Sommelier de maconha, um novo ofício no Canadá

José Domínguez foi escolhido entre 25.000 candidatos como provador de um produto que já é legal no país

Domínguez faz testes em sua empresa de assessoria CannaCopeia.
Domínguez faz testes em sua empresa de assessoria CannaCopeia.CORTESÍA JOSÉ DOMÍNGUEZ

A empresa AHLOT publicou um anúncio em setembro de 2018 em busca de um grupo de provadores de maconha para selecionar e comercializar produtos de alta qualidade, como consequência do novo marco legal da erva no Canadá para fins recreativos. “Éramos cerca de 25.000 candidatos. O anúncio era só para canadenses, mas a repercussão na mídia fez com que viessem pessoas de todo o mundo, conta ao EL PAÍS José Domínguez, um dos oito finalistas. “A AHLOT criou uma equipe com perfis diferentes, apesar de que todos têm muita experiência. Eu, por exemplo, venho dos cultivos”, acrescenta.

José Domínguez recebe 50 dólares canadenses (cerca de 144 reais) da AHLOT por cada hora que passa aspirando fumaça de maconha, apesar de não poder superar as 20 horas por mês. Ele deve preencher vários formulários, levando em conta aspectos como aroma, sabor, efeitos psicotrópicos e apresentação. “O consumidor de cannabis vai apreciá-la primeiro através dos olhos, depois com o nariz e então com a boca”, comenta. “Devido à minha experiência como cultivador, tenho muito interesse em como a planta cresceu”, acrescenta. Domínguez diz que para a degustação fuma cigarros enrolados ou usa o vaporizador; mas se um produto chama sua atenção, ele o consome das duas maneiras para distinguir melhor as nuances. Você tem alguma predileção entre todas as variedades de cannabis — índica, sativa e híbrida? “Eu gosto de muitas. Não tenho uma preferência específica. É como o vinho: existe um apropriado para cada ocasião.”

Mais informações

Nascido há 37 anos na cidade de Sherbrooke, no Quebec, Domínguez tem pai mexicano (de Coahuila) e mãe canadense (do Quebec). “Venho de uma família muito conservadora em relação à maconha, mas eles entenderam que é uma paixão e uma atividade que eu levei muito a sério, especialmente no que diz respeito ao cultivo”, explica. Domínguez comenta que começou a fumar maconha aos 17 anos com amigos, embora esporadicamente. Aos 23 anos, quando trabalhava em uma loja de materiais e acessórios para cultivos hidropônicos, conheceu uma pessoa que tinha autorização para plantá-la por razões médicas. “Ela me pediu que eu lhe desse uma mão”, conta. Desde 2001, a maconha medicinal é legal no Canadá.

Pouco a pouco, Domínguez foi acumulando conhecimentos. “Fui melhorando a forma de cultivá-la. Comecei a fazer testes e a combinar diferentes tipos. Também tive a oportunidade de conhecer outras pessoas interessadas no assunto, dentro e fora do Canadá”, diz. Como resultado, outros pacientes pediram que ele cuidasse de suas plantas. Em 2009, Domínguez sofreu um acidente que causou um problema nas pernas; também estresse pós-traumático. Um médico o autorizou a plantar sua própria maconha para aliviar as dores. Em 2017, ele e outros sócios obtiveram uma licença comercial para produzir cannabis terapêutica. No entanto, venderam a empresa um ano depois. Atualmente, além de seu trabalho como provador da AHLOT, Domínguez está à frente da assessoria CannaCopeia. Continua a plantar maconha, mas apenas para consumo pessoal.

Seu savoir-faire também lhe permitiu obter uma longa lista de prêmios. De fato, é o produtor particular de maconha mais laureado do Canadá (suas variedades ganharam 43 prêmios). Também deu sua opinião ao Journal de Montréal sobre os produtos disponíveis na Sociedade Quebequense de Cannabis. “Fiquei decepcionado com algumas compras que fiz nos primeiros dias depois da legalização. No entanto, voltei às lojas e a qualidade melhorou. Devemos ser pacientes”, ressalta. Deve ser lembrado que a maconha recreativa foi legalizada em solo canadense há menos de oito meses.

Alimentos à base de cannabis e resinas serão legais no Canadá em outubro. Domínguez acredita que o mercado de seu país tomará a mesma direção que o de alguns lugares dos Estados Unidos. “A maioria das vendas será de produtos derivados. Acho que a maconha para fumar será principalmente de alta qualidade”, explica esta espécie de faixa preta em ciências da cannabis.