Canal de Suez

Bloqueio do canal de Suez por navio encalhado ameaça prejudicar o comércio mundial por semanas

Fracasso das operações para fazer o ‘Ever Given’ flutuar prolonga o fechamento de uma rota marítima fundamental. Cerca de 200 embarcações estão congestionadas na região

O navio 'Ever Given', nesta quinta-feira, encalhado no canal de Suez.
O navio 'Ever Given', nesta quinta-feira, encalhado no canal de Suez.- / AFP

Mais informações

A autoridade do canal de Suez anunciou nesta quinta-feira a suspensão da navegação pela estratégica rota marítima que conecta o mar Vermelho ao Mediterrâneo até que se consiga fazer flutuar o navio porta-contêineres Ever Given, que encalhou na terça-feira no extremo sul dessa passagem. Na ausência de avanços na operação de reboque da embarcação, uma das maiores do mundo, o setor se prepara para um fechamento prolongado, que pode durar semanas. O bloqueio ameaça prejudicar as cadeias de abastecimento do comércio mundial. Duas das maiores empresas de transporte de contêineres do mundo, a dinamarquesa Moller-Maersk e a alemã Hapag-Lloyd, estudam desviar seus navios pela rota africana para evitar o gargalo.

As cadeias de suprimentos mundiais já tinham sido duramente atingidas pela crise do coronavírus. Agora, o bloqueio do canal de Suez, uma das principais artérias da navegação mundial, é um novo golpe no comércio global. O anúncio da suspensão veio logo após a retomada da operação de desencalhe do meganavio, que, com seus 400 metros de extensão, mantém o tráfego bloqueado nas duas direções. Até agora, fracassaram todas as tentativas de fazer o Ever Given flutuar.

O tráfego marítimo diário através do canal de Suez é avaliado em 9,6 bilhões (54,5 bilhões de reais), de acordo com uma primeira estimativa do Lloyd’s List Intelligence, especializada no setor. De acordo com ela, o tráfego para o ocidente está em torno de 5,1 bilhões de dólares por dia, enquanto na direção oposta se situa em 4,5 bilhões de dólares. A empresa estima ainda que as mercadorias em contêineres representem cerca de 26% do tráfego do canal, pelo que já antecipa que os atrasos resultarão em um valor “significativo”.

Assim como a gigante Moller-Maersk, as demais companhias de navegação terão que decidir se confiam que o Ever Given vai ser rapidamente desencalhado ou, então, se devem desviar-se e tomar a rota alternativa ao redor do Cabo da Boa Esperança, diz Lars Jensen, diretor executivo de uma empresa de consultoria no setor de transporte de contêineres. Segundo Jensen, esta última possibilidade leva cerca de uma semana a mais do que a de Suez. Quanto mais tempo o canal permanecer fechado, maior será a fila de navios esperando para cruzá-lo, criando atrasos adicionais mesmo quando o tráfego for retomado. Um desvio da rota também teria implicações financeiras para o Egito, já que a infraestrutura representa uma de suas principais fontes de entrada de moeda estrangeira.

Fila de embarcações no canal de Suez vista da orla, nesta quinta.
Fila de embarcações no canal de Suez vista da orla, nesta quinta. KHALED ELFIQI / EFE

“Como uma enorme baleia encalhada”

Ainda não está claro quanto tempo vai demorar para desalojar o navio, mas o chefe de uma empresa especializada em salvamento, que participa da operação, considera a possibilidade de que “possa levar semanas”, em entrevista a uma rede de televisão holandesa. “É como uma enorme baleia encalhada. É um peso enorme”, ilustrou Peter Berdowski, diretor-geral da empresa Boskalis, que também não descarta a necessidade de retirada de contêineres do navio.

O acúmulo de navios aumenta com o passar das horas. Na manhã desta quinta-feira, 70 embarcações continuavam paradas na parte sul do canal e outras 86 mais para o norte, esperando para retomar a circulação, de acordo com a Leth Agencies, uma prestadora de serviços para a indústria marítima mundial. Destas últimas, 34 estão ancoradas em um grande lago na metade do canal. A Lloyd’s List Intelligence estima o total em 200 navios.

Na área do Ever Given há pelo menos sete rebocadores empurrando o navio de ambos os lados para tentar colocá-lo à tona, segundo mostram os mapas ao vivo de rastreadores de tráfego marítimo. Além disso, pelo menos duas dragas estão trabalhando para remover areia e lama da parte da parede do canal contra a qual o navio encalhou, de acordo com as Leth Agencies, mas até agora não conseguiram movimentá-lo, conforme confirmou um porta-voz da autoridade do canal ao EL PAÍS.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Entre os navios na fila estão pelo menos 10 petroleiros que transportam cerca de 13 milhões de barris de petróleo do Oriente Médio, de acordo com a empresa de inteligência energética Vortexa. Além disso, a empresa localizou outras nove embarcações transportando derivados de petróleo leve e biodiesel, perto da cidade de Suez, no sul do país.

Empresas e especialistas do setor avaliam que se as autoridades egípcias conseguirem desbloquear o navio e retomar a circulação rapidamente, algo que parece cada vez menos provável, uma grande interrupção na cadeia de abastecimento poderia ser evitada. Mas já contemplam cenários mais adversos.

A empresa proprietária do navio, a japonesa Shoei Kisen Kaisha, especializada no arrendamento de navios, pediu desculpas nesta quinta-feira, em um comunicado, pela “grande preocupação” que causou aos navios que pretendiam atravessar o canal e a todas as partes envolvidas. A empresa também garantiu que está cooperando na operação para fazer a embarcação flutuar, mas admitiu que a situação é “extremamente difícil”.

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50