JOGOS OLÍMPICOS

Rebeca Andrade salta para o ouro em Tóquio

Ginasta brasileira, que já havia feito história com a conquista da medalha de prata na ginástica artística individual feminina, supera a si mesma e vai ao topo do pódio com o 1º lugar no salto

Rebeca Andrade conquista a medalha de ouro no salto nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.
Rebeca Andrade conquista a medalha de ouro no salto nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.TATYANA ZENKOVICH / EFE

Mais informações

Rebeca Andrade voou e alcançou o topo. A atleta olímpica superou a si mesma e conquistou a medalha de ouro para o Brasil na final do salto neste domingo, 1 de agosto, fazendo história mais uma vez ―uma expressão que já virou clichê para explicar o brilhantismo da atleta de Guarulhos, cidade da Grande São Paulo. Aos 22 anos, Rebeca Andrade entra para o Olimpo da ginástica artística mundial, ostentando no peito não só a épica medalha de prata que conquistou na final da ginástica artística individual feminina, na sexta, mas agora também subindo ao topo do pódio nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020.

A brasileira cravou 15.166 pontos no primeiro salto, mas no segundo sofreu um pequeno deslize e terminou com a média de 15.083. A pontuação foi um pouco inferior aos 15.100 marcados nas classificatórias, quando finalizou com a terceira maior marca entre todas as ginastas. Mas ainda assim superior ao que todas as concorrentes alcançaram. A norte-americana Mykayla Skinner ficou com a prata (14.916) e a sul-coreana Seojeong Yeo levou o bronze, com 14.733 pontos.

Nas semis, apenas duas concorrentes tinham ficado a sua frente: as norte-americanas Jade Carey e Simone Biles. Mas a campeã olímpica Simone Biles —que era uma das favoritas ao ouro na prova — desistiu de disputar a final do aparelho dias antes para cuidar de sua saúde mental, numa corajosa atitude que comoveu o mundo e que alçou a brasileira ao favoritismo.

Rebeca Andrade é a campeã olímpica no salto nos Jogos de Tóquio.
Rebeca Andrade é a campeã olímpica no salto nos Jogos de Tóquio.Natacha Pisarenko / AP

Primeira brasileira campeã olímpica da história

A caminhada de Rebeca Andrade rumo ao duplo pódio olímpico começou quando ela ainda era criança, graças a uma tia que trabalhava no Ginásio Bonifácio Cardoso, na Vila Bonifácio, em Guarulhos. A tia viu talento na sobrinha e a apresentou à técnica de ginástica artística da cidade. Não demorou para que a guarulhense ganhasse o apelido de “Daiane dos Santos 2”, numa referência a um dos maiores nomes da ginástica brasileira.

Aos 22 anos, a atleta de Guarulhos dá sequência a um legado iniciado lá atrás por outras ginastas brasileiras. Em 2001, Daniele Hypolito deu ao Brasil a primeira medalha em um mundial de ginástica artística, com a prata no solo. Dois anos depois, Daiane dos Santos consolidou-se como a primeira brasileira a se tornar campeã mundial na modalidade, em 2003. Agora, Rebeca —que já havia ganhado uma inédita medalha olímpica para a ginástica artística feminina brasileira, com a prata na final individual geral— entra para o hall da fama do esporte como a primeira campeã olímpica do Brasil na modalidade.

Emocionada, a campeã mundial Daiane dos Santos afirmou que é ela quem hoje admira a jovem atleta, cuja vitória é permeada por simbolismos importantes. “Durante muito tempo disseram que as pessoas negras não podiam fazer alguns esportes, e a gente vê hoje a primeira medalha, de uma menina negra. Tem uma representatividade muito grande atrás de tudo isso”, falou a gaúcha na ocasião da prata de Rebeca Andrade à TV Globo, num vídeo que rodou e comoveu o Brasil.

Ícone mundial do esporte, a ginasta romena Nadia Comaneci ―dona da primeira nota 10 na ginástica olímpica― parabenizou a brasileira em suas redes sociais. “Querida Rebeca, parabéns por este extraordinário sucesso”, disse. “Você é uma lutadora, você trabalha duro com seu time e teve diversos desafios, mas você superou tudo. Você fez história para seu esporte, para suas companheiras, seus treinadores e seu país. Parabéns.”

Com o ouro no salto e a prata na ginástica individual geral, a atleta Rebeca Andrade se aproxima do feito de Isaquias Queiroz, que nos Jogos do Rio de 2016 conquistou três pódios — duas medalhas de prata e uma de bronze —na canoagem.

Agora, o Brasil torce para que Rebeca Andrade faça história novamente na prova de solo, que acontece nesta segunda. A atleta promete surpreender o país mais uma vez, que a essa altura já se acostumou a vê-la no pódio. Em entrevista ao Globo Esporte na véspera da competição, Rhony Ferreira, o coreógrafo de Rebeca, adiantou que a atleta tem uma “carta na manga” para a exibição de solo individual e que o “baile de favela, não será apenas para a favela, mas um baile pra o Brasil inteiro.”

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apoie nosso jornalismo. Assine o EL PAÍS clicando aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50