Estados Unidos

Chicago elege sua primeira prefeita negra e homossexual

Lori Lightfoot supera Toni Preckwinkle, também afro-americana, por quase 50 pontos

Lori Lightfoot, depois de divulgados os resultados eleitorais.
Lori Lightfoot, depois de divulgados os resultados eleitorais.KAMIL KRZACZYNSKI (AFP)

Acompanhada por sua esposa e sua filha, a democrata Lori Lightfoot, mulher negra de 56 anos, declarou sua vitória em Chicago nesta terça-feira dizendo que os eleitores tinham feito "história" ao criar um movimento pela mudança que proporcione solução para as altas taxas de criminalidade na cidade, a brutalidade policial e a corrupção endêmica. Mas não só por isso. Pela primeira vez, a cidade de Chicago elege uma mulher, negra e homossexual como prefeita.

Embora Lightfoot, ex-promotora federal e advogada de uma empresa importante, nunca antes tenha desempenhado um cargo eletivo, superou sua adversária, Toni Preckwinkle, também afro-americana, por uma ampla margem de quase 50 pontos, 74% contra 26% dos votos.

MAIS INFORMAÇÕES

A campanha foi dura e com muitas acusações. Nem 30% do 1,5 milhão de moradores registrados foram às urnas, ainda menos que os 34% que votaram no primeiro turno, em fevereiro, do qual participaram 14 candidatos. Lightfoot sucederá a Rahm Emanuel, que em setembro convulsionou a política municipal de Chicago ao anunciar que não concorreria a um terceiro mandato. A permanência na Prefeitura do ex-chefe de Gabinete de Barack Obama foi muito afetada por um caso de violência policial que definiu o restante de sua carreira como prefeito.

Em 2014, um policial branco matou com 16 disparos pelas costas um adolescente afro-americano. O prefeito resistiu a divulgar o vídeo que mostrava o ataque brutal e foi acusado pelos líderes da comunidade negra de encobrir o crime. O policial está atualmente cumprindo uma sentença de quase sete anos de prisão pelo crime de homicídio em segundo grau.

"Estamos enfrentando interesses poderosos", disse Lightfoot em seu discurso de vitória em um hotel de Chicago. "Quando começamos nossa campanha, ninguém confiava em nossas possibilidades. Agora, vejam aonde chegamos”, acrescentou a prefeita eleita, que prometeu pôr "os interesses de todos os moradores da cidade acima dos interesses de uns poucos privilegiados."

Preckwinkle, 71 anos, faz parte da máquina do partido democrata e atualmente é a executiva-chefa do Condado de Cook, que abrange a cidade de Chicago, o que pesou contra ela, segundo analistas, já que os eleitores têm procurado romper com o establishment político, fartos da violência e da corrupção. "Este pode não ser o resultado que queríamos, mas, mesmo que me decepcione, não estou desanimada", disse Preckwinkle ao admitir a derrota para Lightfoot. "Esta é claramente uma noite histórica porque não muito tempo atrás duas mulheres afro-americanas em um segundo turno para a prefeitura seria algo impensável", acrescentou.

Os eleitores deixaram claro que querem que o próximo prefeito aborde os principais problemas que afligem a cidade de 2,7 milhões de habitantes, especialmente as disparidades econômicas e a violência com armas de fogo, que causa mais mortes do que em outras grandes cidades nos Estados Unidos. Mais de 550 pessoas foram mortas em Chicago no ano passado pela violência de gangues, muitas vezes alimentada pelo narcotráfico, principalmente em bairros negros e com dificuldades econômicas.