China envia médicos à Coreia do Norte em meio a crescentes dúvidas sobre a saúde de Kim Jong-un

Com a ausência do líder supremo em importantes atos públicos desde o último dia 11, aumentam os rumores sobre seu estado

O líder norte coreano, Kim Jong-un, em uma imagem de arquivo.
O líder norte coreano, Kim Jong-un, em uma imagem de arquivo.STR (AFP)
Mais informações

Onde está Kim Jong-un? E mais importante: como está sua saúde? A intensidade das perguntas aumentou ao longo da semana, depois que um site da Coreia do Sul, Daily NK, administrado por ativistas norte e sul-coreanos, publicou que o líder do Norte havia sido submetido a uma cirurgia devido a um problema cardíaco. Desde então, e ante a ausência do marechal – como é chamado pelos compatriotas – em atos públicos de grande importância, os rumores contraditórios sobre seu estado de saúde atingiram um ritmo frenético. O turbilhão de conjecturas voltou a se agitar neste sábado, quando a agência Reuters informou, segundo três fontes, que médicos militares integram uma delegação chinesa em visita a Pyongyang para assessorar sobre Kim.

Até o momento, não se pode afirmar nada com certeza. Só se sabe que a última vez que Kim Jong-un compareceu a um ato oficial foi no último dia 11, ao presidir uma reunião do Politburo do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Na ocasião, sua irmã e braço-direito, Kim Yo-jong, foi confirmada como membro suplemente do organismo. Desde então, o líder norte-coreano não foi visto de novo em público. Ao contrário do que costumava fazer, não esteve presente nas comemorações pelo aniversário de nascimento do seu avô e fundador do regime, Kim Il-sung, no dia 15. Tampouco compareceu nesta sexta-feira, dia 24, para celebrar o aniversário da fundação da guerrilha com a qual, segundo a história oficial coreana, Kim Il-sung derrotou as tropas japonesas.

Em princípio, sua ausência poderia se dever a vários motivos. Entre eles, a proteção contra a pandemia da covid-19, embora a Coreia do Norte não tenha informado oficialmente sobre nenhum caso de contágio. No entanto, segundo informou no início desta semana o Daily NK, o líder se submeteu no dia 12 a uma cirurgia cardiovascular, da qual se recuperava numa residência privada fora de Pyongyang. Segundo o site, a saúde de Kim Jong-un piorou nos últimos meses por causa de seu excesso de peso, seu tabagismo e sua carga de trabalho. Tanto a China como a Coreia do Sul não deram na época muita importância aos rumores sobre a saúde de Kim, afirmando que não haviam detectado movimentos anormais na Coreia do Norte que confirmassem a existência de algum problema. Em Washington, Donald Trump também considerou “incorretas” as informações sobre uma grave doença.

Mas a ausência do dirigente persiste, e os rumores aumentam. A revista japonesa Shukan Gendai chegou a dizer que Kim encontra-se em “estado vegetativo”. O site norte-americano TMZ publicou uma notícia afirmando que o líder supremo norte-coreano teria morrido na madrugada deste domingo, ou estaria em seu leito de morte, citando fontes da imprensa chinesa e japonesa, mas sem confirmar as alegações.

Neste fim de semana, a Reuters citou três fontes para afirmar que uma delegação chinesa, encabeçada por um alto funcionário do Escritório de Ligação do Partido Comunista, viajou na quinta-feira a Pyongyang. Entre seus membros, estavam médicos militares para aconselhar o Governo da Coreia do Norte sobre Kim. A agência informa que não pôde determinar o que a viagem indicou sobre o estado de saúde do líder. Um dia antes, uma fonte do Governo sul-coreano em Seul afirmou a este jornal que Kim está vivo e provavelmente apareça em público em breve. Em um tuíte, o delegado especial da Coreia do Norte para as relações com países estrangeiros, Alejandro Cão de Benós, rechaçou os boatos de forma contundente. “Isto é OFICIAL: a informação sobre o grave estado de saúde do nosso marechal Kim Jong-un É FALSA E MAL-INTENCIONADA”, afirmou.

Não é a primeira vez que Kim desaparece durante um tempo mais ou menos prolongado e desencadeia uma avalanche de rumores. Em 2014, ele se afastou dos atos oficiais durante seis semanas e reapareceu usando uma bengala. Na época, os serviços de inteligência sul-coreanos disseram que ele havia operado o tornozelo para a extirpação de um cisto. Os jornais do Norte reconheceram que ele sofria de uma “condição física incômoda”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: