Velório de tio de Piñera, morto com coronavírus, abre crise política no Chile

Presidente é acusado pela oposição de violar o protocolo da quarentena para se despedir do sacerdote Bernardino Piñera, de 104 anos. Ministério Público vai investigar caso

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, em 9 de junho.
O presidente do Chile, Sebastián Piñera, em 9 de junho.Europa Press

Em plena crise do coronavírus no Chile, com 4.502 mortos confirmados de covid-19, o funeral de um tio do presidente Sebastián Piñera gerou um insólito debate sobre as normas dos sepultamentos em tempos de pandemia. Como mostra o vídeo do velório e enterro do sacerdote Bernardino Piñera (de 104 anos), realizado no domingo e divulgado pelo próprio cemitério, uma integrante da família presidencial abre a tampa superior de madeira de um ataúde com vidro lacrado. O religioso havia sido diagnosticado com o vírus em 26 de maio. A polêmica obrigou membros do Governo a darem explicações sobre o ocorrido, e um deputado da oposição, o democrata-cristão Gabriel Ascencio, denunciou eventuais descumprimentos dos protocolos, o que será investigado pelo Ministério Público.

Sebastián Piñera junto ao caixão do arcebispo emérito Bernardino Piñera, seu tio, durante o velório.
Sebastián Piñera junto ao caixão do arcebispo emérito Bernardino Piñera, seu tio, durante o velório. Captura

De acordo com as imagens divulgadas pelo cemitério em um canal do YouTube, e que depois foram retiradas, uma mulher anuncia: “Sebastián quer vê-lo”. Alguns dos presentes respondem que “não se pode abrir” o caixão, entre eles um primo do presidente, o ex-ministro do Interior Andrés Chadwick, que não se move do seu lugar. Finalmente, apesar das advertências, a mesma mulher abre a tampa —“Veja-o, veja-o”, ouve-se— e o chefe de Estado chileno, de máscara, se aproxima para observar. Outro dos presentes se queixa: “São teimosos”.

“Não é casualidade que tenha morrido no Dia dos Pais [no Chile e outros países] e vítima de uma doença que tem causado tanta dor e sofrimento a tantas famílias chilenas”, afirmou o presidente no discurso de despedida ao tio.

Paula Daza, subsecretária de Saúde pública do Governo, precisou abordar o episódio duas vezes. Em sua entrevista coletiva diária para informar sobre o avanço da epidemia —que já deixou 246.963 contagiados—, foi perguntada sobre o assunto e afirmou: “Devido às perguntas que ocorreram com relação ao funeral de dom Bernardino Piñera, quero dizer que a família está passando por momentos difíceis, por isso não nos parece adequado este tipo de comentários. Cumpriu-se 100% o protocolo para poder assistir a um funeral”, afirmou Daza. O Ministério da Saúde falou por sua vez em “instrumentalização” do episódio, em referência à denúncia do deputado Ascencio.

Mais informações
TOPSHOT - A surgeon checks the intravenous drip of one of his COVID-19 patients, at the Oceanico hospital in Niteroi, Rio de Janeiro on June 22, 2020, during the coronavirus pandemic. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)
AO VIVO | Notícias sobre o coronavírus e a crise política do Governo Bolsonaro
Un hombre llora junto al féretro de su padre, fallecido por coronavirus, en el cementerio de Vila Formosa, en São Paulo (Brasil). La pandemia se propaga implacable por América Latina, con Brasil y México al frente, marcando nuevos récords diarios de contagios, mientras el mundo mira con preocupación los nuevos brotes que surgen en pleno desconfinamiento.
América não vê a saída para o drama da pandemia
“A sala de casa virou uma igreja”: velórios online em tempos de coronavírus

O sacerdote Piñera foi diagnosticado com a covid-19 em 26 de maio e em 13 de junho saiu da clínica e voltou a um asilo onde, por segurança, permaneceu isolado e sob observação médica, de acordo com o Executivo chileno. Durante o tratamento não precisou de ventilador mecânico. Por causa da idade avançada, entretanto, não se recuperou e morreu na manhã de domingo, quase um mês depois do diagnóstico.

Segundo a versão oficial, o velório respeitou as normas sanitárias de distanciamento social e participação inferior a 20 pessoas, como determina o protocolo de funerais da subsecretaria de Saúde para a pandemia, embora no vídeo apareçam pelo menos mais 11 pessoas, entre sacerdotes, músicos e fotógrafos. O Palácio de la Moneda, sede da presidência, informou que o caixão estava lacrado e que, mesmo que a tampa tenha sido aberta, não houve violação das normas, pois o vidro protegeria seu hermetismo.

A morte do sacerdote Bernardino Piñera provocou reações de dirigentes de diferentes tendências políticas. O ex-presidente socialista Ricardo Lagos (2000-2006) disse que “com a partida de monsenhor Bernardino Piñera se vai um grande que honrou a Igreja Católica. Seu extenso caminho apostólico sempre esteve do lado dos mais necessitados e marcou a vida de muitos. Seus ensinamentos ficarão como uma fonte de inspiração para todos os chilenos”.

Informações sobre o coronavírus:

- Clique para seguir a cobertura em tempo real, minuto a minuto, da crise da Covid-19;

- O mapa do coronavírus no Brasil e no mundo: assim crescem os casos dia a dia, país por país;

- O que fazer para se proteger? Perguntas e respostas sobre o coronavírus;

- Guia para viver com uma pessoa infectada pelo coronavírus;

- Clique para assinar a newsletter e seguir a cobertura diária.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS