Cuidar das amizades, a melhor estratégia para os chimpanzés

Animais que cultivam laços sociais se reproduzem mais. São pistas que levam pesquisadores a acreditar nos benefícios da amizade para a evolução humana

Dois chimpanzés no Parque Nacional de Gombe (Tanzânia).
Dois chimpanzés no Parque Nacional de Gombe (Tanzânia).Ian Gilby
Mais informações

Nossos primos mais próximos entre os grandes símios, os chimpanzés e os bonobos, tomaram dois caminhos evolutivos completamente opostos na hora de preparar seu sucesso reprodutivo. Os chimpanzés trilharam o espinhoso trajeto da violência e da coação para assegurar a descendência: os machos que mais batem nas fêmeas, por exemplo, têm mais chances de acasalamento. Já os bonobos continuaram a rota da seda: os machos não sabem quando é o período fértil das fêmeas, que por sua vez dirigem o grupo em um matriarcado, apostando em acasalar muito para aumentar as probabilidades de ter uma prole.

Mas há um aspecto que causava estranheza aos biólogos: se o gene egoísta só pensar em se reproduzir a todo custo, em uma concorrência desmedida entre os machos, por que os chimpanzés se dedicam a mimos, cuidados e carícias, catando piolhos e alisando seus pelos mutuamente? Que sentido evolutivo faz reforçar amizades com quem vai tirar a sua oportunidade de procriar? O primatologista Joseph Feldblum, da Universidade de Michigan (EUA), explica que “seria esperável ver esses laços ou relações sociais fortes e amistosas apenas se isso oferecesse algum tipo de benefício aos indivíduos. Os machos não passariam todo este tempo alisando outros machos e renunciando a tentar encontrar fêmeas ou comida a menos que obtivessem algum tipo de ganho com isso”.

Feldblum publicou nesta terça-feira um estudo na revista científica Cell em que testa a ideia com um resultado chamativo: os machos cultivam amizades porque isso funciona. Graças a décadas de dados reunidos no Parque Nacional de Gombe (Tanzânia) desde os tempos de Jane Goodall, os cientistas puderam analisar a descendência dos machos que estreitam laços com outros companheiros, comparando àqueles que não o fazem. E obtiveram dois resultados: o primeiro não é nada surpreendente, e algo que já se sabia: os machos que mais têm contato com o macho alfa da comunidade ganham possibilidades de se reproduzir. Faz sentido: neste patriarcado, o alfa controla as fêmeas e permite a seus amigos que acasalem. “Puxar o saco do chefe não é nenhuma novidade”, observa Anne Pusey, coautora do estudo, da Universidade Duke (EUA), que passou três décadas organizando e digitalizando esse conjunto de dados único. E acrescenta: “Demonstramos que sempre valeu a pena”.

No entanto, os cientistas descobriram que os machos que dedicam mais tempo a outros machos de médio escalão na comunidade multiplicam suas chances de ter descendência. Um chimpanzé macho tem 50% mais probabilidades de ter filhos se mantiver pelo menos duas fortes amizades com outros indivíduos equivalentes. Com exceção do alfa, a patente na hierarquia do grupo não impacta nas possibilidades de ter sucesso reprodutivo, mas, sim, em ter muitos amigos aos quais dedicar tempo e cuidados. A estratégia não é a competição violenta, e sim uma colaboração entre companheiros.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Bonobos e pessoas

Em outras palavras, ao contrário do que se subentende ao simplificar a perspectiva evolucionista, a estratégia vitoriosa não é ser o mais forte ou agressivo, mas sim mais zeloso pelas amizades. Feldblum acredita que são necessários mais estudos para entender como esses laços sociais levam ao sucesso. “Talvez o potencial para formar alianças agressivas com companheiros seja o que ajude os machos nas chances de acasalamento e que justamente a formação desses vínculos seja responsável por reduzir a necessidade de uma agressividade frequente. Mas, ainda precisamos investigar.”

O primatologista se pergunta: “Será que se o seu aliado estiver por perto, é mais provável que você acasale com uma fêmea no cio, ou que ter aliados por perto protege você do assédio de outros machos? Ou será que, como seu aliado o apoiará se surgir um conflito, seus níveis de estresse são mais baixos e você pode dedicar mais energia aos esforços de acasalamento?”, questiona o primatologista. É a primeira vez que se estuda a influência da sociabilidade na capacidade reprodutiva dos machos, apontam os pesquisadores, porque esta perspectiva sempre foi aplicada unicamente às fêmeas.

Os pesquisadores acreditam que ter uma ideia mais clara dos benefícios destas relações sociais nos chimpanzés proporciona pistas sobre a evolução da amizade nos seres humanos, como explica Ian Gilby, principal autor do estudo. “Junto com os bonobos, os chimpanzés são nossos parentes vivos mais próximos e nos ajudam a identificar quais características da vida social humana são únicas. Este estudo sugere que os laços fortes entre os machos têm raízes evolutivas profundas e proporcionaram a base para as relações mais complexas que vemos nos humanos”, diz Gilby, da Universidade Estadual do Arizona, em um comunicado à imprensa. E acrescenta: “Este estudo também ressalta o valor de estudos de longo prazo, que são essenciais para compreender a biologia de uma espécie que vive durante muitas décadas e se reproduz lentamente”.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: