Seleccione Edição
Login

Emilia Clarke: “Cheguei a pedir aos médicos que me deixassem morrer”

Atriz que interpreta Daenerys Targaryen, de ‘Game of Thrones’, revela que sofreu dois aneurismas depois da primeira temporada da série, num artigo para a ‘The New Yorker’

A atriz Emilia Clarke, de 32 anos, revelou ter sofrido dois aneurismas após gravar a primeira temporada de Game of Thrones. A atriz que interpreta Daenerys Targaryen na bem-sucedida série da HBO escreveu um artigo em primeira pessoa na revista The New Yorker no qual relata que, justo quando começava a realizar seu sonho de ser uma atriz famosa, quase perdeu a consciência, primeiro, e depois a vida. “Nunca contei em público esta história, mas este é o momento”, diz no início de seu depoimento.

Ela conta que tudo começou ao final das gravações da primeira temporada de Game of Thrones, no princípio de 2011. “Estava aterrorizada. Aterrorizada pela atenção, por um negócio que pouco entendia, por honrar a confiança que os criadores de GoT tinham me dedicado. Eu me senti, em todos os sentidos, exposta. No primeiro episódio apareci nua, e a partir daí sempre me fiz a mesma pergunta: ‘Você faz o papel de uma mulher forte e, entretanto, tira a roupa. Por quê? Quantos homens devo matar para demonstrar minha valentia?’” Uma situação que, somada à pressão de ver como virava um exemplo a seguir – “As jovens se vestiam com perucas loiras platinadas e túnicas para serem a Daenerys” –, lhe causou muito estresse. Para aliviá-lo, conta, decidiu trabalhar com um personal trainer e, durante uma sessão com ele, começou a passar mal. “Senti como se uma cinta elástica apertasse o meu cérebro. Tentei ignorar a dor, mas não consegui. Disse ao meu treinador que tinha que fazer um descanso.”

“Quase me arrastando, cheguei ao vestiário. Entrei no banheiro e me ajoelhei, com náuseas. Enquanto isso, a dor me perfurava a cabeça cada vez mais. Sabia o que estava acontecendo: meu cérebro estava afetado”. Uma mulher a descobriu nesse estado e chamou uma ambulância. “Ela veio me ajudar, e então tudo se tornou impreciso. Lembro-me do som de uma sirene, uma ambulância; escutei novas vozes, alguém dizendo que meu pulso era fraco, enquanto eu vomitava bílis. Alguém encontrou meu telefone e ligou para os meus pais.”, conta.

“Uma nuvem de inconsciência pousou sobre mim. Como ninguém sabia o que estava acontecendo comigo, os médicos e as enfermeiras não podiam me administrar medicamentos para aliviar a dor. Finalmente me fizeram uma ressonância magnética, uma exploração do cérebro. O diagnóstico foi rápido e sinistro: uma hemorragia subaracnoidea (SAH, na sigla em inglês), um tipo de acidente cerebrovascular potencialmente mortal, causado por uma hemorragia no espaço rodeia o cérebro. Tive um aneurisma, uma ruptura arterial”, relata a atriz. “Como soube mais tarde, aproximadamente um terço dos pacientes com SAH morrem imediatamente ou pouco depois. Os pacientes que sobrevivem exigem tratamento urgente para selar o aneurisma, já que existe um risco muito alto de uma segunda hemorragia, frequentemente mortal. Se quisesse sobreviver e evitar sequelas terríveis, tinha que me submeter a uma cirurgia urgente.”

Emilia Clarke em uma cena de 'Game of Thrones'. ampliar foto
Emilia Clarke em uma cena de 'Game of Thrones'.

Clarke foi levada ao Hospital Nacional de Neurologia e Neurocirurgia de Londres. A princípio, uma operação não estava nos seus planos. “Nesse momento minha vida estava muito ocupada, não tinha tempo para a cirurgia cerebral”, pensou, mas finalmente aceitou e se submeteu a uma intervenção de três horas. “Esta não seria minha última cirurgia, e não seria a pior. Tinha 24 anos”, escreve.

“Quando despertei, a dor era insuportável. Não sabia onde estava. Tinha um tubo na garganta e estava ressecada e com náuseas. Tiraram-me da UTI depois de quatro dias e me disseram que o grande obstáculo era superar as duas primeiras semanas. Se conseguisse isso sem complicações, era possível uma boa recuperação. Uma noite, depois de ter passado dessa marca das duas semanas, uma enfermeira me acordou e, como parte de uma série de exercícios cognitivos, perguntou-me como me chamava. Meu nome completo é Emilia Isobel Euphemia Rose Clarke. Mas não conseguia recordá-lo. Da minha boca saíam palavras sem sentido algum, e entrei em pânico. Nunca tinha experimentado um medo como esse. Podia ver minha vida passar na minha frente, e não valia a pena vivê-la. Sou atriz, preciso decorar meus textos, e agora não conseguia lembrar nem meu nome”, detalha em seu relato sobre a afasia que sofreu. “Em meus piores momentos, cheguei a pedir aos médicos que me deixassem morrer. Meu trabalho e todos os meus sonhos estão centrados na linguagem e na comunicação. Sem isso, estava perdida.”

Aproximadamente uma semana depois, Clarke voltou a sair da UTI. Já sabia falar e recordava seu nome. Um mês depois teve alta do hospital. “Retomei a minha vida, mas, enquanto estive no hospital, me avisaram que tinha um aneurisma menor no outro lado do cérebro e que podia romper-se a qualquer momento. Os médicos disseram que era pequeno e que era possível que permanecesse inativo e inofensivo indefinidamente. Só tínhamos que vigiá-lo com cuidado.”

A atriz conta que a promoção da série foi muito intensa e que antes de começar a gravar a segunda temporada de Game of Thrones ela continuava muito insegura. “Tomava morfina entre uma entrevista e outra. A dor continuava lá, e sentia um cansaço como que multiplicado por um milhão. Lembro-me de ter pensado: ‘Não posso pensar e mal consigo respirar, e muito menos ser encantadora”.

Emilia Clarke no Oscar 2019. ampliar foto
Emilia Clarke no Oscar 2019.

A intervenção seguinte, por causa do segundo aneurisma, ocorreu ao final da terceira temporada, em 2013. Quando a gravação terminou, a atriz se envolveu totalmente em um espetáculo na Broadway. Estando em Nova York para uma destas representações, foi a uma das revisões cerebrais que já fazia de maneira regular. “O volume do outro lado do meu cérebro tinha crescido muito, seu tamanho duplicou, e o médico disse que era preciso ‘cuidá-lo’. Prometeram-me uma operação relativamente simples, mais fácil que da última vez.”

O procedimento da primeira vez foi repetido, mas usando uma técnica nova. Os resultados não foram bons. “Quando me despertaram, eu gritava de dor. O procedimento tinha falhado. Tive uma hemorragia maciça, e os médicos me disseram que minhas chances de sobreviver eram escassas se não voltassem a me operar. Desta vez precisavam acessar meu cérebro da maneira tradicional, através do crânio. E a operação tinha que ser feita imediatamente”, detalha a atriz em seu relato.

“A recuperação foi ainda mais dolorosa do que tinha sido depois da primeira cirurgia. Parecia que tinha passado por uma guerra mais espantosa que qualquer uma das que Daenerys experimentou. Saí da operação com um dreno saindo da minha cabeça”, explica. “Agora não se vê a cicatriz que me percorre o couro cabeludo até o ouvido, mas no começo eu achei que seria visível.” Clarke conta que sua maior preocupação eram as possíveis sequelas cognitivas e sensoriais. “Afetaria minha concentração? A memória? A visão? Hoje digo às pessoas que o que isso me fez foi perder o bom gosto para homens. Mas nada disto parecia divertido naquele momento”, brinca. Depois de outro mês internada, recebeu alta e, passado um tempo, recuperou a esperança.

Com esse testemunho que publica pela primeira vez, a atriz quer agradecer toda a atenção e ajuda que recebeu durante este tempo e dar visibilidade a uma doença grave e importante. A atriz de Game of Thrones atualmente dedica parte de seu tempo a uma organização beneficente do Reino Unido e Estados Unidos. “Chama-se SameYou , e tem como objetivo oferecer tratamento às pessoas que se recuperam de lesões cerebrais. Agradeço à minha mãe, ao meu irmão, a meus médicos e enfermeiras, aos meus amigos. Todos os dias sinto falta do meu pai, que morreu de câncer em 2016 e a quem nunca poderei agradecer o suficiente por ter segurado minha mão até o final”, escreve a atriz, que finaliza seu texto tranquilizando a seus admiradores: “Agora estou cem por cento”.

MAIS INFORMAÇÕES