Cemitério em São Paulo. A foto que jamais gostaríamos de publicar

Evitar sair de casa neste instante é fundamental. É a arma que temos para ajudar a preservar a própria saúde e ao mesmo tempo preservar a vida de outros

Coveiros no cemitério Vila Formosa, em São Paulo.
Coveiros no cemitério Vila Formosa, em São Paulo.AMANDA PEROBELLI / Reuters

Há uma decisão muito difícil em tornar pública uma foto como esta. Desde o início da crise começamos a nos policiar, pensando em quem está perdendo pessoas neste momento duro e na sensibilidade necessária para abordar a pandemia do coronavírus. Quais fotos, quais palavras adotar para abordar um assunto tão doloroso. Não são números de mortes. São pessoas, histórias, afetos, memórias sagradas. A foto acima fica no cemitério Vila Formosa, na zona oeste em São Paulo. Tantas covas abertas, uma ao lado da outra, são o retrato de uma pandemia avassaladora. Já são 299 brasileiros mortos pelo Covid-19, segundo o Ministério da Saúde, e quase 8.000 infectados. O problema é que há, ainda, inúmeros óbitos cujas vítimas apresentaram sintomas similares àqueles que contraíram o vírus, mas seus familiares não tiveram a chance de confirmar. Os números oficiais são defasados, como o próprio Ministério reconhece, mas não por um princípio de má fé. Não há testes, nem infraestrutura médica, para confirmar. Um problema que tanto o Brasil como o mundo estão encarando. Não há material médico para importar.

Mais informações

Esse quadro devastador do coronavírus foi visto primeiro na China, depois na Itália e na Espanha. Chegou há poucos dias aos Estados Unidos. E começa a se impor no Brasil, como revela a foto de Amanda Perobelli, fotógrafa da Reuters. Um alerta que ilustra as projeções do Ministério da Saúde, de que o país entrará num pico de contaminações e mortes nas próximas três semanas.

Há mais mortes do que o esperado, por uma pandemia que execra o mundo todo, e pela qual muitos não podem nem se despedir direito de parceiros, pais, tios, amigos, vivendo a pior dor de suas vidas, sem uma pausa para o ritual do luto. Caixões estão chegando fechados aos cemitérios, para evitar que familiares corram o risco de se contaminarem. O vírus fica no corpo mais 72 horas depois do óbito. Outros países viram crescer os casos de contágios em velórios, o que fez o mundo delimitar a cerimônia fúnebre ao enterro acompanhado por poucas pessoas.

Esta é a foto que marca o momento grave que o Brasil está vivendo, embora ainda exista uma parcela da população que duvida. Decidimos publicá-la como um alerta de algo que o país pode, se não evitar, atenuar. Se muitos de nós viveremos cenas assim, há uma chance de reduzir a catástrofe pensando no coletivo. O vírus é agressivo, facilmente transmissível, e se chega aos pulmões, pode matar em poucos dias por insuficiência respiratória ou cardiopatia, principalmente os idosos com doenças prévias. Mas pessoas de outras faixas etárias também se contaminam e podem precisar de hospitalização numa hora tão nefasta. Evitar sair de casa neste instante é fundamental. Como disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, é a "arma que gente tem” para ajudar a preservar a própria saúde e ao mesmo tempo preservar a vida de outros. Inclusive a dos médicos, enfermeiros e profissionais de saúde em geral que estão colocando em risco a própria existência para dar conta de tantos enfermos ao mesmo tempo. Solidariedade. Podemos viver essa dor com empatia pelo coletivo e aprender com ela, para que a humanidade não precise passar por isso novamente.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações