Sai Coutinho, entra Griezmann: como o Barcelona se planeja para a próxima temporada

Depois de duas derrotas traumáticas na Champions e na Copa do Rei, a equipe catalã já busca reforços. De Ligt também deve chegar, enquanto Rakitic e Umtiti podem sair

Coutinho na final contra o Valencia.
Coutinho na final contra o Valencia.Getty
Mais informações

Ao concluir o final da Copa do Rei, na qual o Barcelona perdeu para o Valencia por 2 a 1, Philippe Coutinho caiu no gramado. Não se sabe se foi pela derrota ou porque seu joelho doía, pois precisou de assistência médica enquanto seus colegas lamentavam a derrota. Uma confusão, por parte do brasileiro, que se transformou em seu estilo de vida na Espanha.

Anunciado no dia 6 de janeiro, há mais de um ano, chegou como um herói e com a responsabilidade de ser a contratação mais cara na história do clube (120 milhões de euros fixos, mais 40 milhões em variáveis). Titular na escalação mas ausente em campo e criticado pela torcida por seu futebol, Coutinho pediu para deixar o clube faz pouco menos de três meses. Não se entendia com o Barça nem o clube com ele, porque não teve liga. Os catalães esperam vendê-lo por um preço que não ridicularize o enorme investimento feito. E outros deverão se juntar ao meia.

Mal faz um mês, o corpo diretivo tinha claro que Ernesto Valverde continuaria à frente do Barça por sua excelente convivência no vestiário e pela possibilidade de ganhar o triplete, composto dos títulos do campeonato espanhol, Copa do Rei e Liga dos Campeões. Agora não. Duas derrotas — especialmente a goleada contra o Liverpool — acabaram com as chances de título na Copa e na Champions e colocaram o treinador sob pressão. Entre outras coisas, porque a diretoria se preocupa em ignorar as críticas por manter um treinador quando já são muitas as vozes discordantes ao redor de sua figura. “Ernesto tem contrato”, ratificou o presidente Josep Bartomeu depois da derrota na final. “Não sabemos que ocorrerá com Ernesto”, dizem fontes da entidade. Com os jogadores está mais claro.

Além de Coutinho, o goleiro reserva Cillessen voltou a pedir sua saída do Barcelona, como fez na janela de transferências anterior sem sucesso porque não encontrou uma oferta satisfatória. A porta não é fechada para ele porque entendem seu desejo de jogar e porque seu comportamento foi exemplar, competente e amigo do titular Ter Stegen. Nada mudará na lateral direita, embora alguns membros do clube tenham pressa em dar chances ao jovem Wagué.

Alívio para Suárez

Existe a espera para que o zagueiro De Ligt, do Ajax, decida-se por Manchester United, Juventus, Bayern ou qualquer outra equipe que não seja o Barça, que ofereceu um contrato ao jogador, mas sem cumprir suas pretensões econômicas ou de minutos em campo. Algo complicado, porque Piqué e Lenglet formaram uma dupla tão sólida que o campeão mundial francês Umtiti acabou esquecido; este seguramente também se irá, por mais que ele tenha a insegurança a respeito de uma recente lesão no joelho. Também será contratado um lateral-esquerdo, para dar respiro ao titular Alba. Juan Miranda, revelação das canteras catalãs que seria o reserva da posição, deve ser emprestado assim como foi Marc Cucurella, que não deve voltar.

No meio-campo, De Jong, do Ajax, já foi contratado e o clube não pretende acrescentar mais peças porque conta com todos os demais, desde o experiente Vidal ao jovem Aleñá, embora com Rakitic exista uma exceção. Se Valverde continuar, ele também continua. Se o treinador sair, será vendido para fazer caixa. Riqui Puig, outro jovem da base, por sua vez, seguirá no Barcelona B mais um ano. Já o brasileiro Rafinha deve sair. Mais adiante, a ideia é contratar um atacante que faça sombra a Luis Suárez. “Alguém que possa atuar em qualquer lado do ataque e que saiba fazer gols”, explicam nos escritórios de Barcelona como se descrevessem Griezmann, um desejo do passado que não agradou à torcida e ao vestiário com a decisão de permanecer no Atlético na temporada passada, mas que agora já anunciou que não ficará em Madri.

O zagueiro Murillo e o meia Boateng, cedidos por empréstimo, não ficarão, ao mesmo tempo em que nenhum emprestado (Arda Turan, André Gomes, Denis Suárez…) retornará ao elenco do Camp Nou. Para Malcom, o clube ainda pretende dar mais um ano antes de avaliar se o brasileiro evolui ou não como jogador do Barcelona.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: