China e EUA tentam reduzir a tensão em sua guerra comercial

Trump anuncia que as conversações continuam e qualifica Xi Jinping de “grande líder"

Donald Trump, nesta segunda-feira na cúpula do G7 em Biarritz (França). 
Donald Trump, nesta segunda-feira na cúpula do G7 em Biarritz (França). Michael Kappeler/dpa

Após a nova escalada na guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, os dois lados decidiram tentar reduzir a tensão, pelo menos nas declarações públicas, e buscar o diálogo. De Biarritz, na França, onde participa da cúpula do G7, o presidente dos EUA, Donald Trump, reduziu o tom de suas pirotécnicas declarações do fim de semana e afirmou que a China expressou o desejo de retomar as negociações bilaterais, planejadas para a próxima segunda-feira. O vice-primeiro-ministro chinês Liu He, chefe da delegação de seu país nessas negociações, enfatizou que uma escalada "seria prejudicial a todos" e fez um chamado para uma "negociação tranquila".

Mais informações

“Eles nos telefonaram e começaremos a negociar em breve, e veremos o que acontece", disse Trump nesta segunda-feira em Biarritz. O republicano descreveu o presidente chinês, Xi Jinping, como "um grande líder" e acrescentou que "uma das razões pelas quais a China é um grande país é que entende como a vida funciona".

O acordo que ambos poderiam alcançar "será magnífico para os Estados Unidos e será magnífico para o mundo", acrescentou Trump.

Um grande contraste depois que, na sexta-feira, em uma série de tuítes incendiários, ele se perguntou se o presidente chinês era o pior inimigo dos Estados Unidos, anunciou um aumento de tarifas ainda mais alto do que o previsto para os produtos chineses (cinco pontos a mais) e ordenou às empresas de seu país que procurem alternativas à China como local para fabricar seus produtos.

No domingo, no segundo dia da cúpula, Trump semeou confusão ao afirmar que tinha dúvidas sobre a escalada da guerra comercial. Uma porta-voz esclareceu depois que as dúvidas não eram sobre reverter a escalada, mas sobre a necessidade de intensificar ainda mais o aumento das tarifas.

A aparente guinada na atitude de Trump fez com que o Governo chinês optasse por se mostrar mais conciliador. Se no fim de semana o Ministério do Comércio alertava que os Estados Unidos arcariam com "as consequências" se não "corrigissem seus erros", em um congresso em Chongqing, no centro do país, Liu enfatizou que a China "se opõe fortemente a uma escalada" na guerra comercial". "Não beneficiaria nem a China nem os Estados Unidos nem o restante do mundo", declarou.

As incendiárias declarações de Trump na sexta-feira surgiram depois que Pequim anunciou novas tarifas de 5% e 10% sobre produtos norte-americanos, no valor de 75 bilhões de dólares (312 bilhões de reais), e a aplicação de outras de até 25% aos carros dos EUA, que anteriormente havia isentado como sinal de boa vontade. Por sua vez, a iniciativa de Pequim era a resposta à decisão de Washington em agosto de aumentar as taxas sobre cerca de 300 bilhões de dólares (1,25 trilhão de reais) de suas compras da China.

Em sua entrevista coletiva diária, o Ministério das Relações Exteriores da China não confirmou se, como Trump disse, houve contato telefônico entre as equipes de negociação neste domingo. Mas o porta-voz Geng Shuang insistiu em que é necessário que os dois países resolvam suas diferenças mediante o diálogo.

Se a disputa não puder ser resolvida e os Estados Unidos continuarem com suas ameaças de novas tarifas e saída de empresas chinesas, "Pequim continuará a tomar medidas para proteger nossos legítimos direitos e interesses", enfatizou Geng. O porta-voz também afirmou que, no caso de um divórcio comercial e tecnológico entre as duas potências, a China "tem ampla margem de manobra" e pode cobrir a lacuna deixada pelos Estados Unidos com outros mercados. "A separação não é uma boa maneira de aliviar as tensões", acrescentou.

Enquanto isso, em meio aos temores de um aumento do confronto, o yuan respondeu nesta segunda-feira ao horizonte de novas tarifas com um declínio acentuado, e sua cotação atingiu o nível mais baixo em 11 anos em relação ao dólar. No mercado offshore, chegavam a oferecer 7,187 yuans por dólar, mas depois se recuperou, passando a 7,162, após os comentários mais moderados de Trump; no onshore, retrocedia para 7,150, seu valor mais baixo desde 2008.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: