Peter Handke após ganhar o Nobel de Literatura: “Agora me sinto livre”

Escritor recebe os jornalistas em sua casa, nos arredores de Paris. “Como escritor você nasceu culpado, e hoje não me sinto assim", conta sobre suas sensações

O escritor Peter Handke, no jardim de sua casa em Chaville, nos arredores de Paris, depois de receber o anúncio do Nobel.
O escritor Peter Handke, no jardim de sua casa em Chaville, nos arredores de Paris, depois de receber o anúncio do Nobel.Francois Mori (AP)
Marc Bassets
Chaville -
Mais informações

Quando o telefone tocou, pouco depois do meio-dia desta quinta-feira, Peter Handke achou que se tratava de um advogado norte-americano cuja ligação estava esperando. Em seguida entendeu que o interlocutor era alguém da Academia Sueca. Depois, saiu para caminhar pelos bosques próximos de Chaville, o povoado dos subúrbios de Paris onde reside. Às 15h45 (hora local), retornou por um dos caminhos de terra que levam à sua casa com jardim. Uma dezena de jornalistas já o esperava.

“Passem ao jardim”, convidou-os, desafiando sua reputação de escritor antissocial e isolado. “Não sei se estou feliz, mas estou emocionado”, declarou. “Mas não posso demonstrar para as câmeras e máquinas fotográficas. É difícil estar emocionado. É preciso ser ator para está-lo diante de vocês”. Depois revelou: “Não sei como comemorar. Eu gostaria de beber, mas não comi nada hoje. Não estou com fome.”

Suas sensações eram estranhas. “Como escritor você nasceu culpado. E hoje, a esta hora, não me sinto culpado, sinto-me livre. Talvez às seis da tarde volte a me sentir culpado”, afirmou.

O Nobel 2019 chegou ao escritor austríaco quando muitos tinham deixado de esperá-lo, começando por ele. Seus ensaios em defesa da Sérvia durante as guerras balcânicas dos anos noventa, e mais o gesto de assistir ao enterro do líder nacionalista sérvio Slobodan Milosevic, morto em 2006, pareciam tê-lo relegado, embora cada ano continuasse figurando nas bolsas de apostas. Ele garantia que não esperava o prêmio.

“Pelos problemas que tive há anos nunca pensei que me escolhessem”, disse o autor de O Medo do Goleiro Diante do Pênalti e A Perda da Imagem. “Houve muito ruído quando escrevi de um modo diferente sobre a guerra civil na Iugoslávia, e posso entender. Por isso acredito que a decisão da Academia de Estocolmo foi corajosa.”

Amável e hospitaleiro com os jornalistas, alternando entre o alemão, o inglês, o francês e algo de castelhano, Handke se mostrou incomodado com as perguntas sobre suas posições a respeito da Sérvia e de Milosevic. “Não tenho nenhuma posição”, disse em várias ocasiões. Sobre sua presença no funeral do líder nacionalista, replicou: “É um crime? Você acha um crime?”.

Filho de mãe eslovena, Handke sempre foi defensor da posição sérvia nas guerras da desaparecida Iugoslávia e viajou para Belgrado em 1999 para mostrar sua solidariedade quando o país estava sendo bombardeado pela OTAN para que parasse a limpeza étnica no Kosovo. Ele deixou sua opinião clara em livros como Uma Viagem de Inverno ao Danúbio, Save, Moravia e Drina ou Justice for Serbia (1995) e Apêndice de verão a uma Viagem de Inverno (1996). Criticou duramente o Tribunal de Haia por crimes na Iugoslávia: em um ensaio, o descreveu como ilegítimo e considerou a acusação de Milosevic um erro.

“Não tenho nada a mudar”, prosseguiu. “Todo dia eu gostaria de mudar. Mas minha natureza é minha natureza. É a natureza de um escritor, não de um jornalista. Meu sentimento mais profundo é o sentimento épico, como Cervantes, como Homero, como Tolstói. Este é meu mundo. E escritores austríacos como Adalbert Stifter, Heimito von Doderer, Ivo Andric.”

Também mencionou a influência da Espanha, país onde passou temporadas e é cenário de alguns de seus livros. Cita Juan da Cruz, Teresa de Ávila, Cervantes. “Também as paisagens, sobretudo”, acrescenta. “Eu gosto da Castela: mil metros sobre o mar, e está vazio. Mas gostar não é a palavra. Sinto apego.”

Há alguns anos, Handke declarou que “é preciso suprimir [o Nobel]”. “É uma falsa canonização”, disse. Hoje, com um toque de humor, matiza. “Agora corrigiram isso. Talvez continuem pelo bom caminho. Não tenho nada a criticar”, disse. E, mais sério, explicou: “Quando critiquei o prêmio Nobel, não falava como autor, e sim como leitor. Minha existência consiste em ler. Sinto-me em meu lugar quando começo a ler, a decifrar, a encontrar as palavras”. Cada manhã dedica um momento a ler alguns versos de Píndaro e outros autores em grego antigo. “É bom para a cabeça e para o coração, para a saúde”, comenta.

Outra pergunta incômoda. Em que gastará o dinheiro? “Ah, mas que perguntas… Não muito sutis. Quando era jovem escutava uma canção de Ray Davies, dos Kinks, com uma frase de que eu gostava de muito: ‘Tem muita coisa na minha cabeça’. Agora, não me pergunte sobre o dinheiro…”

E depois do Nobel? “É preciso continuar como se nada tivesse acontecido. É um de meus temas na vida: fazer de conta que nada aconteceu. Como disse Ibsen, ainda há muitas flechas no arco para disparar. Mas não quero dizer isso, porque Ibsen morreu depois de dizê-lo. Tenho vontade de continuar. Ainda tenho coisas pra contar, para rimar, para imaginar”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: