EUA apreendem navio norte-coreano por violar sanções contra Pyongyang

Departamento de Justiça afirma que cargueiro ‘Wise Honest’ era usado no transporte de carvão e maquinaria pesada

Foto sem data do navio norte-coreano ‘Wise Honest’.
Foto sem data do navio norte-coreano ‘Wise Honest’.Departamento de Justiça dos EUA
Mais informações

Em uma manobra única até agora, os Estados Unidos apreenderam nesta quinta-feira um navio norte-coreano que transportava carvão e maquinaria pesada por violar as sanções comerciais impostas por Washington ao regime de Pyongyang, segundo informou o Departamento de Justiça norte-americano. De acordo com esta fonte, o Wise Honest estava sendo usado para exportar carvão extraído das minas norte-coreanas, um setor econômico fundamental do país comunista contra o qual tanto os EUA quanto as Nações Unidas impuseram duras sanções com o objetivo de forçar o ditador Kim Jong-un a por fim ao seu programa de armas nucleares.

“É a primeira apreensão de um navio de carga por violação das sanções internacionais”, disse o procurador federal de Manhattan, Geoffrey Berman, em um comunicado, no qual acusou Pyongyang de “ocultar a origem” do cargueiro, “exportar toneladas de carvão” e importar maquinaria pesada para a Coreia do Norte.

Em abril do ano passado esse mesmo navio foi apreendido pela Indonésia, onde as autoridades queriam julgar seu capitão. Em julho, os Estados Unidos lançaram o processo de apreensão. O Wise Honest está atualmente sob o controle dos Estados Unidos e prestes a entrar nas águas territoriais deste país, de acordo com a Justiça. A medida veio depois do lançamento de dois mísseis disparados com dez minutos de diferença do oeste e que cruzaram a península antes de caírem no mar a leste.

Ambos os lançamentos não poderiam estar mais carregados de significado, pois aconteceram na véspera da visita a Seul do enviado dos EUA, Stephen Biegun, para reativar as negociações nucleares com Pyongyang. Aos testes desta quinta-feira se juntam os disparos de vários projéteis de curta distância, entre eles ao menos um míssil, feitos nos últimos dias, que foram supervisionados por Kim Jong-un.

Enquanto tudo isso acontecia, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que a Coreia do Norte quer negociar com Washington, mas matizou que não acreditava que as autoridades do país asiático estivessem “preparadas” para isso, segundo informou a Casa Branca através de uma transcrição de suas declarações. O presidente afirmou que “ninguém está contente” com os lançamentos de mísseis nos últimos dias e horas depois do disparo de outros dois mísseis de curto alcance. “Estamos analisando isso neste momento de maneira muito séria”, concluiu.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: