Desabamentos

Desaba na China um hotel usado para quarentena de pacientes com coronavírus

Há pelo menos 70 pessoas presas sob os escombros, segundo serviços de resgate

Imagem do hotel desabado. A foto é da conta de Twitter de @ezracheungtoto.
Imagem do hotel desabado. A foto é da conta de Twitter de @ezracheungtoto.ezracheungtoto

Um hotel na cidade costeira chinesa de Quanzhou, na província de Fujian, condicionada a abrigar pessoas sob observação por terem tido contato com pacientes com Covid-19, desabou neste sábado com mais de 70 pessoas dentro, conforme indicado pela mídia estatal chinesa. Até o momento, 34 dos ocupantes foram resgatados vivos, informou o governo municipal.

O hotel Xinjia foi construído em 2018 e tinha 80 quartos. Após o início da epidemia do Covid-19, tornou-se um dos dois centros habilitados em Quanzhou para abrigar pessoas que devem respeitar a quarentena, segundo o jornal chinês Beijing News.


O jornal menciona uma testemunha ocular, identificada como Chen, que afirmou que três membros de sua família estavam naquele hotel depois de voltar de uma visita a outros parentes na província de Hubei, foco da epidemia. Os três ―sua irmãzinha e dois cunhados― estavam com boa saúde, a temperatura normal e receberiam permissão para deixar essas instalações em breve, segundo a testemunha, que naquele momento não sabia o paradeiro de seus parentes.

A causa do colapso, que ocorreu por volta das 19h30, hora local (10h30, no horário de Brasília), é desconhecida. O Ministério de Gerenciamento de Emergências enviou 26 equipes de assistência ao local, de acordo com o portal de notícias Mnw.cn, do jornal local Fujian News. Vídeos e fotografias mostrados pela mídia local mostram equipes de emergência que vagam pelos escombros do prédio caído.

“Eu estava jantando e de repente ouvi um grande barulho, pensei que fosse uma explosão. Até correr para a varanda, não vi que o hotel havia desmoronado completamente ”, disse uma testemunha ao portal de notícias.

Em Fujian, província de Quanzhou, pelo menos 296 casos de coronavírus foram detectados, segundo a Comissão Nacional de Saúde da China. Outras 10.819 pessoas estão em observação.

O colapso interrompe as boas notícias que a China acumulou em torno da nova epidemia de coronavírus, que deixou mais de 3.000 mortos e infectou mais de 80.000 pessoas em cerca de três meses. Neste sábado, a Comissão Nacional de Saúde anunciou 99 novas infecções, a primeira vez abaixo de de cem desde 18 de janeiro, antes da gravidade da crise ser admitida e da cidade de Wuhan, o foco da doença, ser bloqueada pela quarentena.

Há dois dias, fora da cidade de Hubei, sua província não detecta novos casos ―há um mês contava milhares. No resto da China, se as infecções recentes ainda são registradas às dezenas, é devido a casos importados do exterior: a quantidade de infectados é reduzida a um punhado diariamente.

Mais informações