Editoriais
i

Por que o EL PAÍS decidiu publicar as mensagens da Lava Jato vazadas ao ‘The Intercept’

A investigação contra corrupção mais importante da história recente do Brasil merece ter o escrutínio da sociedade

Deltan Dallagnol. coordenador da força-tarefa da Lava Jato.
Deltan Dallagnol. coordenador da força-tarefa da Lava Jato.Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A partir desta terça, o EL PAÍS publica uma série de reportagens sobre a Operação Lava Jato. Tudo tem como base as mensagens privadas trocadas entre os procuradores e também com o então juiz Sergio Moro que chegaram ao The Intercept. A publicação do material em parceria com o site é de evidente interesse público. À luz dos diálogos, o agora ministro da Justiça e o procurador Deltan Dallagnol se tornam protagonistas de uma trama que revela as zonas cinzentas do funcionamento do Judiciário, onde as linhas que separam o que é ilegal, imoral e legítimo sob os olhos da Justiça e da opinião pública se confundem. Discutir esses limites e o papel das instituições de controle, como os conselhos da magistratura e do Ministério Público, é crucial para a sociedade.

Mais informações

É certo que a maior parte do país está orgulhosa dos passos dados pela Lava Jato, mas também é certo que estamos mergulhados em uma feroz polarização política que só será superada se o combate à corrupção for escorado em uma Justiça equânime e respeitosa do devido processo legal, que assim seja reconhecida. Dois erros não fazem um acerto e só abraçando essa máxima o Brasil pode se livrar de um danoso vale-tudo institucional.

Quanto à discussão sobre a origem das mensagens — analisadas pelo The Intercept, pela Folha, pela Veja e agora pelo EL PAÍS—, o jornal reitera que não paga para conseguir informações sigilosas nem estimula atos criminosos para tal. Não se furta, porém, de apresentar a seus leitores um cabedal de notório interesse jornalístico, independentemente da forma que tenha chegado à imprensa protegido pelo sigilo de fonte.

Como o EL PAÍS disse a seus leitores globais quando decidiu publicar os vazamentos diplomáticos do Wikileaks, em 2010, os jornais têm muitas obrigações em uma sociedade democrática: responsabilidade, confiabilidade, equilíbrio e compromisso ante os cidadãos. Não estava e não está entre elas proteger os agentes públicos e os poderosos em geral de revelações embaraçosas.