Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Fox pagou milhões durante anos a funcionárias para abafar suas denúncias de assédio sexual

Escândalo leva dez grandes empresas a retirar publicidade do apresentador mais conhecido do canal

Fox Estados Unidos
Bill O'Reilly, o apresentador mais famoso da Fox, que assediou sexualmente funcionárias. AP

O conglomerado televisivo Fox News, referência do conservadorismo nos Estados Unidos, pagou durante anos quantidades milionárias a mulheres para abafar suas denúncias por assédio sexual do ex-presidente Roger Ailes e do apresentador estrela Bill O’Reilly. A rede operou assim sob uma suposta política de tolerância em relação a esse tipo de abuso — segundo uma investigação do The New York Times —, pela qual compensava economicamente as vítimas em troca de seu silêncio. A rede pagou mais de 30 milhões de dólares (93 milhões de reais) a pelo menos 11 mulheres pelo assédio sexual do então presidente e de seu apresentador mais famoso. A revelação já provocou a fuga de anunciantes, entre os quais se encontram BMW, Hyundai e Mercedes Benz.

Em julho de 2016, duas conhecidas apresentadoras da Fox afirmaram ter sido vítimas de assédio por parte de Ailes. Em setembro desse ano, a rede concordou em pagar 20 milhões de dólares (62 milhões de reais) a uma delas, a veterana Gretchen Carlson, que meses antes afirmara que tinha sido despedida ao rejeitar insinuações sexuais de Ailes, Sua denúncia em um tribunal forçou a saída do presidente. O Times revela que no total são seis as mulheres às quais a rede compensou pelas acusações sexuais contra o então presidente.

A investigação também revela que por trás de alguns poucos casos conhecidos, com o de Carslon, existe um padrão de assédio sexual que costuma ser solucionado com uma compensação financeira a portas fechadas. O’Reilly, que apresenta um programa diário que nos dois últimos anos gerou 446 milhões de dólares (1,4 bilhão de reais) em publicidade, pagou ou recorreu à Fox para que pagasse a pelo menos cinco mulheres por seu comportamento inapropriado e insinuações sexuais. Com o objetivo de evitar batalhas judiciais que repercutiriam no prestígio do apresentador e seu programa, foi pago às mulheres um total de 13 milhões de dólares (41 milhões de reais).

Wendy Walsh, uma ex-colaboradora do programa The O’Reilly Factor, do veterano jornalista, afirmou em uma entrevista coletiva à imprensa que O’Reilly retirou a oferta de contratá-la em caráter permanente depois de ela rejeitar acompanhá-lo a seu quarto de hotel, após um jantar em 2013.

As revelações provocaram, nas últimas horas, uma onda de rejeição entre as grandes marcas que fazem propaganda no programa, incluído na lista de favoritos do presidente Donald Trump. Mercedes Benz e Hyundai comunicaram na segunda-feira o encerramento de seus anúncios. BMW e outras nove empresas se uniram a esse boicote ao longo desta terça-feira.

Em reação à investigação, a Fox insistiu, em um comunicado ao Times, que seu departamento de recursos humanos nunca havia recebido uma queixa desse tipo sobre O’Reilly. As fontes do jornal afirmam que na maioria das ocasiões isso não foi feito por medo de represálias. O canal também enfatizou seu compromisso em assegurar o respeito às mulheres em seu espaço de trabalho, algo que já afirmara depois das revelações contra Ailes em julho de 2016.

Em um comunicado, O’Reilly rechaçou as alegações das mulheres e argumentou que, por ser uma pessoa proeminente e polêmica, é “vulnerável a ser denunciado por indivíduos que querem que lhes paguem para evitar publicidade negativa”.

Desde a polêmica por assédio sexual em 2016, o escritório do procurador-geral dos Estados Unidos em Nova York investiga os procedimentos da Fox para enterrar esses casos. Em paralelo, a própria empresa também começou uma autoavaliação interna. No entanto, as novas informações questionam a eficácia ou transparência da empresa para tratar desse tipo de comportamento e acabar com ele.

A relação de amor entre Trump e a Fox

Apesar desses graves comportamentos da Fox, o presidente dos EUA é um grande seguidor do canal e do próprio O’Reilly. É rara a semana em que Trump não escreve um tuíte recomendando ver um dos programas do canal ou que os utilize como subsídio para referir-se a algum problema do país.

Ailes, depois de se demitir da Fox, se incorporou como assessor na equipe de campanha de Trump. Desde sua chegada à Casa Branca o presidente só concedeu mais de uma entrevista a um canal: a Fox, que ele também não acusa de publicar “fake news” (notícias falsas), embora faça isso com órgãos da mídia como o Times e o canal CNN.

MAIS INFORMAÇÕES