Europa
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Europa Central, do pós-comunismo à democracia

Eleições na República Tcheca, protestos na Polônia e isolamento da Hungria são sinais de uma mudança de rumo que pode acabar com o populismo de direita que desafia a União Europeia

Arte sobre a transição política de países europeus nas últimas décadas.
Arte sobre a transição política de países europeus nas últimas décadas.SR. GARCÍA

Há alguns dias, uma senhora de 94 anos segurava uma bandeirinha europeia na mão enquanto avançava com sua cadeira de rodas pelas ruas de Varsóvia em meio a milhares de manifestantes que protestavam contra a reforma do Poder Judiciário polonês e contra o enfrentamento do Governo local com a União Europeia. Essa idosa, que em 1944 era uma jovem combatente no levante de Varsóvia contra o nazismo, hoje se tornou um símbolo da insatisfação de grande parte dos poloneses que observam como seu Governo se aproxima cada vez mais do populismo antidemocrático de Viktor Orbán na Hungria, rebelando-se contra os valores democráticos que caracterizam a União Europeia.

Aquela senhora com a bandeirinha azul de estrelas amarelas certamente gostaria de se livrar do populismo no seu país nas próximas eleições, assim como fizeram os tchecos em 9 de outubro quando disseram um grande não ao oligarca Andrej Babiš e seu movimento ANO (“sim”, em tcheco). Há meses, boa parte dos cidadãos tchecos esperava as eleições como o momento de se livrar do corrupto populista Babiš, um dos oligarcas mais ricos da Europa, detentor de grande parte dos meios de comunicação da República Tcheca.

“Nós somos a mudança, assim como vocês”, disse a seus eleitores o cientista política Petr Fiala, líder da coalizão Spolu (“Juntos”), que com quase 28% dos votos conseguiu uma vitória apertada sobre o ANO e será o próximo primeiro-ministro. Babiš baseou sua campanha em difamar quase todos os partidos, e isso contribuiu para que vários potenciais aliados de coalizão ficassem de fora do Parlamento, e que os que se elegeram relutem em formar uma aliança com o ANO porque preferem fortalecer a formação ganhadora. Com seu veneno, Babiš cavou sua própria tumba, politicamente falando.

Outro fator importante na derrota do oligarca foi a publicação dos Pandora Papers, em cuja lista Babiš figura como dono de um imóvel de luxo na costa mediterrânea de França e de 4,3 milhões de euros (28,4 milhões de reais) depositados em paraísos fiscais. Enquanto Babiš apostou basicamente nos eleitores de regiões e baseou suas propostas no euroceticismo, populismo e demonização da imigração —atitudes semelhantes às dos atuais mandatários da Polônia e Hungria—, o novo ganhador das eleições promete o contrário, ao menos em alguns temas: mais aproximação com a União Europeia e mais democracia. Como a imigração é um terreno minado na Europa pós-comunista, Fiala não se pronunciou sobre isso e não se esperam grandes mudanças nessa área, como tampouco na legalização do casamento homossexual e de outros avanços sociais.

Também na Hungria se esperam modificações. Não é que Orbán tenha mudado sua postura de enfrentar a União Europeia e minar o sistema democrático, que na Hungria vai se aproximando perigosamente da autocracia, assim como na Polônia. Mas graças à vitória dos sociais-democratas nas recentes eleições alemãs, Orbán em breve poderá se ver obrigado a mudar de rumo. O premiê húngaro tinha na chanceler alemã, Angela Merkel, uma pragmática protetora que evitava confrontos políticos porque preferia se centrar na prosperidade das empresas alemãs, sobretudo depois que Orbán ajudou a Volkswagen depois do escândalo [de manipulação de motores poluentes] de 2015. A relação desses dois políticos, que se consideram discípulos do ex-chanceler Helmut Kohl (que governou a Alemanha entre 1982 e 1998), era muito mais estreita do que podia parecer à primeira vista. A iminente aposentadoria da chanceler alemã começou a ser notada já no ano passado quando os políticos alemães da UE expressaram de modo enfático seu descontentamento com a Hungria e deixaram que o Fidesz, partido de Orbán, se desligasse do Partido Popular Europeu [bloco conservador no Parlamento Europeu]. Se por um lado o candidato de Merkel a primeiro-ministro, Armin Laschet, salientava que a UE precisa da Hungria e da Polônia, Olaf Scholz, o social-democrata vencedor das eleições, não faz absolutamente nenhuma insistência nesse ponto. E o fortalecido partido Os Verdes é muito crítico com ambos os países.

É possível que a Europa Central, ou ao menos uma parte dela, esteja entrando em uma nova fase que pode marcar a presente década: a de deixar o pós-comunismo para trás e entrar numa democracia mais sólida. A Polônia, depois de sua rebelião contra a Justiça europeia, recebeu uma boa reprimenda e não poderá continuar como antes. E se a Hungria não quiser perder as ajudas europeias, terá que controlar melhor suas tentações autocráticas. Além disso, sob a influência da recusa tcheca ao populismo, como já fez a Eslováquia depois da eleição de Zuzana Čaputová como presidenta há dois anos, a Polônia e a Hungria terão perdido um importante apoio ideológico na região, e então restarão na Europa dos valores democráticos como um par que nada contra a maré.

Por tudo isso, talvez aquela idosa polonesa com sua bandeirinha europeia na mão tenha sido a primeira andorinha de uma Europa Central que paulatinamente deixará de ser pós-comunista.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS