Maconha

Já falta maconha no Canadá

A ‘Cannabis’ tem problemas de fornecimento poucos dias após sua legalização

Prateleiras com maconha nas lojas autorizadas, na maioria vazias.
Prateleiras com maconha nas lojas autorizadas, na maioria vazias.JP

Mais informações

No dia 17, quando a legalização da maconha para uso recreativo entrou em vigor no Canadá, as imagens de centenas de pessoas fazendo fila para comprar a erva correram o mundo. As filas já são mais curtas, mas a imagem que retrata melhor a situação atual é a das prateleiras nas lojas autorizadas: a maioria delas está vazia.

Renaud tem 28 anos e está a poucos metros de entrar em uma sucursal que a Sociedade Quebequense da Cannabis (SQDC) tem na rua Saint-Hubert de Montreal. “Espero ter melhor sorte aqui. Acabou toda a mercadoria na loja da rua Sainte-Catherine. Estou desapontado com esta falta de previsão”, conta. Dez minutos depois, Renaud só pode escolher entre três tipos de produto (dos 68 em catálogo): um spray oral, um frasco de Cannabis sativa da marca Atlantic Power e outro de Cannabis indica cultivada da empresa Hexo. Cerca de 70% da ampla variedade canábica na loja online da SQDC tem a mensagem: “Produto esgotado”.

Os problemas de abastecimento de maconha legal não ocorrem só na província de Quebec. Em Manitoba, apenas um dia depois da entrada em vigor da legalização, a Sociedade de Álcoois e Loteria — o organismo que controla a venda da erva — anunciou que uma de suas sucursais já ficou sem produtos e avisou que podem ocorrer situações semelhantes durante os próximos seis meses. Em New Brunswick, outra loja teve de suspender suas operações no sábado. Nessa província, a maioria dos óleos, comprimidos e cigarros se esgotou em dois dias, o que também aconteceu em quase todo o país.

Ontário, a província mais populosa, tem apenas um serviço de venda online, mas uma grande parte da clientela reclamou da falta de abastecimento de produtos. O mesmo ocorreu na Colúmbia Britânica.

Vários fatores explicam os problemas no fornecimento. A maioria das empresas que receberam uma licença governamental para cultivar a maconha recreativa já produziam a de uso terapêutico. No entanto, só 10% dos canadenses consomem Cannabis com fins medicinais. Os ciclos de cultivo não podem ser acelerados e, por sua vez, as empresas tiveram de cumprir com uma série de medidas de uma lei que foi proposta, aprovada e colocada em vigor em apenas um ano e meio.

Vic Neufeld, CEO da produtora Aphria, afirmou que haverá escassez de vários produtos durante “algum tempo”. A lei estipula que só se pode vender erva cultivada no Canadá e por empresas autorizadas. “Temos a obrigação de lidar somente com empresas que tenham obtido a aprovação do Ministério de Saúde do Canadá e dos organismos financeiros”, disse Mathieu Gaudreault, porta-voz da SQDC, ao EL PAÍS.

Algumas empresas de produção e de venda reconhecem que a demanda inicial ultrapassou suas previsões, mas garantem que a situação estará sob controle com o passar do tempo. “O sucesso foi maior do que previmos. Não é algo que possamos mudar da noite para o dia, mas tenho confiança de que em um futuro não muito distante as coisas se normalizarão”, disse à rede CBC Kaleigh Miller, porta-voz da Comissão de Jogos, Licores e Cannabis de Alberta.

Isabelle Robillard, diretora de comunicações da produtora Hexo, declarou ao jornal La Presse que a demanda foi três vezes maior do que se esperava durante os primeiros dias da legalização. Apesar disso, sua empresa continua reabastecendo seus estabelecimentos, acrescentou. Em julho de 2017, o Estado de Nevada viveu uma situação parecida, porque as autoridades subestimaram as compras nas lojas autorizadas quando começou a venda legal de Cannabis.

“Precisamos levar em conta que houve um efeito de curiosidade e novidade entre um setor da população. Com o passar dos dias, veremos que o número de pessoas nas lojas continuará diminuindo”, aponta Mathieu Gaudreault, da SQDC. Na quarta-feira, a sociedade estatal quebequense divulgou em um comunicado os resultados de sua primeira semana de operações: realizou 138.150 transações (tanto online como em lojas físicas). No documento, a SQDC aproveitou para ressaltar que a falta de maconha era por motivos alheios: “A oferta dos fornecedores e os limites do ciclo de produção causam, como previsto, uma escassez de nossos produtos”.

Enquanto isso, o Governo federal espera que os problemas com o fornecimento sejam resolvidos gradualmente. Bill Blair, ministro encarregado da segurança fronteiriça e do combate ao crime organizado, declarou à CBC que confia no sistema atual de produção por sua infraestrutura e seus projetos. Muitas das assinaturas que cultivam a erva receberam uma considerável injeção de capital nos últimos meses. De qualquer forma, o Ministério de Saúde do Canadá estuda dezenas de solicitações para conceder novas permissões de cultivo. O tempo avança e os consumidores podem ficar impacientes. Além disso, os cofres governamentais correm o risco de deixar escapar centenas de milhões de dólares em impostos. Por outro lado, as dificuldades no fornecimento são uma boa notícia para os grupos criminosos, problema já constatado pelos uruguaios.

Na saída da sucursal da SQDC da rua Saint-Hubert, Christopher, funcionário de uma empresa de informática, mostra a maconha que acabou de comprar. “Parece que será preciso ter paciência. A legalização tem apenas alguns dias, por isso é normal que existam estes problemas de fornecimento”, comenta. Christopher conseguiu a erva durante 10 anos por meio de uma pessoa de seu bairro, mas diz que já não será assim: “Prefiro comprá-la em lojas legais para que as lucros sejam investidos em serviços”.