Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Escritora com câncer busca futura companheira para o marido: “É muito fácil se apaixonar por ele”

“Espero que a pessoa apropriada leia isto”, escreve em uma carta publicada no 'The New York Times'

Amy Krouse Rosenthal é uma escritora de 51 anos nascida em Chicago. É autora de mais de 30 livros infantis, participou de projetos cinematográficos e colaborou com todos os tipos de publicações, incluindo o The New York Times. Precisamente nesse jornal, escreveu uma carta intitulada Você Pode Querer Se Casar Com Meu Esposo. Nela, a escritora explica que, em 2015, foi diagnosticada com câncer de ovário. Antes de sua morte, se propôs a contar ao mundo como é “fácil” se apaixonar pelo marido.

Foto do perfil da página de Amy Krouse Rosenthal no Facebook.

Salvar

Na carta, conta que conheceu o marido, com quem tem três filhos, quando tinha 24 anos em um encontro às cegas: “Tinha exatamente zero de expectativa de que o encontro seria proveitoso, mas, quando bateu à porta da minha pequena casa, pensei: ‘Ah... não, essa pessoa é muito simpática’. Quando terminamos o jantar, queria casar com ele”. Antes, a escritora lamenta os planos que não poderá cumprir com o marido, mas não se conforma. “Adotamos o plano alternativo (...) para viver o presente. Para o futuro, quero lhes apresentar o protagonista deste artigo, Jason Brian Rosenthal”, acrescenta.

A partir desse momento, elabora a melhor carta de apresentação possível para o marido. “Nunca estive no Tinder, eHarmony ou coisa parecida, mas vou criar um perfil geral de Jason, feito a partir de minha experiência com ele depois de 9.490 dias vivendo na mesma casa.” A escritora descreve o marido fisicamente — “mede 1,78 metro, pesa 72 quilos, tem olhos castanhos e cabelos grisalhos” — antes de falar sobre como tem sido seu dia a dia como casal. “Se nosso lar falasse, acrescentaria que Jason é incrivelmente habilidoso. Este homem sabe cozinhar. (...) Adora ouvir música ao vivo: é o que mais gostamos de fazer juntos. (...) É um grande pai. É compassivo... E pode virar panquecas no ar”.

A escritora continua descrevendo mais virtudes de seu parceiro. Garante que pinta e que é “um companheiro de viagens dos sonhos”, antes de revelar algumas anedotas do passado: “Jason é este tipo de homem: chegou ao ultrassom de nossa primeira gravidez com flores. É o tipo de homem que, como sempre acorda cedo, me surpreende nos domingos pela manhã fazendo caretas felizes com algo que esteja perto da cafeteira: uma colher, um copo ou uma banana. Suponho que já saibam o suficiente sobre ele para curtir seu perfil”.

“Quero ter mais tempo com Jason. (...) Mas isso não vai acontecer. Provavelmente, só me restam alguns dias como pessoa neste planeta. Então, por que estou fazendo isso? Terminei de escrever isso no Dia dos Namorados, e o presente mais genuíno — que não seja para colocar em um vaso — que posso esperar é que a pessoa apropriada leia isto, encontre Jason e comece outra história de amor”, finaliza.

MAIS INFORMAÇÕES