Xamã do QAnon se declara culpado no caso do ataque ao Capitólio

Jacob Chansley chega a um acordo com promotores federais pelo qual poderia ser condenado a uma pena de entre três e quatro anos de prisão

O ‘xamã’ do QAnon durante o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro.
O ‘xamã’ do QAnon durante o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro.Win McNamee/Getty Images (Getty Images)

Jacob Chansley, mais conhecido como Bisão ou xamã do QAnon, se declarou culpado na sexta-feira de obstruir os procedimentos do Colégio Eleitoral no ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro. O homem que invadiu a sala do Senado exibindo chifres, peles na cabeça e o peito descoberto pode ser condenado a uma pena de entre três e quatro anos de prisão. Chansley, que chegou a um acordo com os promotores que cuidam do caso em uma audiência virtual no Tribunal Federal de Distrito em Washington, conhecerá a sentença no dia 17 de novembro.

O jovem de 34 anos é um dos rostos mais conhecidos do ataque realizado por uma turba de apoiadores de Donald Trump. O advogado de Chansley defendeu em janeiro que seu cliente estava “arrependido” e que se sentia “traído” pelo ex-presidente republicano, “o homem a quem deu a lua e que lhe virou as costas”, disse. De acordo com os promotores, quando o Bisão esteve na sala do Senado, deixou um bilhete na mesa do então vice-presidente Mike Pence que dizia: “É apenas uma questão de tempo, a justiça vai chegar”.

Mais informações
US Capitol police block a street during an investigation of a possible bomb threat near the US Capitol and Library of Congress in Washington, DC, on August 19, 2021. - Police said Thursday a suspicious vehicle was being investigated for possible explosives and that people were told to leave the area. "The USCP is responding to a suspicious vehicle near the Library of Congress," the US Capitol Police said on its Twitter feed.  "This is an active bomb threat investigation." The Federal Bureau of Investigation says it has also joined the probe. (Photo by Nicholas Kamm / AFP)
Polícia prende homem que alegou ter uma bomba perto do Capitólio dos EUA
El presidente del comité de investigación del ataque al Capitolio, Bennie Thompson, y la republicana Liz Cheney.
Comissão que investiga o ataque ao Capitólio nos EUA entra em ação em um Congresso fragmentado
WASHINGTON, DC - JANUARY 06: Protesters enter the Senate Chamber on January 06, 2021 in Washington, DC. Congress held a joint session today to ratify President-elect Joe Biden's 306-232 Electoral College win over President Donald Trump. Pro-Trump protesters have entered the U.S. Capitol building after mass demonstrations in the nation's capital. (Photo by Win McNamee/Getty Images)
Os ‘patriotas’ que invadiram o Congresso dos Estados Unidos

O seguidor do QAnon, considerado uma organização de terrorismo interno pelo FBI, foi um dos primeiros insurgentes a invadir o Capitólio. Três dias depois do ataque, foi preso e acusado de seis crimes federais, entre os quais figuravam: desordem civil, obstrução aos procedimentos do Colégio Eleitoral, alteração da ordem pública em lugar restrito e manifestação em um edifício do Capitólio. Na sexta-feira ele só se declarou culpado pela obstrução, um dos crimes mais graves. Como parte do acordo, Chansley comprometeu-se a pagar 2.000 dólares (cerca de 10.380 reais) como restituição por danos ao Capitólio e ainda é possível que receba uma multa de 250.000 dólares.

Jacob Chansley, mais conhecido como Bisão ou xamã do QAnon, durante o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos, em 6 de janeiro.
Jacob Chansley, mais conhecido como Bisão ou xamã do QAnon, durante o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos, em 6 de janeiro. SAUL LOEB (AFP)

“Quando o presidente, em 6 de janeiro, pediu que caminhassem com ele pela Avenida Pensilvânia, sentiram não apenas que o presidente estava falando com eles, mas que os convidava. Nosso presidente teve um papel? Teve alguma influência? Causou, ao menos em parte, o que aconteceu em 6 de janeiro? Sim. Categoricamente. Sem dúvida alguma”, disse em janeiro o advogado Albert Watkins sobre as razões que motivaram os atos de seu cliente durante o ataque.

O juiz distrital Royce Lamberth aceitou os termos do acordo do réu com os promotores federais, que o condenarão a uma pena de entre 41 e 51 meses de prisão. Lamberth disse que em breve decidirá sobre o pedido do advogado de Chansley para libertar seu cliente enquanto aguarda a sentença. O Departamento de Justiça já se opôs a esse pedido feito reiteradamente desde a prisão de Chansley, em janeiro. “É um homem com uma saúde mental vulnerável que vive há oito meses o que qualquer médico diria ser a pior coisa que pode ser feita a alguém que tem um transtorno de personalidade”, disse Watkins.

Chansley faz parte de um pequeno grupo de violentos que, embora não tenham atacado ninguém em 6 de janeiro, permanecem sob custódia federal antes do julgamento porque representam um risco para a sociedade. Ao menos 600 pessoas foram presas até agora no caso do ataque ao Capitólio. O Departamento de Justiça obteve mais de 50 confissões de culpa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS