Comissão que investiga ataque ao Capitólio dos EUA questiona papel de Trump no episódio

Comitê da Câmara, com maioria democrata, solicita documentação a sete órgãos federais. Pediu inclui material de inteligência como os do FBI e do Pentágono

O ex-presidente Donald Trump em um comício perto da Casa Branca, em 6 de janeiro de 2021.
O ex-presidente Donald Trump em um comício perto da Casa Branca, em 6 de janeiro de 2021.MICHAEL REYNOLDS (EFE)
Mais informações

O comitê da Câmara de Representantes (deputados) que investiga a invasão do Capitólio em 6 de janeiro solicitou nesta quarta-feira os registros detalhados dos movimentos e reuniões do então presidente Donald Trump naquele dia. O grupo, uma espécie de CPI de maioria democrata, solicitou uma série de documentos a sete órgãos federais para apurar o ataque ao Congresso perpetrado por uma turba de seguidores do republicano com o objetivo de bloquear a nomeação de Joe Biden como presidente. Os membros da comissão também pediram informações sobre a organização e financiamento de comícios de Trump onde foi mencionada a possibilidade de bloquear ou retardar a transferência de poder ao democrata.

“Nossa Constituição prevê uma transferência pacífica de poder, e esta investigação busca avaliar as ameaças a esse processo, identificar as lições aprendidas e recomendar leis, políticas, procedimentos, regras ou regulamentos necessários para proteger a nossa República no futuro”, afirmou nesta quarta-feira o deputado democrata Bennie Thompson, presidente do comitê seletivo (ou seja, com menos atribuições de uma comissão que fosse competente para investigar e legislar).

Nas cartas que enviou aos órgãos federais para solicitar informação, Thompson alegou que a investigação vai além do que ocorreu no dia da invasão. O comitê pediu os registros das “comunicações dentro da Casa Branca e entre esta e as agências do Poder Executivo durante o período anterior a 6 de janeiro e naquele dia”, além de material que revele “o conhecimento do ex-presidente sobre os resultados das eleições e o que comunicou ao povo norte-americano sobre as eleições”. O líder da minoria na Câmara de Representantes, o republicano Kevin McCarthy, criticou as ações da comissão, acusando-a de fazer um trabalho “mais político” em detrimento de um inquérito independente.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Os membros da comissão solicitaram aos Arquivos Nacionais todos os documentos da Casa Branca fornecidos a Trump e ao seu chefe de gabinete, Mark Meadows, que fizessem alusão a “uma eleição roubada, roubo da eleição ou eleição ‘forjada’”. Também pediram dados ao FBI, ao Pentágono, aos Departamentos de Segurança Nacional, Interior e Justiça, entre outros órgãos federais. Os legisladores procuram material “relacionado com a inteligência recolhida antes de 6 de janeiro sobre acontecimentos que poderiam ocorrer naquele dia”.

A comissão cogita também pedir às empresas de telecomunicações e redes sociais que conservem os registros de “várias centenas de pessoas”, incluídos alguns parlamentares. Thompson observou que o grupo pretende examinar todo o material que for necessário para explicar o que aconteceu no dia do ataque. Essa CPI está composta por 11 democratas e 2 republicanos. Os congressistas democratas tentaram formar uma comissão independente —com maior poder de ação e composta pelo mesmo número de democratas e republicanos—, mas os republicanos bloquearam a iniciativa no Senado.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: