Fernández contra Fernández na Argentina

A guerra fratricida entre o presidente e sua vice abre uma crise política que ameaça a governabilidade do país e dilapida as opções eleitorais da coalizão peronista

Alberto Fernández e Cristina Kirchner.
Alberto Fernández e Cristina Kirchner.DPA vía Europa Press (Europa Press)

A Argentina adora futebol. E hoje ela joga sua pior partida. O time da casa foi para o vestiário no intervalo depois de tomar três gols, e em vez de planejar a estratégia para reverter o placar, o treinador e os jogadores se cruzaram com golpes de punhos cerrados. O público ficou maravilhado com o show de boxe. Quando o segundo tempo começou, a derrota final parecia consumada. O país sul-americano joga contra si mesmo e os protagonistas têm nome e sobrenome. De um lado, o presidente, Alberto Fernández; de outro, Cristina Fernández de Kirchner, sua vice. Brigam os Fernández e a Argentina sofre.

Mais informações

No último domingo, a coalizão peronista que governa o país sul-americano desde dezembro de 2019 sofreu uma derrota sem precedentes em uma eleição para qualificar candidatos às legislaturas de fato, marcada para 14 de novembro. Como a eleição foi aberta e obrigatória, o resultado antecipou o que o partido no poder pode esperar em oito semanas: seus candidatos perderam em 18 dos 24 distritos e o controle do Congresso está em risco. A catástrofe foi de 3 a 0 no primeiro tempo e dinamitou a aliança peronista formada por Fernández e Sergio Massa, presidente da Câmara dos Deputados. A luta pôs em evidência o que muitos argentinos sabiam e outros presumiam: o poder na Argentina pertence a Cristina Fernández de Kirchner. O presidente, ungido por ela como candidato há dois anos, está em seu lugar apenas para obedecê-la, pensam, e agora dizem em voz alta, os kirchneristas. O quanto ele deve obedecer está na origem da crise que agora paralisa a Argentina.

“A estratégia de coalizão de Alberto Fernández era dar um pedaço a cada um e não construir poder”, diz Pablo Touzon, cientista político da consultoria Escenarios. O Gabinete de Ministros foi a prova desta distribuição. Sem partido próprio, Fernández manteve a liderança do Gabinete e o Ministério da Economia para si e entregou outras peças-chave. A relação com as províncias, nas mãos do Interior, e outras pastas com orçamentos elevados foram deixados para o Kirchnerismo.

Após a derrota de domingo, Cristina Kirchner se sentiu no deserto e pressionou Fernández para a troca de colaboradores. O presidente preferiu esperar as eleições ao Legislativo em novembro, e assim a guerra começou. Na noite desta sexta-feira, ele finalmente cedeu à pressão, livrou-se de seu ministro-chefe e manteve todos os cargos da vice-presidente. A relação entre os dois nunca foi fácil, pois o presidente “se via como o treinador da coalizão”. “Mas para que funcione é preciso haver um poder que comanda, senão surge a balcanização. Fernández deveria ter construído força quando tinha 80% de popularidade porque agora, com pressa, tem que fazê-lo em 48 horas “, acrescenta Touzón.

O casal presidencial já havia passado meses sem se falar, com contatos por meio de interlocutores. Quando a situação o justificava, Fernández de Kirchner utilizava as redes sociais para publicar longas cartas de repúdio ou apoio ao presidente, conforme a ocasião. Enquanto isso, o kirchnerismo nas ruas aumentava o mal-estar, convencido de que Fernández era um mero ocupante da Casa Rosada, um usurpador do voto popular que não reconhecia a dívida que tinha com Cristina. Na última terça-feira, 48 horas após as primárias, o presidente e o vice-presidente se encontraram a sós para desenvolver uma estratégia de reconstrução. Cristina pediu a mudança de ministros para oxigenar a gestão e agregar possibilidades nas legislativas. Fernández recusou. A reunião terminou aos gritos, segundo fontes de uma das partes. E sem acordo, é claro.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

“A vice-presidente sentiu que eles a haviam atingido no núcleo duro de seu eleitorado”, explica a cientista política Gabriela Rodríguez, professora da Universidade de Buenos Aires. “Ela sabe que existem pessoas que a adoram irracionalmente, pessoas cuja vida foi mudada por certas políticas do kirchnerismo. Segundo sua leitura, o presidente ofendeu as pessoas que vêm abraçá-la e agora não têm o que comer “, completa. Para recuperar esse voto, que ainda não está claro se ele foi para a oposição ou apenas ficou em casa no último domingo, Kirchner acredita que é preciso mais kirchnerismo. Ou seja, mais dinheiro na rua, mais presença do Estado, mais políticas públicas. Esse plano colide com as necessidades argentinas de se acertar com o FMI, ao qual não consegue pagar os 44 bilhões de dólares que o presidente Mauricio Macri recebeu como resgate em 2018.

Facundo Cruz, cientista político e autor de Sócios, mas nem tanto, acredita que para fechar o círculo kirchnerista a Argentina teria que crescer, mas a pandemia caiu sobre ela como uma pedra. “Essa reativação econômica que eles queriam para 2021 não existe e o na Frente de Todos agora há diferenças de estratégia. Cristina e Alberto não coincidem sobre o timing de atingir esse objetivo.”

O peronismo agora tem até 14 de novembro para recuperar votos e evitar outra catástrofe nas urnas. O espetáculo que os argentinos presenciaram na última semana não vai ajudar muito. No entanto, não é aconselhável subestimar o poder de resiliência do peronismo. “As coisas são reativadas quando o objetivo é o poder, porque as coalizões se amam e se odeiam”, diz Gabriela Rodríguez. “Agora é a vez de curar as feridas, agrupar as tropas, unificar o comando e sair para lutar pelas eleições porque nenhuma das três pernas beneficia da ruptura”, acrescenta Facundo Cruz. De qualquer forma, o casal vai colocar suas forças mais uma vez à prova na hora de contar os votos das Legislativas em novembro. Eles não esperam boas notícias.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: