia Tintori, que posteriormente comprovou que o político não estava internado no centro hospitalar e se dirigiu à penitenciária onde está preso.

Na data de aniversário de López na semana passada, seus familiares denunciaram que o dirigente, preso desde fevereiro de 2014 em um presídio militar de máxima segurança e condenado a quase 14 anos de prisão, estava isolado na detenção e que não recebiam informação sobre ele havia quatro semanas.

À noite, Cabello, que estava ao ar em seu programa de televisão Con el mazo dando, afirmou que López se encontra em boa saúde. “Ninguém fez nada com o Monstro de Ramo Verde (apelido que o Governo dá ao opositor). Está enfiado em sua toca”. Antes de apresentar o vídeo, sugeriu que a família de López podia estar tramando seu envenenamento. Além disso, ordenou às autoridades do presídio militar que todo alimento trazido pela família fosse primeiro provado por eles. “Salvamos sua vida de novo, Leopoldo”, finalizou o deputado antes de um grupo convidado ao programa começar a tocar música venezuelana.

MAIS INFORMAÇÕES