Polícia israelense mata a tiros um palestino com autismo em Jerusalém

Dois agentes são interrogados após a alegação de que a vítima, embora desarmada, tinha uma pistola

A mãe de Iyad Hallak mostra neste sábado uma imagem de seu filho no celular.
A mãe de Iyad Hallak mostra neste sábado uma imagem de seu filho no celular.AHMAD GHARABLI (AFP)

A Porta dos Leões da Cidade Velha voltou a ser palco de um trágico episódio de violência em Jerusalém. Agentes da Polícia de Fronteira (corpo militarizado de Israel) mataram a tiros na manhã deste sábado um palestino com autismo que estava indo para uma unidade de educação especial do centro histórico, onde trabalhava e recebia atendimento. Iyad Hallak, de 32 anos, era reconhecido como uma pessoa com deficiência permanente, segundo sua família ―com a qual vivia em Wadi Joz, bairro popular próximo do setor amuralhado de Jerusalém Oriental, sob ocupação israelense desde 1967. Ele estava desarmado.

Mais informações
Palestinians inspect the family house of Palestinian assailant Qassam Barghouti after it was partially demolished by Israeli forces in the village of Kobar, near Ramallah, in the Israeli-occupied West Bank on May 11, 2020. - Israeli forces demolished the home of a Palestinian accused of involvement in a bomb attack last year that killed an Israeli teenager in the occupied West Bank. The explosion on August 23, 2019, near a spring close to the Jewish settlement of Dolev, killed 17-year-old Rina Shnerb and wounded her father and brother. (Photo by ABBAS MOMANI / AFP)
Desafio da anexação parcial da Cisjordânia marca novo Governo de coalizão em Israel
Jerusalem (Israel), 19/04/2020.- Ultra-Orthodox Jews wait in line at a mobile Coronavirus testing site, operated by Magen David Adom medical staff, in Jerusalem, Israel, 19 April 2020. Reports state that the government is expected to ease civilian restrictions and allow people back to work as Passover Holiday is over although the country still tries to prevent the spread of the SARS-CoV-2 coronavirus which causes the Covid-19 disease. (Estados Unidos, Jerusalén) EFE/EPA/ABIR SULTAN
A praga assola os tementes a Deus em Israel
Jerusalem (-), 24/05/2020.- Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu (2-R) wearing a face mask, looks ahead while the judges enter the court room on the first day of his trial for alleged corruption crimes in Salah El-Din, East Jerusalem, 24 May 2020. Netanyahu has been charged with counts of bribery, fraud and breach of trust, becoming the first Israeli leader to be tried for alleged corruption while still in office. The trial comes only a week after Netanyahu was sworn into office for another term following a rare power-sharing deal with his adversary, who is set to take over as prime minister in 18 months as he switches roles with Netanyahu, who would then become Gantz's deputy. (Estados Unidos, Jerusalén) EFE/EPA/RONEN ZVULUN / POOL EPA-EFE/RONEN ZVULUN / POOL
Aferrado ao poder, Netanyahu se senta no banco dos réus para responder por corrupção

“Era incapaz de fazer mal a alguém”, declarou ao jornal Haaretz um de seus familiares. O advogado que representa os Hallak disse que vai insistir em uma investigação judicial por “assassinato” contra os policiais envolvidos na morte. Os primeiros testemunhos recolhidos, segundo o advogado, indicam que foram disparados entre sete e dez tiros contra o palestino e que ele caiu sem vida atrás de um contêiner de lixo. O corpo de Hallak foi enviado para o instituto médico legal de Tel Aviv.

Um porta-voz policial afirmou que o homem teve de ser “neutralizado” por ter fugido quando os policiais tentaram pará-lo sob suspeita de que portava um objeto “que parecia uma pistola”, e os agentes abriram fogo contra ele durante a perseguição. O departamento de assuntos internos da polícia abriu uma investigação do caso, sobre a qual as autoridades impuseram um embargo de informações, informa a agência Reuters. Dois agentes da Polícia de Fronteira foram interrogados.

Ayman Oded, líder parlamentar da Lista Conjunta, aliança de partidos árabes israelenses que representa a minoria de origem palestina, afirmou que seu grupo vai trabalhar para que os fatos “não sejam encobertos e os agentes responsáveis sejam presos”. O secretário-geral da Organização para a Liberação da Palestina, Saeb Erekat, alertou no Twitter que o “crime [contra uma pessoa com deficiência] pode ficar impune a não ser que o mundo pare de tratar a Israel como um Estado que está acima da lei e o Tribunal Penal Internacional cumpra sua função”.

Depois do anúncio de que o novo Governo de Benjamim Netanyahu pretende anexar a Israel, a partir de julho, os assentamentos judaicos e o Vale do Jordão da Cisjordânia, sob ocupação militar há quase 53 anos, ocorreram incidentes violentos na última semana.

Um palestino foi morto a tiros na sexta-feira por soldados israelenses contra os quais tinha tentado investir com seu carro perto de Ramallah, na Cisjordânia. Na segunda-feira, outro palestino foi gravemente ferido à bala em Jerusalém Oriental após tentar esfaquear um policial.

O Exército israelense planeja reforçar sua presença na Cisjordânia e colocou em alerta suas unidades diante da ameaça de uma explosão de violência. A Autoridade Palestina anunciou na semana passada a suspensão da coordenação entre suas forças de segurança e as tropas israelenses.

Agentes da Polícia de Fronteira patrulham a área onde o palestino foi morto.
Agentes da Polícia de Fronteira patrulham a área onde o palestino foi morto.AHMAD GHARABLI (AFP)

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS