Bombeiro preso sob acusação de ajudar em execução de Marielle Franco morava em mansão no Rio

Maxwell Simões Correa, que é suspeito de ter se livrado da arma do crime, vivia em residência avaliada em 1,9 milhão e tinha BMW

Manifestante do protesto "Vidas negras importam" em Brasília exibe cartaz em homenagem a Marielle Franco.
Manifestante do protesto "Vidas negras importam" em Brasília exibe cartaz em homenagem a Marielle Franco.SERGIO LIMA (AFP)
Mais informações
La fiscal general de Brasil, Raquel Dodge, en 2017.
Polícia Civil tentou comprar confissão de miliciano em caso Marielle, diz Dodge
Un hombre frente a un mural de Marielle Franco, en Río de Janeiro.
'Precisamos saber quem está no poder', por ELIANE BRUM
Adriano del Nóbrega, el excapitán del Bope en una imagen de archivo.
Família Bolsonaro molda narrativa ambígua para se descolar de miliciano morto na Bahia

Foi preso na manhã desta quarta-feira no Rio de Janeiro o bombeiro Maxwell Simões Correa, conhecido como Suel, acusado de obstruir as investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, em março de 2018. Ele foi alvo da Operação Submersus 2, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), Corregedoria do Corpo de Bombeiros e Delegacia de Homicídios da capital (DH).

A promotora da promotoria Simone Sibilio, responsável pela investigação do caso, afirmou, em entrevista na porta da delegacia, na Barra da Tijuca, que Correa foi proprietário do carro utilizado para ocultar um arsenal de armas de Ronnie Lessa, acusado de ser o executor da vereadora. “Ele [Maxwell Correa] responde pelo crime de obstrução da justiça. É por isso que ele foi investigado, denunciado e preso. Ele participou da ocultação de várias armas, que foram lançadas ao mar. Se a arma usada no crime estava lá, nós não sabemos afirmar. Mas o fato é que ele participou do crime de obstrução da justiça. Há várias provas no processo, que está sob sigilo”.

Sibilio afirmou que o carro investigado está em propriedade de Elaine Lessa, esposa de Ronnie, mas que ele tinha sido de Simões Correa. A promotora esclareceu que, apesar de o bombeiro ter sido preso em sua casa, uma mansão na zona oeste, a denúncia não é por investigação financeira. A residência de luxo de Simões Correa está avaliada em 1,9 milhão de reais, um valor incompatível à renda do bombeiro, cujo salário mensal era de cerca de 6.000 reais brutos. Segundo o jornal O Globo, durante a operação, as autoridades também apreenderam uma BMW-X6, que pertence ao bombeiro, avaliada em 172.000 reais.

A promotora explicou que o advogado de Correa foi chamado e acompanhou a prisão. Segundo ela, há mandado de busca e apreensão também em endereços ligados a um policial militar que é amigo próximo de Lessa. Nem o bombeiro nem seu advogado se pronunciaram ao chegar à delegacia.

O titular da Delegacia de Homicídios, Daniel Rosa, explicou que o carro que pertenceu a Correa foi usado no transporte das armas de Ronnie Lessa. As investigações apontam que a ocultação das armas foi feita por Elaine Pereira Figueiredo Lessa, esposa de Ronnie, Bruno Pereira Figueiredo, cunhado de Ronnie, José Marcio Mantovano e Josinaldo Lucas Freitas. Todos já denunciados pelo crime. “Eles retiraram as armas da casa do Ronie Lessa, passaram para esse automóvel, que ficou localizado dentro de um mercado aqui na Barra da Tijuca, e horas após eles fizeram o transporte dessas caixas, com ao menos seis fuzis, ao mar da Barra da Tijuca, onde eles contrataram esse barqueiro, foram até as ilhas e lá dispensaram todo esse material bélico”, disse o delegado.

Nas investigações, Simões Correa afirmou que tinha levado a esposa ao médico em Botafogo no dia do assassinato de Marielle e Anderson. Depois, os dois foram assistir a um jogo de futebol em um bar pequeno na Barra da Tijuca, também frequentado por Lessa. Segundo o delegado, o crime de ocultação das armas é grave. “Foi um crime muito grave, uma vez que esses fuzis, se fossem recuperados, seriam submetidos a confronto balístico e, certamente, a gente desvendaria outros crimes pelo uso daquelas armas. Inclusive um dos fuzis estava com bandoleira, aquele acessório que o atirador usa para colocar o fuzil no pescoço. Isso denota que os fuzis estavam para pronto emprego, seriam usados ou tinha sido usados anteriormente”.

Em nota, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) informa que a Corregedoria Interna e o Serviço Reservado da corporação participaram da operação na manhã desta quarta-feira. “A instituição aguarda as informações solicitadas sobre o processo para abrir procedimento interno. Na esfera criminal, a competência é do Poder Judiciário. O Corpo de Bombeiros repudia veementemente todo e qualquer ato ilícito. A corporação segue à disposição para colaborar com as autoridades.”

Com informações da Agência Brasil e da Agência EFE.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS