Seleccione Edição
Login

Ala militar do Governo defende Moro e Bolsonaro espera para se manifestar sobre mensagens vazadas

Presidente ainda não se pronunciou sobre as conversas reveladas pelo 'The Intercept', mas nesta terça-feira condecorou o ministro da Justiça em um evento da Marinha

Presidente Jair Bolsonaro em cerimônia na qual condecorou o ministro Sergio Moro.
Presidente Jair Bolsonaro em cerimônia na qual condecorou o ministro Sergio Moro. REUTERS

O presidente Jair Bolsonaro já defendeu o jogador Neymar Jr. de uma acusação de estupro, mesmo antes da conclusão das investigações. Lamentou a morte do músico MC Reaça, cantor que chamava feministas de cadelas e que se suicidou após espancar a própria amante, que ele achava que estava grávida. Mas decidiu que, por enquanto, não se manifestará pessoalmente sobre as suspeitas que pesam contra o seu superministro da Justiça, Sérgio Moro, de ter supostamente usado de sua posição de magistrado para interferir na operação Lava Jato junto a procuradores.

Bolsonaro se calou nas 24 horas seguintes ao site The Intercept Brasil noticiar que o ex-magistrado da Lava Jato orientou a ação do Ministério Público e cobrou novas fases da operação. Na manhã desta terça-feira, o presidente se reuniu com Moro no Palácio da Alvorada para tratar dos vazamentos. Em seguida, Bolsonaro o condecorou, juntamente com outros membros do Governo, com a Ordem do Mérito Naval, durante evento realizado pela Marinha. Os dois estiveram durante toda a cerimônia lado a lado, segundo noticiou o jornal Valor Econômico. Horas depois, o Ministério da Justiça divulgou uma nota em que afirma que Moro "rechaçou a divulgação de possíveis conversas privadas obtidas por meio ilegal e explicou que a Polícia Federal está investigando a invasão criminosa", diz a nota. O ministério afirmou ainda que a conversa entre Moro e Bolsonaro foi "foi bastante tranquila. O ministro fez todas as ponderações ao presidente, que entendeu as questões que envolvem o caso."

Na última segunda-feira, dia seguinte às publicações do The Intercept Brasil, Bolsonaro teve apenas uma agenda pública, na qual discursou por pouco mais de dez minutos e não proferiu nenhuma palavra sobre o tema que tomou conta do noticiário nacional desde a noite de domingo.

Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, a justificativa do mandatário é que, antes de se manifestar, ele queria ouvir uma análise do próprio ministro Moro. “Em relação às notícias referentes ao vazamento de informações sobre a Operação Lava Jato, o presidente da República não se pronunciará a respeito do conteúdo de mensagens e aguardará o retorno do ministro Moro para conversar pessoalmente”, anunciou. Em nota lida no Jornal Nacional, a Secretaria de Comunicação do Governo afirmou: “Nós confiamos irrestritamente no ministro Moro”, afirmou.

Moro esteve em uma série de reuniões com autoridades da área de segurança pública em Manaus (AM), cidade que testemunhou dezenas de mortes em complexos penitenciários nas últimas semanas. Na coletiva de imprensa, ele negou que tenha direcionado a ação dos procuradores e, quando jornalistas insistiram em questioná-lo, o ex-juiz abandonou a entrevista, conforme relatos do jornal Em Tempo.

O ministro Sergio Moro, ao comentar sobre a divulgação das mensagens nesta segunda-feira.

O silêncio do presidente é visto como estratégico. A popularidade de Moro é maior que a do seu chefe – 61,5% contra 49,5%, conforme o Atlas Político. O apoio é tamanho que no último protesto a favor do Governo, no dia 26 passado, o ex-juiz acabou exaltado como herói, com direito a boneco inflável vestido de super-homem. A longos três anos da eleição, Moro é apontado como sucessor natural do presidente, ainda que este possa concorrer à reeleição. E Bolsonaro sabe que sua fala irá nortear seus apoiadores nas redes sociais.

Um levantamento do sistema analítico Bites constatou que, na batalha de versões, a oposição está em vantagem. “Entre os 300 artigos em português com maior repercussão em redes sociais nas últimas 24 horas, 177 tratavam do vazamento e registraram 7,3 milhões de interações no Twitter e no Facebook”, concluíram os pesquisadores.

Outro registro: a hashtag #vazajato, impulsionada pelo The Intercept chegou a 255.700 posts às 18h contra 36.200l para #euapoioalavajato, muito compartilhada entre militantes pró-Bolsonaro. Recém-chegado às redes sociais, Moro só entrou no Twitter em abril de 2019, e ainda depende de um sinal do presidente para tentar essa contraofensiva virtual. “Sem esse apoio, Moro não terá como enfrentar o tsunami digital após as denúncias do The Intercept”, concluem os pesquisadores do Bites.

Militares e políticos

Diante do silêncio presidencial, coube à ala militar de seu Governo defender o ministro Moro. Três generais falaram sobre o tema. O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou que os diálogos revelados pelo Intercept estão fora de contexto e que o presidente Bolsonaro confia no ministro. “O ministro Moro é um cara da mais ilibada confiança do presidente, é uma pessoa que dentro do país tem o respeito de enorme parte da população”.

O chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, enviou mensagem a seus amigos e aliados sinalizando que os representantes da Lava Jato foram alvos de ataques hackers ilegais. Falou que o objetivo dos vazamentos é “macular a imagem” de Moro, “cujas integridade e devoção à Pátria estão acima de qualquer suspeita”. “Os diálogos e acusações divulgadas ratificam o trabalho honesto e imparcial dos que têm a lei a seu lado. O julgamento popular dará aos detratores a resposta que merecem”, afirmou o ministro.

Responsável pelo Ministério da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse que seu colega da Justiça é uma pessoa “do bem”. “O ministro Moro tem total confiança nossa. Ele é um homem de muito respeito e do bem”.

Na esfera política, as reações são diversas. Há os que pedem a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar o caso, os que tentam convocar Moro para depor na Câmara, os que o denunciaram junto ao Supremo Tribunal Federal e os que o defendem dessa artilharia. Um deles foi o deputado Capitão Augusto Rosa (PL-SP), que, como presidente da frente parlamentar da segurança pública, é o principal representante da bancada da bala. Em nota, Augusto afirmou que Moro e os procuradores da Lava Jato são as verdadeiras vítimas desse processo.

Há ainda quem acredita que os vazamentos ocorreram para prejudicar o andamento da reforma da Previdência. Isso foi o que o ministro Paulo Guedes relatou a conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que se reuniram em Brasília nesta segunda-feira. Se na semana que passou ninguém no Brasil se esquivava de opinar no caso Neymar-Najila, na semana que começa é o caso Moro-Dallagnol que estimula os brasileiros a se manifestar. A única exceção, até o momento, é o presidente Bolsonaro.

MAIS INFORMAÇÕES