Presidente do Irã acusa os EUA de mentirem sobre seu desejo de negociar

Teerã diz que as sanções dos EUA ao líder supremo fecham a via diplomática de forma “permanente”, e Trump adverte sobre represálias brutais se receber ataques

O presidente iraniano, Hasan Rohani, nesta terça-feira.
O presidente iraniano, Hasan Rohani, nesta terça-feira.

O Irã respondeu com dureza nesta terça-feira à decisão dos Estados Unidos de impor sanções ao líder supremo da República Islâmica, o aiatolá Ali Khamenei. O presidente iraniano, Hasan Rohani, acusou Washington de mentir quando diz que deseja negociar com Teerã, e inclusive abandonou seu habitual estilo moderado ao atribuir a atual crise ao “atraso mental” da Casa Branca. A República Islâmica responsabiliza o Governo Trump por ter fechado “definitivamente” a via diplomática.

Mais informações

Rohani buscou minimizar o impacto das novas sanções, mas sua dura reação – transmitida ao vivo pela televisão – revela o mal-estar que as medidas suscitaram em todos os setores do regime iraniano. “Ao mesmo tempo em que [vocês] nos convidam a negociar, tentam impor sanções ao ministro [iraniano] de Relações Exteriores. É evidente que estão mentindo”, disse o mandatário.

Na véspera, o presidente Donald Trump assinou um decreto que impõe sanções dos EUA ao líder supremo, sua equipe e oito altos comandantes da Guarda Revolucionária. O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, declarou que isso significa congelar “dezenas de milhões de dólares em ativos” e antecipou que ainda nesta semana o chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif, deverá ser acrescido à lista.

O presidente iraniano, um político considerado pragmático, que ganhou duas eleições com a promessa de abrir seu país ao mundo, se referiu às últimas medidas como um sinal de desespero dos norte-americanos. Também afirmou que fracassarão, porque o líder supremo não tem bens no exterior.

“Sanções com que objetivo?”, perguntou Rohani. “Para congelar os ativos do líder? Nossos dirigentes não são como os de outros países que têm dezenas de milhões em contas no estrangeiro, para que vocês possam confiscá-las ou bloqueá-las”, disparou Rohani. “As ações da Casa Branca indicam atraso mental. Já não sabem o que fazer”, acrescentou, recorrendo a um insulto que os mais radicais já utilizaram no passado para se referir a Trump.

Trump respondeu ao ataque poucas horas depois, via Twitter, gabando-se do poderio militar dos EUA e ameaçando represálias se o regime iraniano atacar os EUA. Trump qualificou a declaração de Rohani como "ignorante e insultante", uma amostra, escreveu, de que os iranianos "não entendem a realidade", informa Amanda Mars. "Qualquer ataque do Irã contra qualquer coisa americana será respondido com uma força esmagadora. Em algumas áreas, esmagador significa erradicar. [Barack] Obama e [John] Kerry não estão mais por aqui", alertou o republicano. Segundo ele, os líderes iranianos não entendem a "amabilidade" e a "compaixão", só o "poder" e a "força", e nesse terreno, ameaçou, os Estados Unidos levam muita vantagem. "Têm de longe o maior Exército do mundo, com 1,5 trilhão de dólares investidos só nos últimos dois anos", observou.

Em um artigo de opinião publicado no ano passado na revista Foreign Affairs, o secretário de Estado Mike Pompeo atribuiu ao aiatolá Khamenei uma fortuna pessoal de 95 bilhões de dólares (365,7 bilhões de reais) depositados em um grande fundo de investimentos chamado Setad. Essa cifra coincide com o cálculo que a agência Reuters fez seis anos antes, após analisar declarações de funcionários do fundo, dados da Bolsa de Teerã, sites de empresas e informação do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.

Pouco antes da intervenção de Rohani, o porta-voz da chancelaria iraniana, Abbas Mousavi, recorreu ao Twitter para advertir que as novas sanções “fecham de maneira permanente a via da diplomacia com o desesperado Governo Trump". Mousavi acusou Washington de destruir “todos os mecanismos internacionais existentes destinados a garantir a paz e a segurança mundiais".

O Irã também mantém o plano de reduzir seus compromissos com o acordo nuclear a partir de 6 de julho, tal como recordou nesta segunda-feira Ali Shamkhani, secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional. Shamkhani salientou que os signatários europeus desse pacto não fizeram o suficiente para salvá-lo depois que os EUA o abandonaram unilateralmente no ano passado e começaram a impor novamente sanções a Teerã. Essa decisão deixou o regime iraniano sem incentivos para continuar a respeitá-lo, ao privá-lo dos dividendos do petróleo, sua principal fonte de renda. No começo de maio, o presidente Rohani deu um prazo de 60 dias aos europeus para que oferecessem uma saída.

Apesar da retórica desafiadora de seus responsáveis, a República Islâmica se encontra em apuros. Talvez calcule que romper o acordo nuclear lhes dará mais força em uma eventual negociação, mas também lhes granjearia a desaprovação das potências europeias que até agora demonstram seu apoio e poderiam servir como mediadores com os EUA. Muitos observadores insistem em que a diplomacia é a única saída.

Se essa via estiver fechada para sempre, como advertiu Teerã, a alternativa seria a guerra, que tanto dirigentes iranianos como norte-americanos dizem não querer. O problema é que, sem relações diplomáticas há quatro décadas, os líderes de ambos os países têm uma percepção distorcida de como o outro lado vai responder.

Trump parece convencido de que a pressão forçará a República Islâmica a renegociar um acordo, ainda que a fiabilidade de Washington esteja em dúvida após o rompimento do pacto anterior. Já o regime iraniano, que sempre desconfiou dos EUA, interpreta as sanções como uma guerra econômica que o legitima a se defender. Ao derrubar o drone norte-americano na semana passada, é muito possível que Teerã não pretendesse desatar um ataque militar norte-americano, e sim lançar um aviso para evitá-lo.

Dada a falta de transparência do sistema iraniano, fica difícil saber ao certo. O que parece claro é que, se a política de assédio de Trump afinal convencer o líder supremo de que sua única saída é negociar, este tentará por todos os meios reforçar sua posição e, consequentemente, voltará a jogar a cartada nuclear. Enquanto isso, o risco de guerra se mantém, seja por um erro de cálculo dos EUA ou por um excesso de confiança iraniano. A última ameaça de Trump de obliterar partes do Irã se suas forças atacarem “alguma coisa americana” dá uma ideia do perigo.