John McAfee deixou um bilhete de suicídio no bolso da calça

A mulher do criador do antivírus negou que o marido tivesse intenção de se matar e culpou os Estados Unidos pela “tragédia”

John McAfee, em sua declaração por videoconferência no Tribunal Nacional no dia 15 de junho.
John McAfee, em sua declaração por videoconferência no Tribunal Nacional no dia 15 de junho.Chema Moya / AP

John McAfee, o criador do conhecido antivírus que foi encontrado morto em sua cela em uma prisão catalã na quarta-feira passada, deixou uma nota de suicídio, segundo várias fontes familiarizadas com o ocorrido. O bilhete estava no bolso da calça, mas ainda não se sabe o conteúdo. A polícia da Catalunha trata a morte como suicídio, e o Tribunal de Primeira Instância e Instrução 5 de Martorell aguarda para saber os resultados da autópsia que confirmará as causas da morte. A família ainda não sabe se o empresário deixou algo por escrito, pois não teve acesso ao trâmite do processo, conforme explicou o advogado da família.

Mais informações

McAfee pediu na quarta-feira às 16h para passar algum tempo em sua cela, no módulo 1 da prisão de Brian 2, em Sant Esteve Sesrovires (Barcelona). É um direito individual que os reclusos têm quando não existem outras atividades que precisam frequentar. Pela manhã, ele foi informado que o Tribunal Nacional ordenou sua extradição para os Estados Unidos por sonegação de impostos. Seu companheiro de cela não estava neste momento com ele. Às 18h, quando era hora de voltar novamente ao pátio, os funcionários da prisão perceberam que McAfee não tinha saído. Ao entrar na cela, encontraram o empresário enforcado. Ele estava com os cadarços amarrados no pescoço, junto a janela, segundo essas mesmas fontes.

Os médicos foram imediatamente à cela e tentaram reanimá-lo por 15 minutos. Eles até usaram um desfibrilador, mas sem sucesso. Quando perguntaram a seu companheiro de cela se horas antes ele havia dado um sinal de alarme ou algo incomum, ele garantiu que se comportou de maneira normal e que lhe disse que ficaria na cela para descansar um pouco. McAfee não estava submetido a nenhum protocolo especial na prisão que pudesse indicar que ele era suicida ou corria qualquer tipo de perigo. Fontes da prisão o definiram como um prisioneiro que não deu nenhum tipo de problema.

A esposa de McAfee, Janice McAfee, viajou para Barcelona nesta sexta-feira para a prisão de Brians 2. Lá ele se reuniu com o vice-diretor, o gerente e o coordenador médico do centro, segundo confirmou o Ministério Público, e forem entregues os pertences de McAfee. “A última coisa que ele me disse foi ‘Eu te amo e te ligo hoje à noite.’ Essas palavras não são de alguém que é suicida “, disse Janice em declarações à mídia fora de Brians 2, coletadas pela agência Reuters. A mulher colocou em dúvida que McAfee tenha cometido um suicídio e culpou as “autoridades americanas” pela “tragédia”. “Por causa dessas acusações de motivação política contra ele, meu marido está morto”, lamentou ela, e insistiu que eles irão até o fim para descobrir o que realmente aconteceu. A família também pedirá uma segunda autópsia independente.

John McAfee, em uma fotografia de 2015.
John McAfee, em uma fotografia de 2015.Todd J. Van Emst / AP

A decisão do Tribunal Nacional não implicava na extradição imediata de McAfee para os Estados Unidos. Janice garantiu que já estavam, inclusive, preparando o recurso. Além disso, McAfee tinha um segundo caso pendente, relacionado a ganhos não declarados por meio de negócios de criptomoeda. O que deixou claro, segundo seu advogado, Javier Villalba, que não poderiam extraditá-lo até que essa segunda questão também fosse resolvida, e com todas as decisões firmes.

A morte do empresário na prisão sacudiu o mundo na noite de quarta-feira. McAfee foi um gênio, com uma vida excêntrica e polêmica ao longo dos anos, para além da criação do antivírus. Os Estados Unidos o perseguiam por sonegação de impostos e pediram às autoridades espanholas sua prisão depois de localizá-lo na Catalunha. A Polícia Nacional conseguiu prendê-lo no dia 3 de outubro de 2020 no aeroporto El Prat de Barcelona, e no dia seguinte ele ingressou na prisão onde permaneceu por mais de oito meses até sua morte.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Durante a prisão, o empresário foi contando sua experiência por meio de sua conta no Twitter, com mais de um milhão de seguidores. Seus tweets iam de um tom mais jocoso, no qual ele até elogiava a comida na prisão, para textos mais reflexivos e sombrios sobre o que significava estar trancado, ser mais velho ―McAfee tinha 75 anos― e em um lugar onde ele não falava o idioma. Salientou ainda, pouco depois de entrar, que se o encontrassem morto ao “estilo Epstein”, empresário acusado de assédio sexual que se suicidou na prisão nos Estados Unidos, não fera “sua culpa”.

Um dos argumentos que McAfee usou perante o Tribunal Nacional era o medo de passar o que restava de sua vida na prisão caso fosse extraditado para os Estados Unidos. Uma “sentença de prisão perpétua disfarçada”. Seu advogado ressaltou a “crueldade do tratamento excessivo” que significava manter a McAfee quase nove meses em prisão preventiva por evasão fiscal, sem pagar fiança, em um caso em que o próprio Ministério Público havia “recuado” ao retirar “sete das dez acusações apresentadas.” E encerrou sua petição com “a obrigação de implorar clemência ao tribunal” para que ele pudesse passar o tempo fora da prisão, com as medidas que fossem necessárias, até que fossem resolvidas as diversas petições. O tribunal não atendeu a nenhum de seus pedidos.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50