Pandemia de coronavírus

As sombras depois da retumbante recuperação da China

O gigante asiático será a única economia avançada que crescerá em 2020, exceção que ilustra suas peculiaridades estatísticas e financeiras

Centenas de contêineres de carga nesta segunda-feira no porto de Xangai.
Centenas de contêineres de carga nesta segunda-feira no porto de Xangai.ALY SONG / Reuters

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

As previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) são fulminantes: todas as grandes economias minguarão como resultado da pandemia, no maior declínio mundial desde a Grande Depressão dos anos 1930. Todas menos uma: a China. O gigante asiático confirmou a sua excepcionalidade nos dados correspondentes ao terceiro trimestre, divulgados esta semana, que apontam para um crescimento de 4,9% e que, após o colapso inicial, devolvem o PIB a território positivo até aqui neste ano (0,4%). Esta leitura a priori otimista se relaciona com as particularidades de seu programa de estímulos, bem como os métodos estatísticos de um país em que nada escapa aos ditames do Partido Comunista.

Mais informações

Todos os indicadores oficiais chineses estão envoltos em uma camada de receio. Nem o PIB, talvez o mais importante de todos, escapa ao ceticismo. “Fui capaz de prever a taxa de crescimento anual nos últimos dez anos”, brinca Michael Pettis, professor de Finanças da Universidade de Pequim. Desde 2010, a curva desenhou um suave e ordenado descenso. “Uma estabilidade assim é impossível. A chave é que, enquanto em muitos países o PIB é a consequência da atividade econômica, na China é um antecedente”, explica. “O Governo fixa uma cifra e, em seguida, os níveis mais baixos da administração devem fazer o que for preciso para alcançá-la. O mais importante é saber de quanto crescimento precisam por motivos políticos, o que basicamente se resume em evitar que o desemprego cresça, para que não se torne um problema”.

Este ano, de fato, o partido se recusou a definir uma meta de crescimento do PIB ― como é de costume ―e, em vez disso, estabeleceu o desemprego como prioridade máxima. A taxa oficial de desemprego urbano ― também pouco representativa da realidade do mercado de trabalho ― já caiu para 5,4% em setembro, após atingir seu teto (6,2%) em fevereiro. O algarismo, portanto, permanecerá um mistério até o fim. Na semana passada, o FMI revisou para cima sua projeção, para 1,9%; Yi Gang, o governador do banco central, estimou durante uma reunião neste fim de semana que ficaria em torno de 2%; e Pettis aposta um pouco mais alto: “Acho que 3% será o suficiente”.

A ausência de dados totalmente confiáveis é uma lacuna que muitos tentam preencher. É o caso, por exemplo, da consultoria Capital Economics, cuja equipe desenvolveu uma métrica alternativa chamada China Activity Proxy (CAP) e feita a partir de oito indicadores macroeconômicos secundários. O CAP coincide com o PIB para o terceiro trimestre, mas reduz os 3,2% do período anterior para 0,7%. Enquanto os dados oficiais indicam que a China cresceu 48% nos últimos cinco anos, o CAP registra 33%, com uma queda significativa entre 2015 e 2016, fase que coincide com a decisão do banco central de flexibilizar sua política monetária. “O CAP não tem o detalhe ou a precisão das estimativas do PIB que uma agência nacional de estatísticas independente pode oferecer (...), mas mostra uma maior correlação com variáveis-chave, como fluxo de comércio, PMI ou lucros empresariais e fiscais do que o PIB oficial”, afirmou a empresa ao apresentar a métrica.

Um dos resultados mais otimistas foi o das vendas no varejo, que subiram 3,3% em setembro. O gasto privado fortalece assim sua evolução após crescer pela primeira vez neste ano ―um tímido 0,5%― em agosto. A recuperação, em todo caso, ainda não está completa: o acumulado anual ainda é 7,2% inferior ao de 2019 no mesmo período. “O consumo é determinado a partir de duas variáveis: renda e poupança. A pandemia foi devastadora porque causou um duplo retrocesso: a primeira caiu e a segunda aumentou”, diz Pettis. Com isso, o consumo doméstico segue no vermelho com ―1,1% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, embora tenha experimentado melhora depois dos -5,7% no segundo. “O desafio futuro é até que ponto a renda disponível das famílias pode continuar a aumentar para acelerar o consumo”, disse o banco de investimentos Natixis em relatório recente.

Duas maneiras de reativar a economia

O consumo parece finalmente acelerar e seguir na esteira da produção industrial, que cresceu 6,9% em setembro, o ritmo mais rápido este ano e comparável ao de antes da pandemia. Esta lacuna entre as duas categorias ilustra a natureza dos estímulos implementados pela China. “A pandemia é um choque para a oferta ou a demanda?”, questiona Pettis. "Originalmente as duas coisas, pois em um primeiro momento o trabalhador não podia ir à fábrica da mesma forma que o consumidor não podia ir ao supermercado, mas logo passou para a demanda. Se você olhar os EUA ou a Europa, verá que o consumo se recuperou melhor do que a produção. Isto porque a ajuda foi focada na demanda, na forma de auxílios e renda ao desempregado. Na China, porém, não existe um mecanismo para isso.

Talvez a grande diferença na resposta em relação ao restante do mundo seja que enquanto a maioria dos países tenta estimular a demanda, o gigante asiático se concentra na oferta. Isto ajuda a entender, por exemplo, porque as exportações do gigante asiático continuaram a crescer: 13,2% em setembro, até atingir o valor histórico de 203 bilhões de dólares (1,1 trilhão de reais). Em abril, a China respondeu por quase um quinto das exportações mundiais.

É uma solução mais eficaz? “No curto prazo, sim”, diz Pettis. “No longo prazo, significa redobrar a aposta e aprofundar os riscos estruturais.” A bola que a China chutou para a frente leva o nome de um perigo recorrente: a dívida. "Segundo os dados oficiais, a dívida em relação ao PIB aumentou de 249% para 254% em 2019. Já é muito. Mas este ano, segundo minhas estimativas mais conservadoras, vai crescer quatro vezes mais: entre 21 e 28 pontos percentuais ". A eficácia da estratégia só poderá ser avaliada a longo prazo. Talvez, então, os problemas sejam outros.

Siga a cobertura em tempo real da crise da covid-19 e acompanhe a evolução da pandemia no Brasil. Assine nossa newsletter diária para receber as últimas notícias e análises no e-mail.

Mais informações