Wolfgang Streeck: “É preciso quebrar o euro, e logo”

“O ‘crash’ do Lehman Brothers pode se repetir a qualquer momento”, prevê o sociólogo

O sociólogo alemão Wolfgang Streeck, na Fundação Ramón Areces, em Madri.
O sociólogo alemão Wolfgang Streeck, na Fundação Ramón Areces, em Madri.Jaime Villanueva
Mais informações

Terno cinza, camisa escura e fala tranquila, quase monocórdica: à primeira vista não há absolutamente nada que leve a crer que o intelectual alemão Wolfgang Streeck seja um dos maiores pessimistas do Atlântico Norte. Salvo talvez um discreto bigode pessoano, que antecipa o desassossego deixado por uma hora de conversa com ele: um ar de praga de úlceras com o que vai acumulando fatos e conjeturas para concluir que o capitalismo está a caminho do desastre. O título de seu último livro é sua melhor carta de apresentação: em How Will Capitalism End? (“como acabará o capitalismo?”), ele conclui, em um tom de Antigo Testamento, que a credibilidade das instituições democráticas está desabando, e que a social-democracia – na qual militou – fracassou miseravelmente. Estranha mistura de agudo analista, moralista e profeta, o sociólogo de cabeceira do prestigioso Instituto Max Planck argumenta que será preciso destruir o euro e que a fuselagem do sistema financeiro corre o risco de desmoronar. “O crash do Lehman Brothers pode se repetir a qualquer momento”, vaticina com um fatalismo sem fissuras.

Streeck esteve na quinta-feira passada em Madri para participar de um ciclo de conferências organizado pela Fundação Ramón Areces. O público (e o entrevistador) saíram lívidos: a Grande Crise é “um fracasso do sistema e das ideias que o sustentavam”, “um mal-entendido geral para o qual talvez não haja solução hoje”.

Pergunta. Desde Marx ouvimos falar do final do capitalismo, mas o apocalipse quase sempre frustra seus profetas. Por que será diferente desta vez?

Resposta. Não digo que o capitalismo vá explodir em pleno voo. Digo que o sistema se colocou num limbo e está em franca decadência. A governabilidade do capitalismo democrático, tal como a conhecemos nos anos sessenta, desapareceu. A hiperglobalização neoliberal o tornou intratável. O bipartidarismo está zumbi, a mistura de incerteza e medo está abalando nossas sociedades, e a prova é a aparição de novos partidos que desafiam abertamente a erroneamente chamada ordem liberal. Os Estados se colocaram em formidáveis crises fiscais, e a combinação com níveis de desigualdade lacerantes e endividamentos formidáveis deixou os Estados sem ferramentas. Diferentemente do que ocorre com os acidentes aéreos, as crises se tornaram mais frequentes, não menos: talvez porque o avião seja muito perigoso. O mal-estar é geral.

P. Talvez parte desse mal-estar esteja mais baseado em percepções que em fatos: a expectativa de vida está em seu nível máximo, milhões de pessoas saem da pobreza.

R. Não sou um pessimista irredutível: o que defendo é que a credibilidade das instituições desmorona, e isso não tem nada a ver com a expectativa de vida. Veja, na história do capitalismo as crises se sucederam. A novidade é que agora essas crises se sobrepõem e se reforçam mutuamente. Com um sistema financeiro fora de controle, o casamento do pós-guerra entre capitalismo e democracia vai rumo ao divórcio.

P. Quando chegaria então o estrondo definitivo?

R. Estamos em um limbo: talvez não vejamos um crash, mas sim uma decadência mais ou menos rápida, conforme funcionem ou não as ideias que ocorrerem a Governos e bancos centrais para salvar match points. Vamos para um longo período de improvisações que podem chegar a ser muito arriscadas, e em último termo nefastas.

“Não entendo isso, acordem”, diz sobre a admiração a Merkel na Espanha

P. O “custe o que custar” de Draghi foi uma dessas ideias? A compra de bônus não era imprescindível? O que você teria feito?

R. Eu não sou Draghi, nem trabalhei no Goldman Sachs. O Banco Central Europeu é um bicho esquisito: precisa dar uma receita única para países muito diferentes, não presta contas a ninguém e acabou derrubando Governos, como vimos na Grécia e na Irlanda, ou enviando cartas a primeiros-ministros para que fizessem reformas, como vimos na Espanha e Itália. A montanha de dívida que tínhamos não sumiu; continua aí. Os economistas que mais sabem de bancos dizem que o sistema continua fora de controle, e que a qualquer momento pode haver outro Lehman.

P. A zona do euro resistiu.

R. A Espanha continua com um desemprego de 15% uma década depois do Lehman. A Itália está a caminho de uma terceira recessão. A saída da crise da Grécia é uma piada. Há sacudidas políticas – novos movimentos e partidos – em toda a Europa: os coletes amarelos na França são a expressão desse Estado do mal-estar. As péssimas expectativas das pessoas, conscientes de que esta geração viverá pior que seus pais, estão se decantando na forma de potenciais conflitos políticos e uma enorme instabilidade. É preciso quebrar o euro, e logo.

P. Como é?

R. O euro foi um erro colossal.

P. O custo de destruí-lo não é para pensar duas vezes?

“O euro é um regime monetário para favorecer a Alemanha e seus exportadores”

R. Vocês mesmos [europeus] se encurralaram, puseram uma camisa de força. Sair do euro será custoso em curto prazo, mas em longo prazo seria inclusive mais custoso continuar nele. A Europa do sul sai muito prejudicada do desenho da zona do euro: o euro é um regime monetário para favorecer a Alemanha e seus exportadores. É um experimento de autodestruição: resta ver quando países como a Itália e a Espanha perceberão isso. É um padrão ouro inclusive mais rígido que o de um século atrás.

P. Nem sequer os gregos no auge da crise quiseram sair.

R. Não há como se recuperar de uma crise profunda e desinflar essas gigantescas bolhas com desvalorizações internas que impõem cada vez mais austeridade, como receitou Merkel a toda a Europa, se não forem acompanhadas de um forte crescimento, que não está aí; de inflação, que não é esperada; ou de reestruturações de dívida, que Merkel não permitirá. Sem nada disso à vista, é preciso acompanhar as desvalorizações internas com uma desvalorização externa, da moeda; com o euro, isso é impossível. É preciso renacionalizar a política econômica para ter um pouco de tração.

P. Apesar dessa análise, Merkel é admirada na Espanha.

R. Não entendo isso. Acordem.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: