_
_
_
_

Nova York fechará escolas públicas a partir desta quinta-feira

Cidade, que tem com a maior rede educacional dos EUA, atingiu 3% de testes positivos nos últimos sete dias

Ônibus escolar à porta de um colégio do Brooklyn (Nova York), em 6 de outubro.
Ônibus escolar à porta de um colégio do Brooklyn (Nova York), em 6 de outubro.JUSTIN LANE (EFE)
María Antonia Sánchez-Vallejo

Nova York, que foi a primeira grande cidade dos Estados Unidos a reabrir as escolas depois do confinamento do primeiro semestre, voltará a fechá-las a partir desta quinta-feira após apenas oito semanas de aulas presenciais, por ter atingido 3% de resultados positivos no total de exames de coronavírus realizados nos últimos sete dias (na Espanha, para efeito de comparação, a taxa foi de 12,2% entre 11 e 14 de novembro). A decisão foi comunicada pelo prefeito da cidade, o democrata Bill de Blasio. A rede nova-iorquina de escolas públicas é a maior do país. Em princípio, os colégios privados não serão afetados pelo anúncio, e alguns já comunicaram que manterão suas atividades com todas as medidas de segurança.

“Nova York alcançou o limite de 3% de positividade nos últimos sete dias. Infelizmente, isso significa que as escolas públicas devem fechar a partir de amanhã, quinta-feira, 19 de novembro, como medida de precaução. Devemos combater a segunda onda da covid-19”, tuitou o prefeito após se fazer esperar por três horas e meia para a sua entrevista coletiva diária, afinal cancelada. De acordo com o protocolo adotado pelo Governo municipal, os 3% de exames positivos são o limite a partir do qual há um recuo na normalização da atividade educacional, e desde a semana passada já se falava em um fechamento total caso isso ocorresse. “Os pais deveriam ter um plano para o resto do mês de novembro”, alertou De Blasio na ocasião.

Mais informações
Bruno Covas ao lado do secretário municipal da Saúde. Edson Aparecido.
Prefeitura de São Paulo autoriza retorno presencial das aulas apenas para o ensino médio
Una sala de gimnasio municipal convertida en aula del Colegio Sagrado Corazón de Jesus de Alhendin, Granada.
Uma sala de estar, um bar e uma sala de aula: assim o coronavírus é transmitido pelo ar
This photo taken on September 1, 2020 shows elementary school students reading books on the first day of the new semester in Wuhan in China's central Hubei province. - Students in face masks returned to class on September 1 in Wuhan, the central Chinese city where the coronavirus first emerged last year, as the city opened schools and kindergartens for the first time in seven months. (Photo by STR / AFP) / China OUT
Volta às aulas no mundo tem nervosismo na França, lotação na Espanha e nenhum contágio na China

O fechamento é o maior retrocesso da cidade desde o início da gradual reabertura do começo deste semestre, e um revés muito concreto para De Blasio, que tinha defendido com ardor a volta às aulas. O governador do Estado de Nova York, o também democrata Andrew Cuomo, também apoia que as escolas permaneçam abertas. As métricas usadas pela cidade e pelo Estado diferem, por isso para este último a taxa média de positividade na última semana deve ficar abaixo de 3%.

Aproximadamente 300.000 estudantes que seguiam um programa híbrido de aulas presenciais e virtuais voltarão a estudar remotamente, de suas casas, com a dificuldade que isso acarreta para pais ou responsáveis. O fechamento foi decretado como uma medida suplementar de precaução, já que a taxa de transmissão do coronavírus em escolas se manteve muito baixa desde o final de setembro, quando as salas de aula foram reabertas. Na verdade, os epidemiologistas não consideram que o contágio nas escolas seja determinante para o aumento dos casos na cidade, e sim as reuniões sociais e a normalizada afluência a bares, restaurantes e academias, que no entanto permanecem abertos, embora com limitações de horário e lotação desde sexta-feira passada.

O diretor do sistema de ensino público nova-iorquino, Richard A. Carranza, informou pelo Twitter que as classes continuarão “de forma remota até segundo aviso” e que os alunos que compareciam numa parte da semana aos centros educacionais “deverão fazer uma transição”. “O prefeito e eu temos claro, desde o primeiro dia, que precisávamos devolver os alunos às salas de aula assim que fosse seguro. Essa mesma urgência respalda este fechamento temporário: traremos os alunos às salas assim que pudermos, de maneira segura”, comunicou o secretário de Educação local, salientando que a cidade oferecerá às famílias “apoio com os dispositivos [eletrônicos] e instruções sobre ensino remoto”, além de refeições gratuitas para os alunos carentes.

Nova York tem a maior rede de escolas dos EUA, com 1.800 estabelecimentos e 1,1 milhão de alunos. O sistema público atrai fundamentalmente crianças de famílias latinas e afro-americanas, que são justamente os coletivos mais golpeados pela pandemia e os que mais problemas materiais podem ter para passar à educação on-line, por falta de recursos informáticos.

O Estado de Nova York foi o epicentro da pandemia de coronavírus durante a primeira onda de contágios. Atualmente, é o quinto Estado mais afetado, com mais de 568.000 infecções, que provocaram mais de 34.000 mortes. Os Estados Unidos são o país mais atingido pela pandemia de covid-19 do mundo, tanto em número de contágios como de mortes, com uma média de 158.000 novos casos por dia na semana passada (alta de 79% em duas semanas).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_