Seleccione Edição
Login

Vinicius Junior: “Me vejo ganhando a Bola de Ouro aos 25 ou 26 anos”

O jovem atacante do Real Madrid admite, aos 18, que tudo está acontecendo “depressa demais” desde a sua chegada à Europa e que fica “ansioso” na frente do gol

Vinicius Jr Bola de Ouro
Vinicius Junior em partida contra o Valencia. Getty

O jogador Vinicius Junior, de 18 anos, do Real Madrid, admitiu que sofre “um pouco de ansiedade quando o gol não chega”, apesar da sua grande irrupção no futebol espanhol. “Eu me sinto bem, estou melhorando e em pouco tempo vou voltar. Ninguém sabe quando voltarei, mas estou trabalhando muito bem para que seja o quanto antes”, disse Vinicius em declarações ao programa El Larguero, da rádio espanhola Cadena SER. “Naquele dia da lesão tive lágrimas de impotência e de dor (...). Pensei em tudo e em que estava perdendo minha primeira convocação para a seleção brasileira.”

“Tudo está acontecendo muito depressa para mim. Até o Casemiro e Marcelo falam comigo me dizendo que tudo está indo muito rápido, cheguei com 18 anos e comecei a jogar. Ninguém quando saí do Brasil achava que eu jogaria o que joguei nestes últimos seis meses”, comentou o brasileiro, revelando que o Barcelona manifestou interesse por ele antes e estava disposto a “pagar mais”, mas que ele preferiu o Real “porque é o melhor”.

Ao voltar da lesão, não será Santiago Solari quem estará no banco, e sim Zidane. “Não me preocupa, Zizou foi um grandíssimo jogador e é um grande treinador. Todos o conhecem na equipe. Vai trabalhar bem, e treinar com Zidane é uma honra. Vi pouco do seu futebol, não lembro nada, mas agora vejo os vídeos e era incrível”, comentou.

“Casemiro me diz isso, que quando fala com ele fica um pouco nervoso pelo que Zidane impõe. Sim é diferente (de Lopetegui), porque é uma lenda, jogou muito, ganhou tudo e é especial. O vestiário está bem, com vontade de terminar bem a temporada e voltar muito bem para a próxima. Agora competimos contra nós mesmos para que na próxima temporada possamos voltar melhor e ganhar tudo”, disse.

Vinicius, que está “muito feliz” na capital da Espanha, salientou que optou pelo Real Madrid “para estar entre os melhores do mundo”. “O melhor do mundo sou eu”, disse entre risos. “Atualmente Neymar é de quem eu mais gosto. Eu gostaria de jogar com ele. No Madrid não sei, mas na seleção jogaremos juntos dentro de pouco tempo. Seu futuro aqui? Eu não falo de jogadores que não estão no Real Madrid”, acrescentou.

“Vejo-me ganhando a Bola de Ouro, não sei com quantos anos, mas com 25 ou 26 estaria bom ganhá-la. Não é fácil, mas com essa idade estarei fazendo as coisas muito bem.” Neste sentido, o brasileiro sabe que ainda precisa corrigir aspectos de seu jogo para ter chances. “Tenho que melhorar a finalização. Fico ansioso quando o gol não chega. Temos um pouco de ansiedade, mas trabalhamos muito isso”, admitiu.

“Enfrento pressão desde que comecei a jogar no Flamengo, e depois de assinar com o Madrid muito mais. Mas estou tranquilo e só escuto a minha família, não escuto mais ninguém. Dentro de campo não sinto essa pressão. Quero jogar ao lado dos melhores, e isso me deixa mais tranquilo. Destaco minha personalidade acima do drible ou de outra coisa técnica”, descreveu Vini.

Em apenas nove meses no Real Madrid, Vinicius já teve três treinadores, e por um deles nutre um “carinho maior”. “É o treinador que me deu a chance de jogar, tenho um carinho maior por Solari porque desde minha chegada a Madri – quando ia jogar no Castilla [time B do Real Madrid] – ele sempre me dizia que se jogasse bem teria a opção de chegar à equipe principal.”

“Uns meses depois, cheguei à primeira equipe e me deu a oportunidade que sempre me dizia. Não voltamos a nos falar depois da sua despedida”, disse Vinicius, que não perdeu a paciência apesar de ter passado os primeiros meses jogando na filial madridista. “Sabia que passaria por isso, e os colegas do Castilla ajudaram muito na minha adaptação. Do Lopetegui me doeu seu adeus, foi meu primeiro técnico na Europa, e também me ajudou muito na pré-temporada.”

MAIS INFORMAÇÕES