Argentina

Um agosto horrível para a Argentina marca o fim de mandato agônico de Macri

Macri vive um fim de mandato agônico, com depreciações contínuas da moeda e risco de suspensão de pagamentos

Foto: EFE | Vídeo: ATLAS (atlas)

Mais informações

“Vamos viver de novo a mesma história”, disse um importante intermediador financeiro em um restaurante em Buenos Aires. “Outra vez o mesmo”, suspirou uma empregada doméstica enquanto passava roupa em um apartamento no bairro da Recoleta. “Nós, argentinos, nunca aprendemos”, murmurou um garçom. Entre a angústia e a resignação, a Argentina enfrenta sua enésima crise. Os elementos são os de sempre: inflação alta, falta de crescimento, depreciação do peso, necessidade de dólares e incapacidade de pagar as dívidas. A semana que terminou no sábado foi de dar vertigem. Agosto foi um mês horrível. E se espalha um sentimento de que o pior ainda está por vir.

Hernán Lacunza assumiu a pasta da Fazenda em 17 de agosto. Só onze dias depois, na quarta-feira passada, se viu obrigado a despertar os piores fantasmas do passado: anunciou que a dívida seria “reperfilada” (cada crise tem seu neologismo), ou seja, que não seria paga na data devida, com o objetivo, disse, de poupar reservas, sustentar o peso, tranquilizar os mercados e reduzir o risco-país. Dois dias depois, o risco-país (o sobrepreço que um credor exigiria) tinha pulado de 2.100 para 2.500, o dólar tinha passado de 60 para 62 pesos, os mercados continuavam em alerta vermelho e as agências de classificação de dívida começavam a mencionar a palavra mais temida: default, ou suspensão de pagamentos. Outra vez.

Todo o mês de agosto foi um pesadelo para a economia argentina. O momento-chave aconteceu com as eleições primárias do dia 11, aquelas que, segundo o presidente Mauricio Macri, definiriam “os próximos 30 anos”: Macri sofreu uma derrota monumental (49% contra 33%) e ficou claro que o próximo presidente não seria ele, mas o peronista Alberto Fernández, acompanhado na vice-presidência pela muito amada e odiada ex-presidenta Cristina Kirchner. Os indicadores financeiros despencaram no dia seguinte, segunda-feira. O drama de agosto se resume em alguns poucos números: a Bolsa de Valores caiu 72%, o peso depreciou 38%, o valor da dívida em títulos foi reduzido em 55% e a inflação saiu de controle. Ainda não há números oficiais, mas se estima que os preços tenham subido ao menos 5% em um mês. Isso coloca a inflação dos últimos 12 meses em torno de 60%.

Para Macri, evidentemente chocado com as primárias, e para o conjunto da coalizão no Governo, o colapso se deve ao medo dos investidores de um regresso do kirchnerismo. Esse fator conta, sem dúvida. Mas também contam os erros de Macri, que perdeu o controle da dívida (razão pela qual foi obrigado a buscar ajuda contraindo uma dívida adicional de 57 bilhões de dólares — cerca de 236 bilhões de reais — com o Fundo Monetário Internacional), não foi capaz de domar a inflação, provocou uma recessão com sua política de austeridade e, principalmente, não soube perceber o mal-estar que se sentia nas casas de um país em que mais de um terço da população vive na pobreza e quase 10% sofre deficiências alimentares severas.

Aprofundamento da fratura política

Oprimido pela situação, e depois de uma declaração delirante após a derrota nas primárias (acusou os argentinos de haver votado mal), Mauricio Macri ofereceu diálogo ao seu adversário Alberto Fernández. Diálogo, consenso, acordo mínimo: os políticos recebem essa reivindicação de quase todas as áreas.

Mas o sistema eleitoral está mostrando seu lado mais perverso. Fernández só venceu as primárias, e não as eleições reais, que ainda estão muito distantes (em 27 de outubro), e para consolidar sua vantagem e ter as mãos livres quando ocupar a Casa Rosada, precisa se desvincular da política de Macri. Macri, por sua vez, precisa reduzir as diferenças para que sua coalizão, Juntos pela Mudança, vá para a oposição com números dignos, o que exige atacar Fernández e o kirchnerismo. Algo que seu candidato a vice-presidente, o ex-peronista Miguel Ángel Pichetto, e sua inefável aliada Lilita Carrió fazem com ferocidade. Resultado? A fratura política está mais profunda do que nunca, justamente quando seria necessário o contrário.

Manifestação contra a política econômica do Governo de Macri em 22 de agosto.
Manifestação contra a política econômica do Governo de Macri em 22 de agosto.

Fernández pareceu quebrar o acordo na sexta-feira, quando disse ao Wall Street Journal que a Argentina estava “em suspensão de pagamentos virtual”. Já havia dito isso em junho, mas o abismo não estava tão próximo e suas palavras não eram ouvidas com tanta atenção. Nem o FMI, o único credor efetivo que resta à Argentina fora de suas fronteiras, mostrava então os atuais rancores.

O empréstimo de 57 bilhões concedido em setembro de 2018, o maior da história do organismo, foi uma aposta pessoal da então diretora Christine Lagarde, apoiada por Donald Trump, amigo pessoal de Macri. Trump agora prefere não falar sobre a Argentina, Lagarde foi para o Banco Central Europeu e os técnicos do Fundo, que sempre tiveram dúvidas, comprovam que as condições nas quais a ajuda foi concedida deixaram de ser cumpridas (Macri adotou várias medidas de tom populista para reduzir sua impopularidade) e que em Buenos Aires se considera a necessidade de renegociar porque, do modo em que estão as coisas, o empréstimo não poderá ser pago nos prazos acordados. Por enquanto se fala em adiamento. No mercado de títulos, no entanto, os investidores já começam a descontar algum tipo de default e de calote na dívida.

A segunda-feira voltará a ser crítica. Macri e seu ministro Lacunza decidiram que para evitar o colapso o essencial é sustentar o peso. Parecem dispostos a colocar sobre a mesa todas as reservas do Banco Central, pouco mais de 50 bilhões de dólares, e vender qualquer quantia necessária de moeda norte-americana para manter a cotação em torno dos 60 pesos. Ao longo de agosto, o Banco Central gastou 13 bilhões de dólares para fortalecer o peso, sem grande sucesso. A aposta de Lacunza é tudo ou nada. Se a moeda continuar se desvalorizando, algum tipo de controle cambial precisará ser imposto, algo que esta semana já foi estabelecido para as grandes operações bancárias. Para além disso, se abre o desconhecido. Ou o demasiado conhecido. Porque a Argentina já sabe o que é a quebra.