Foto do aniversário da primeira-dama agita campanha eleitoral na Argentina

A comemoração foi realizada na residência oficial do presidente Alberto Fernández em 14 de julho de 2020, quando os argentinos tinham que manter uma quarentena estrita contra a covid-19

O presidente da Argentina, Alberto Fernández (à esquerda), posa com uma dúzia de outros convidados durante a festa de aniversário de sua esposa, Fabiola Yáñez (a terceira a partir da esquerda), em 14 de julho de 2020.
O presidente da Argentina, Alberto Fernández (à esquerda), posa com uma dúzia de outros convidados durante a festa de aniversário de sua esposa, Fabiola Yáñez (a terceira a partir da esquerda), em 14 de julho de 2020.
Mais informações

É uma cena típica entre bons amigos. A primeira-dama da Argentina, Fabiola Yánez, comemora seu aniversário com o presidente, Alberto Fernández, e uma dezena de pessoas. Na grande mesa da sala, pode-se ver os restos de um jantar e flores. Todos sorriem para a câmera. Um cartão postal muito normal, mas registrado em tempos anormais. Porque a foto é datada de 14 de julho de 2020, quando os argentinos mal podiam sair de suas casas e os encontros sociais eram proibidos pela covid-19. A quarentena foi na época uma das mais rígidas da região, e as evidências da reunião agitaram a campanha eleitoral para o Legislativo de novembro. O Governo reconheceu que a reunião “foi um erro” e “não devia ter acontecido”. A oposição prepara um pedido de impeachment contra o presidente.

Em 20 de março do ano passado, o presidente Fernández confinou os argentinos.A covid-19 ainda era uma ameaça circulando na Ásia e na Europa. Com uma quarentena muito rígida, o Governo conseguiu conter os contágios, ao mesmo tempo em que acrescentava leitos de UTI em hospitais e comprava respiradores enquanto esperava a grande onda. No início da quarentena, a oposição criticou os confinamentos e promoveu protestos, enquanto o presidente lembrou que o decreto que trazia sua assinatura estabelecia prisão para quem não respeitasse o confinamento. Circulação, vigília, viagens dentro e fora do país foram proibidas e negócios não essenciais fecharam suas portas. As restrições estavam em vigor há 13 meses, quando a esposa de Fernández convidou suas amigas para a residência oficial e comemorou seu aniversário. “No dia 14 de julho, aniversário da minha querida Fabiola, ela convocou uma reunião com as amigas e um brinde que não deveria ter sido feito”, disse Fernández nesta sexta-feira, durante evento público. “Eu definitivamente percebo que não deveria ter sido feito. E sinto muito que tenha acontecido. Eu claramente me arrependo “, ele insistiu.

A divulgação da fotografia teve precedente no dia 11 de junho. Nesse dia, a ONG Poder Ciudadano, capítulo local da Transparência Internacional, publicou como dados abertos a lista oficial de receitas para a residência de Olivos em 2020 e 2021. Fernández justificou a peregrinação das pessoas às necessidades da gestão: “Fiquei trabalhando em Olivos por recomendação dos médicos, mas Olivos se tornou uma cidade. Havia governadores, deputados, ministros, secretários, empresários, jogadores de futebol, atores, atrizes, gente que tinha problemas e precisava ser ouvida. Vivi todo esse tempo em grande vertigem, vertigem que me fazia ter encontros com centenas de pessoas“.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Quando os amigos da primeira-dama apareceram na lista, com entrada noturna e saída matinal, a oposição solicitou uma investigação judicial para apurar se o decreto de quarentena havia sido violado ou não. O Governo considerou esses acessos “de trabalho”, mas se rendeu às evidências quando mãos anônimas vazaram a foto de aniversário online.

O encontro “não deveria ter acontecido”, insistiu o chefe de ministros, Antonio Cafiero. Em seguida, disparou contra a oposição, que acusou de gerar “escândalos” e “fazer especulações eleitorais”. “Eles se opuseram a todas as medidas de cuidado e agora dão lições de moral (...) Agora procuram discutir uma foto”, defendeu.

O vazamento das evidências daquele distante confronto ilegal coincide com o início da campanha eleitoral para as primárias em 12 de setembro e para as Legislativas em 14 de novembro. Um pedido de impeachment contra Fernández já tramita no Congresso. “A decisão está tomada”, disse o presidente do bloco Juntos por el Cambio, que reúne as forças que conduziram Mauricio Macri como candidato nas últimas eleições gerais. “Eu não sou um atirador que pede impeachment todos os dias. É por isso que analisei isso cuidadosamente. Hoje vemos que a gota transbordou do copo “, avisou Mario Negri.

O processo de impeachment não tem chance de sucesso, pois a oposição não reúne os dois terços dos votos exigidos pela Constituição, mas o processo obrigará os deputados pró-Governo a argumentarem a favor do presidente. A estratégia da Casa Rosada até agora tem sido admitir o erro e virar a página o mais rápido possível. Os tempos políticos estão pressionando. Em um mês, os partidos vão eleger candidatos em eleições internas obrigatórias e abertas e, em seguida, as câmaras de senadores e deputados serão renovadas. Do resultado dessas eleições dependerá a força dos dois anos de gestão de Fernández que restam.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: