Dinamarca, Noruega e Islândia suspendem uso da vacina da AstraZeneca após casos de trombose

Seis outros países pararam de aplicar um lote enquanto a Agência Europeia de Medicamentos investiga sua possível ligação com coágulos sanguíneos, ainda não confirmada. Órgão recomenda manter o imunizante

Homem de 67 anos é vacinado contra a covid-19 na Dinamarca, em 5 de março.
Homem de 67 anos é vacinado contra a covid-19 na Dinamarca, em 5 de março.Bo Amstrup (AP)
Mais informações

Nova mudança de rumo no calendário de vacinação na Europa. Dinamarca, Noruega e Islândia decidiram nesta quinta-feira suspender a aplicação da vacina da AstraZeneca, tutelada no Brasil pela Fiocruz, até que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) esclareça se a administração do imunizante está relacionada a vários casos de coágulos sanguíneos em pacientes que a receberam em diferentes países da União europeia (UE). Copenhague anunciou que a vacinação será interrompida pelos próximos 14 dias, enquanto Oslo deixou o horizonte aberto até que haja “mais informações”, de acordo com um porta-voz da Agência de Saúde Pública do país. A Finlândia continua, por ora, com as imunizações, embora acompanhe de perto as decisões de seus vizinhos nórdicos. Seis outros países, Áustria, Letônia, Estônia, Lituânia, Luxemburgo e, o último, a Itália, anunciaram nos últimos dias a suspensão de um lote específico da vacina, também distribuída na Espanha, por sua possível relação com casos de trombose.

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Por enquanto, a EMA recomenda manter a aplicação da vacina da AstraZeneca enquanto investiga os casos de trombose. “A posição do comitê de segurança da EMA é que os benefícios da vacina continuam superando os riscos e pode continuar a ser administrada enquanto os casos de eventos tromboembólicos estão sendo investigados”, afirma a agência em nota divulgada nesta quinta-feira à tarde, na qual assinala que até o dia 10 de março foram registrados 30 desses eventos em cinco milhões de vacinados, número não superior ao que costuma ocorrer na população em geral.

A nota da EMA surge após o anúncio no Twitter do ministro da Saúde dinamarquês, Magnus Heunicke, de que seu país estava cancelando as vacinações com as doses da empresa anglo-sueca. “Como medida de precaução, as autoridades de saúde suspenderam a vacinação com o [imunizante] da AstraZeneca após o sinal de um possível efeito colateral grave na forma de coágulos sanguíneos letais. Atualmente não é possível concluir se existe uma conexão [com a vacina]. Agimos de imediato, tem que ser investigado a fundo”, anunciou Heunicke. Horas depois, a vizinha Noruega também suspendia a vacinação com o fármaco da AstraZeneca, citando os mesmos motivos de precaução. “Decidimos suspendê-la até termos mais informações”, confirmou por e-mail um porta-voz do Instituto Norueguês para a Saúde Pública (FHI), que acrescentou que a decisão se baseia no que aconteceu esta manhã na Dinamarca. A Islândia foi o terceiro país a interromper a vacinação com esse imunizante.

A drástica decisão de Copenhague responde a uma atitude preventiva em relação à morte de um cidadão dinamarquês em razão de um coágulo sanguíneo, após ter recebido uma dose da fórmula da Oxford-AstraZeneca. Uma porta-voz da Agência de Saúde dinamarquesa insistiu em conversa telefônica com EL PAÍS que “não se pode relacionar essa morte à vacina da AstraZeneca”, mas que, como medida de precaução, o país decidiu “suspender” as vacinas durante o próximo 14 dias para iniciar uma investigação sobre o ocorrido. No momento, nem a idade nem o sexo da pessoa em questão foram divulgados, nem quantos dias se passaram desde a punção até o seu falecimento. No total, 142.102 pessoas foram vacinadas na Dinamarca com a dose de AstraZeneca. Na Noruega, 121.820 pessoas receberam este medicamento, que está suspenso “até novo aviso”, de acordo com um comunicado. A Islândia imunizou 9.000 pessoas com esta vacina, de acordo com a emissora pública RUV. Órólfur Guðnason, epidemiologista estatal islandês, estima que a suspensão no país não deve durar mais do que alguns dias.

Agente de saúde vacina com uma dose da AstraZeneca um homem na quarta-feira.
Agente de saúde vacina com uma dose da AstraZeneca um homem na quarta-feira. Andrew Medichini (AP)

Geir Bukholm, o epidemiologista do Estado norueguês, insistiu que a suspensão da vacinação “não significa que não se recomende o imunizante da AstraZeneca no futuro”. No entanto, apesar de as autoridades norueguesas acreditarem que o medicamento tem “boa documentação” ―em referência aos dados das análises prévias― e das mensagens pedindo calma à população nas suas coletivas de imprensa, o comunicado norueguês revela que “foram notificados alguns casos de coágulos sanguíneos logo após a vacinação”, o que ocorreu “principalmente em idosos”.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

O Governo dinamarquês, no entanto, prefere manter o foco fora de suas fronteiras: “Em toda a Europa, foi relatado um pequeno número de casos graves de coágulos sanguíneos em conexão com a vacinação da AstraZeneca”, disseram as autoridades por meio de um extenso comunicado, que exige que a Agência Europeia de Medicamentos inicie uma investigação a este respeito. “É inaceitável [que as vacinas tenham] efeitos colaterais. (...) Por isso, respondemos logo, para ver se há o menor sinal de possível risco com a vacina”, finaliza. A suspensão, explica a Agência de Saúde dinamarquesa, se aplica a toda a população do país (quase seis milhões de habitantes), tendo ou não recebido a primeira dose. Os que já foram vacinados receberão uma carta oficial na qual se explica como agir em caso de possíveis efeitos adversos, segundo a imprensa local. Quase um milhão de pessoas entre 65 e 84 anos deverão ser imunizadas o mais rápido possível na Dinamarca, em uma ação em que as autoridades vão adotar as outras vacinas que existem atualmente no mercado: Pfizer e Moderna.

A indústria farmacêutica em questão informou já ter sido comunicada oficialmente sobre a decisão do Governo dinamarquês, e considerou que “não é adequado” comentar “casos individuais específicos”, segundo o jornal de maior tiragem no país, Jyllands-Posten. “A segurança do paciente é uma das principais prioridades da AstraZeneca. As autoridades têm padrões claros e rígidos de eficácia e segurança ao aprovar qualquer novo medicamento, e isso também inclui a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca. A segurança desta vacina foi extensivamente estudada em ensaios clínicos de Fase 3 e dados revisados por pares confirmam que a vacina em geral foi bem tolerada”, respondeu a empresa em um comunicado.

Fontes da empresa explicaram ao EL PAÍS que se enquadra nos protocolos usuais interromper a administração de um medicamento quando são detectados efeitos colaterais imprevistos. Mas fazem referência à nota da EMA em que essa agência explica que, no momento, existe apenas uma relação temporal, mas não causal. Ou seja, os coágulos ocorreram após a administração da vacina, mas não como consequência dela, pelo que se sabe. A AstraZeneca, continuam essas fontes, procedeu a uma revisão da qualidade dos lotes da vacina e não encontrou nenhum defeito.

Outros cinco países europeus (Áustria, Letônia, Estônia, Lituânia e Luxemburgo) já haviam decidido suspender a administração de um lote, aos quais se somou a Itália nesta quinta-feira, depois que as autoridades austríacas detectaram dois coágulos sanguíneos graves após a imunização. Um deles resultou na morte de uma pessoa 10 dias após a vacina. Uma outra foi hospitalizada com embolia pulmonar (obstrução das artérias nos pulmões) após ser vacinada, segundo informa a EMA. Posteriormente, dois outros casos de coágulos foram detectados nesse país. Não se sabe se esses casos estão relacionados à vacinação.

Esse mesmo lote, de um milhão de doses, foi distribuído em 17 países, incluindo a Espanha. A ministra da Saúde espanhola, Carolina Darias, enviou uma mensagem tranquilizadora nesta quinta-feira, em entrevista concedida a La Sexta: “Na Espanha não houve nenhum caso e ainda não foi estabelecida a relação entre a vacina e a morte de alguma pessoa que tenha sido imunizada com ela. Na Espanha não há nenhum caso de trombose relacionado à vacina, apenas efeitos menores. Prudência e tranquilidade, estamos em boas mãos”.

O comitê de segurança da EMA está revisando os relatórios e investigando os casos relacionados com o lote, bem como todos os demais eventos tromboembólicos e outras condições relacionadas a coágulos sanguíneos relatados após a vacinação. Pode emitir recomendação sobre o uso desse medicamento na UE entre esta quinta e sexta-feira, segundo uma fonte da agência, cuja sede fica em Amsterdã, citada pela Efe. As informações disponíveis até o momento indicam que o número desse tipo de casos em pessoas vacinadas não é maior do que o observado na população em geral. Até 9 de março de 2021 havia 22 casos de eventos tromboembólicos relatados entre os três milhões de pessoas vacinadas com o imunizante da AstraZeneca na UE.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: