“Me beija e me chama de centro”, diz direita brasileira

No Brasil, o “moderado” que se apresenta para “unir o país” é o novo velho malandro da crônica política

O governador paulista João Doria (PSDB) acena ao acompanhar o aliado Bruno Covas durante votação no primeiro turno da eleição em São Paulo, no domingo
O governador paulista João Doria (PSDB) acena ao acompanhar o aliado Bruno Covas durante votação no primeiro turno da eleição em São Paulo, no domingoSebastiao Moreira / EFE

Mais importante que o mau desempenho nas urnas dos candidatos que Bolsonaro apoiou formalmente são os dois grandes marcos desta eleição: um novo líder se consolida no campo da esquerda no Brasil; e a disputa do legislativo aconteceu com um número inédito de candidatos negros, de indígenas e de pessoas transexuais, ...

Mais informações