Na Casa Branca, Eduardo faz encontro ‘express’ e sem detalhes para selar a “sintonia” de Brasil e EUA

Chanceler vai aos EUA ao lado de Eduardo Bolsonaro, mas não há anúncios. Presidente diz ter tido conversa "produtiva" com Angela Merkel sobre crise ambiental

O chanceler Ernesto Araújo e o deputado Eduardo Bolsonaro na Casa Branca.
O chanceler Ernesto Araújo e o deputado Eduardo Bolsonaro na Casa Branca.Evan Vucci (AP)

O chanceler Ernesto Araújo, e Eduardo Bolsonaro, filho do presidente brasileiro e no comando da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, fizeram nesta sexta-feira uma visita express à Casa Branca. Araújo e Eduardo afirmaram na saída a jornalistas que foram recebidos pelo presidente Donald Trump, pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, pelo genro e assessor de Trump, Jared Kushner, e por assessores do conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton. Os brasileiros não ofereceram maiores detalhes sobre os encontros, que tampouco constam da agenda oficial das autoridades norte-americanas. "Creio que estamos em sintonia, os Governos estão em sintonia", disse Araújo, a respeito da crise pelas queimadas na Amazônia, que colocaram o Bolsonaro como alvo de críticas, especialmente da Europa, mas não de Trump.

"Nós não tínhamos expectativa de sair daqui com nada assinado, mas achamos que é extraordinariamente significativo que o presidente Trump tenha nos recebido", disse Eduardo Bolsonaro, indicado pelo pai para ser embaixador do Brasil em Washington, algo que ainda depende da aprovação no Senado. "Ele [Trump] reiterou várias coisas, prometeu trabalhar com a gente nessa questão do desenvolvimento sustentável na Amazônia, interesse enorme em acordo comercial amplo. Temos que sentar agora para ver como vai ser isso, como vamos modelar esse tipo de acordo", seguiu, tudo segundo o jornal O Globo.

MAIS INFORMAÇÕES

Não foram divulgadas, até o momento, imagens da reunião. A informação oficial sobre o encontro vinda do Itamaraty também foi pontual. À reportagem, a assessoria informou que Araújo "liderou delegação a Washington que foi recebida hoje pelo presidente dos EUA, Donald Trump". Mais cedo, o presidente Bolsonaro havia dito que havia pedido "ajuda" a Trump na crise.

Telefonema para Merkel e mudança de tom

A aliança entre o Planalto e a Casa Branca é um dos maiores ativos da política externa do Governo Bolsonaro, sob pressão com a crise na Amazônia  —o presidente também recebeu nesta semana endosso do presidente chileno, Sebastián Piñera. Além dos danos à imagem do país, o aumento do desmatamento e das queimadas, aliados à retórica do presidente contra a regulação e multas ambientais, já começam a ter reverberação econômica negativa para o Brasil, com o boicote de uma marca norte-americana ao couro brasileiro. 

Nesta sexta pela manhã, o presidente Bolsonaro seguiu em sua retórica dura contra Europa, e especialmente com a França de Emmanuel Macron — "A Europa toda junta não tem lições para nos dar no tocante ao meio ambiente "—, mas anunciou que falaria com a chanceler alemã, Angela Merkel. À noite, informou ter tido uma "conversa bastante produtiva" com Merkel, numa mudança de tom em relação às semanas prévias, quando a Alemanha anunciou a suspensão de verbas para o Fundo Amazônia, que destina recursos a projetos contra a mudança climática na floresta brasileira. "[Ela] reafirmou a soberania brasileira na nossa região amazônica. A pedido do Governo Alemão, o Serviço Europeu de Ação Externa foi mobilizado para avaliar a situação das queimadas na América do Sul", escreveu o presidente no Twitter.

A relação do Brasil com as lideranças europeias cobra especial importância num momento em que ainda pende de ratificação nos Parlamentos europeus o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia. A UE fez questão de frisar os compromissos ambientais do Brasil no pacto, especialmente a permanência no Acordo de Paris, de combate ao aquecimento global. A França de Macron, cujos agricultores são contra o acordo comercial com o Mercosul, se transformou num bastião de resistência ao acordo e de cobranças públicas a Bolsonaro.