ANÁLISE / XAVIER VIDAL-FOLCH
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Os chineses têm a bomba atômica

O Banco Popular da China guarda 3,9 trilhões de dólares em reservas; dos quais, 1,1 trilhão correspondem a títulos norte-americanos

Uma nota de yuan e outra de dólar.
Uma nota de yuan e outra de dólar.Thomas White (REUTERS)
Mais informações

Quem ganhará? É impossível que a China derrote os EUA em uma batalha meramente comercial. Porque suas exportações para o gigante americano duplicam suas importações. Porque ostenta um superávit muito considerável. E porque, consequentemente, é muito sensível à disputa no leilão de tarifas.

Mesmo que já tenha reorientado seu principal fator de crescimento do setor externo para o consumo interno, sua relação comercial global continua sendo crucial para que seu PIB aterrisse brandamente a partir de expansões da ordem de 9%, próprias dos primeiros anos deste século, para os atuais 6%.

Pois bem, essa vantagem teórica de Washington não se traduz em nenhum beneficio para os norte-americanos. Contra as pretensões da Casa Branca, acontece o contrário. O déficit mundial de bens e serviços dos EUA durante o primeiro semestre deste ano não só não diminuiu, em pleno fragor da guerra comercial, como aumentou sensivelmente nesse período: 7,9%.

Certamente em algum quesito melhorou com relação à China, mas isso foi compensado, para mal, ao produzir um efeito de desvio de comércio, pelo que as importações de produtos baratos chineses, já encarecidos, terão sido substituídas pelas de outros países asiáticos.

E o pior para Donald Trump é que sua disputa comercial contra Pequim não tem mais muito espaço para prosseguir. Se a partir de setembro ele executar sua ameaça de elevações adicionais tarifárias sobre as importações chinesas, 96,7% destas já estarão cobertas.

Claro que isso prejudicará muito a economia chinesa. Entre as tarifas já elevadas a exportações num valor de 250 bilhões de dólares, e com novas alíquotas à espera de 300 bilhões, o impacto seria, segundo fontes financeiras, de uma redução de 0,7 ponto percentual no crescimento do PIB, com o que o gigante asiático cairia pela primeira vez abaixo da baliza dos 6%.

A Casa Branca, por sua vez, terá que subvencionar imensamente, como prometeu, os agricultores prejudicados com desforra de não comprar deles, decretada pela Cidade Proibida: se Trump pretende ganhar as próximas eleições, isso é uma ruína.

Empate infinito, portanto? A ameaça de uma guerra cambial sobreposta à guerra comercial, sugerida pela recente réplica de Pequim facilitando a desvalorização do yuan, rompe esse suposto equilíbrio. Mesmo que seja simbólica, porque foi modesta; porque veio acompanhada da promessa de não incorrer em verdadeiras desvalorizações competitivas e porque uma guerra monetária prejudicaria também a empresas e consumidores chineses de produtos e serviços estrangeiros.

É, em todo caso, um aviso. Um aviso de que Pequim dispõe da bomba atômica. O Banco Popular da China guarda 3,9 trilhões de dólares em reservas, dos quais, 1,1 trilhão correspondem a títulos norte-americanos. Se vender parte deles a preço de saldo, arruína os EUA (com risco também para si próprio, esse empate infinito). Já em 2009, Hillary Clinton alertou que seria muito difícil “negociar com pulso firme com o seu banqueiro”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: