Piñera: “Não é só a vontade dos homens de abusar, mas também a posição das mulheres de ser abusadas”

Presidente do Chile se enrosca a seis dias da marcha do Dia da Mulher com uma polêmica declaração sobre a violência machista

O presidente Sebastián Piñera em um pronunciamento no Palácio de la Moneda, em Santiago, em 23 de dezembro.
O presidente Sebastián Piñera em um pronunciamento no Palácio de la Moneda, em Santiago, em 23 de dezembro.Marcelo Hernandez (Getty Images)

A seis dias da manifestação do Dia Internacional da Mulher, a primeira de uma série de marchas programadas para março em meio a revoltas sociais no país, o movimento feminista chileno se voltou contra o presidente Sebastián Piñera. Em uma cerimônia em que promulgava na manhã desta segunda-feira a Lei Gabriela, uma norma importante que considerará feminicídio todo assassinato de uma mulher por razões de gênero, o presidente exemplificou: “Às vezes, não é apenas a vontade dos homens de abusar, mas também a posição das mulheres de ser abusadas”. Acompanhado por sua mulher, Cecilia Morel, e da ministra da Mulher, Isabel Plá, o presidente continuou: “Temos que corrigir o que abusa e também dizer à pessoa abusada que ela não pode permitir que isso aconteça. E que a sociedade inteira vai ajudá-la e respaldá-la para denunciar e evitar que esses fatos continuem acontecendo.”

Mais informações
López Obrador, en la conferencia de este lunes.
Feminismo vira uma dor de cabeça para Governo esquerdista mexicano
El presidente Bolsonaro en enero en Brasilia.
Jair Bolsonaro retoma credencial machista com insinuação sexual contra jornalista
Manon Garcia en casa de su madre en París el pasado 9 de enero. 
“Não ser submissa exige um combate constante e exaustivo”

Em um país onde em 2019 ocorreram 62 feminicídios, e apenas este ano já foram seis, segundo a Rede Chilena de Violência contra as Mulheres, a condenação às palavras do presidente foi geral. “Piñera não pode impedir que a misoginia lhe escape pelos poros e atrapalhe sua tentativa de cooptação”, acusou a Coordenação Feminista do 8M, que representa vários grupos e coletivos de mulheres que no domingo participarão da marcha e desde esta segunda-feira promovem diferentes ações em todo o Chile.

“A culpa não é nem nunca foi nossa. A culpa é dos que nos abusam e violentam e da estrutura institucional que os ampara. É o Estado, são os juízes, os pacos [carabineiros] e o presidente”, escreveu a coordenadora nas redes sociais, referindo-se à letra de O estuprador é você, que se tornou um hino mundial contra a violência sexual contra as mulheres, composto pelo coletivo chileno Lastesis.

A própria ministra Plá, que será interpelada no Congresso nesta terça-feira, precisou esclarecer as declarações de Piñera: “O que o presidente quis dizer nunca teve a ver com responsabilizar as mulheres. Ele disse que as mulheres de nosso país devem saber que, quando denunciarem, terão o apoio da sociedade e das instituições e poderes do Estado.” Então, o próprio presidente teve que vir à público para esclarecer suas palavras: “Quero ser muito claro: a posição do nosso Governo é de tolerância zero contra todos os tipos de violência e abuso contra mulheres. É por isso que exorto as mulheres a denunciarem imediatamente qualquer risco ou ameaça contra sua integridade ou vida.”

Não é a primeira vez que Piñera é acusado de machismo. Em 2011, em seu primeiro mandato (2010-2014), no encerramento de uma cúpula no México, ele disse: “Você sabe qual é a diferença entre um político e uma dama? Quando o político diz sim, ele quer dizer talvez; quando ele diz talvez, quer dizer que não e quando diz que não, não é político. Quando uma dama diz não, ela quer dizer talvez; quando ela diz talvez, quer dizer sim, e quando ele diz sim, não é uma dama”, disse o chileno no encerramento da XIII Cúpula de Chefes de Estado e de Governo na cidade de Tuxtla. Mais uma vez, suas palavras foram amplamente condenadas no Chile, especialmente pelo movimento feminista.

Em junho de 2017, em meio à última campanha presidencial, em uma atividade na cidade de Linares, cerca de 300 quilômetros ao sul de Santiago, ele novamente tentou fazer uma piada aludindo ao assédio às mulheres: “Bem, pessoal, acabam de me sugerir uma brincadeira muito divertida. É muito simples: todas as mulheres se jogam ao chão e se fingem de mortas, e todos nós nos jogamos por cima e nos fingimos de vivos. O que vocês acham, pessoal?”, perguntou Piñera, para logo encerrar o ato de campanha e se despedir dos participantes.

As declarações foram condenadas por diferentes setores e provocaram a reação da presidenta Michelle Bachelet, que governava, em seu segundo mandato (2014-2018): “Uma violação é uma expressão da maior violência contra as mulheres. Brincar com isso é desprezar todas nós, e não é aceitável ”, escreveu a socialista. Há três anos, acossado pelas críticas, Piñera se desculpou: “Peço desculpas por uma piada de mau gosto que não afeta meu apreço e respeito por todas as mulheres. Lamento o uso político que isso gerou.” Posteriormente, seu comando de campanha divulgou um vídeo de sua mulher: “Sebastián já se desculpou. As chilenas sabem do compromisso que ele teve e continuará tendo pelo avanço de seus direitos.”

Nos últimos anos, a elite chilena enfrentou vários episódios sexistas. No final de 2016, em um jantar da Associação de Exportadores de Manufaturas, a Asexma, essa associação empresarial deu uma boneca inflável ao ministro da Economia de Bachelet, Luis Felipe Céspedes. A figura estava nua e tinha uma faixa cobrindo sua boca, onde se podia ler: "Para estimular a economia”. No palco, ao lado de Céspedes, estavam dois líderes destacados da centro-esquerda, que festejaram o episódio com risadas: o ex-secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, e o senador e ex-candidato à presidência Alejandro Guillier. Diante da controvérsia, os envolvidos, incluindo a Asexma, tiveram que apresentar desculpas públicas.

Piñera não escolheu o melhor momento desta vez. No próximo domingo se espera a repetição das manifestações gigantescas de 8 de maio de 2019, quando meio milhão de chilenas foi às ruas para protestar contra a violência machista. Este ano haverá um componente político adicional, porque o Chile debate a paridade de gênero no processo constituinte. Em 26 de abril, o Chile definirá em um plebiscito se substitui a Constituição de Pinochet, de 1980 e, se for o caso, o órgão que estará encarregado de redigir uma nova Carta Fundamental.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS