Brumadinho: as últimas notícias sobre o rompimento de barragem da Vale

Número de mortes na tragédia chega a 179, mas buscas por 131 pessoas desaparecidas continuam

Interior de um escritório da Vale em Brumadinho, tirada 20 dias após o rompimento da barragem.
Interior de um escritório da Vale em Brumadinho, tirada 20 dias após o rompimento da barragem.DOUGLAS MAGNO (AFP)
Mais informações
A dura rotina de Daisy, Vinicius e Selmo na linha de frente das buscas
Imagens mostram momento do rompimento da barragem da Vale

A tragédia provocada pelo rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG) ainda mobiliza uma intensa operação de buscas pelos desaparecidos. Balanço divulgado em 25 de fevereiro pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil de Minas Gerais, quando a tragédia completou um mês, aponta que foram encontrados 179 corpos, mas 131 pessoas continuam desaparecidas. A barragem 1 de rejeitos de minério de ferro da Mina do Feijão rompeu no início da tarde do dia 25 de janeiro, uma sexta-feira, deixando um rastro de destruição e mortes no município, que fica na região metropolitana de Belo Horizonte e tem cerca de 36.000 habitantes.

Além das mortes causadas, o tsunami de rejeitos de minério de ferro soterrou casas, pousadas e sítios, atingiu o rio Paraopeba (um dos afluentes do rio São Francisco), e provocou danos ambientais tão graves quanto os gerados pelo desastre de Mariana (2015).

Os destaques da cobertura da tragédia da Vale:

As últimas notícias de Brumadinho:

Marina Novaes

O que fazer quando empresas matam

Países têm o desafio de fazer com que grandes corporações, com receitas muitas vezes superiores a PIBs, respeitem os direitos humanos e sejam punidas por suas violações. Legislações, tratados e convenções focam na penalização de Estados e indivíduos. Reportagem de Regiane Oliveira: http://cort.as/-FBE-

Marina Novaes
Marina Novaes

Um mês de luto sem corpo em Brumadinho

Há um mês a auxiliar de cozinha Paloma da Cunha, de 22 anos, não consegue parar de rebobinar em sua cabeça as lembranças do tsunami de lama produzido após o rompimento da barragem I da mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho. A enxurrada de rejeitos da mineradora Vale engoliu sua casa, levando embora o marido, o filho de 1 ano e 6 meses, a irmã de 13 anos e o futuro como ela tinha imaginado. Paloma foi a única da residência que sobreviveu. A reportagem é de Heloísa Mendonça, enviada especial a Brumadinho: http://cort.as/-FBB9

Até 25 de fevereiro, quando a tragédia causada pela Vale em Brumadinho completou um mês, 179 mortes haviam sido confirmadas, mas os bombeiros continuavan a procurar pelos corpos de 131 pessoas desaparecidas, entre elas, o do filho de Paloma. "O meu bebê Heitor ainda não foi encontrado, eu fico ligando para saber notícias, mas até agora nada".

Crédito da Foto: Douglas Magno

Marina Novaes
Marina Novaes

A tragédia da Vale em Brumadinho completa três semanas nesta sexta-feira e as buscas pelos desaparecidos continuam. De acordo com o mais recente balanço divulgado pelas autoridades, o número de mortes confirmadas chega a 166, sendo que 160 corpos foram identificados, mas 155 pessoas seguem desaparecidas.

Na imagem, o interior de um escritório da mineradora atingido pelo tsunami de rejeitos. http://cort.as/-EpvQ

Foto: Douglas Magno/AFP  

Marina Novaes
Marina Novaes

Último balanço da Defesa Civil, divulgado nesta sexta-feira, mantém os números de 157 corpos localizados, sendo 6 vítimas ainda não identificadas.

Nesta sexta também, os bombeiros divulgaram um balanço das operações de resgate, que continuam sem prazo para acabar:

Marina Novaes
Rodolfo Borges

O número de mortos confirmados na tragédia de Brumadinho subiu para 157 nesta quinta-feira. Seguem desaparecidas 182 pessoas, de acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais

Rodolfo Borges
Marina Novaes

Na entrevista em conjunto com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil, a Polícia Civil pediu que as famílias das vítimas ainda não identificadas ou localizadas procurem as autoridades em Brumadinnho para levar material genético que possa ajudar na identificação dos corpos. Dos 150 mortos resgatados sob a lama de rejeitos, 134 foram identificados.

 

Marina Novaes
Marina Novaes

Número de mortes confirmadas chega a 150

A Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmaram, no início da tarde desta quarta-feira, 6 de fevereiro, que o número de corpos resgatados já chega a 150. Desses, 134 vítimas já foram identificadas, mas 182 pessoas continuam desaparecidas.

Apesar da chuva forte que atinge Brumadinho, as buscas continuam. Entretanto, o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, admitiu que o mau tempo prejudica o trabalho aéreo e atrasa a operação de resgate. Ainda segundo Aihara, tarefas que levariam quatro ou cinco horas estão levando o dobro do tempo devido à baixa visibilidade. Por isso, a força-tarefa vai discutir em uma reunião nesta quinta-feira as novas estratégias que podem ser usadas para a localização dos corpos que continuam soterrados.

O porta-voz dos bombeiros também explicou que os corpos localizados entre esta terça e quarta foram encontrados entre a área do vestiário da sede administrativa da Vale e o estacionamento, onde a operação tem centrado forças.

 

 

Marina Novaes
Marina Novaes

Inspeção apontou problemas, mas laudo de segurança foi emitido mesmo assim

Dois relatórios de inspeção da barragem da mina do Feijão realizados cinco meses antes de a estrutura ruir por completo apontaram problemas na estrutura. Ainda assim, os engenheiros responsáveis pelas avaliações, obtidas pelo EL PAÍS, não consideraram os problemas graves o suficiente para comprometer a barragem e acabaram por atestar sua segurança. Nesta terça-feira, três engenheiros responsáveis pelos laudos e dois executivos da Vale que regulavam o licenciamento e monitoravam o funcionamento da barragem foram colocados em liberdade por uma decisão liminar (provisória) do Superior Tribunal de Justiça. Leia na reportagem de Beatriz Jucá.

http://cort.as/-EYq0

Marina Novaes
Marina Novaes

As buscas pelos desaparecidos na tragédia da Vale continuam nesta quarta-feira, 6 de fevereiro, 13º dia de operações de resgate. O último balanço oficial do Corpo de Bombeiros ainda estima em 134 o total de corpos resgatados, mas dados publicados na Vale na noite de terça-feira, 5 de fevereiro, apontam que já foram resgatados os corpos de 142 vítimas (citando informações da Defesa Civil).

Marina Novaes
Talita Bedinelli

Nova atualização sobre operação em Brumadinho

Vítimas: Óbitos: 134 Identificados – 120 Desaparecidos – 199 Localizados - 394

Efetivo: Total do efetivo: 412 Militares empenhados do CBMMG: 204 Militares da Força Nacional: 64 Bombeiros militares de outros estados: 104 Voluntários: 37

Empenho da Força Nacional: Os militares da Força Nacional estão empenhados em buscas com equipes mistas do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais e outros estados em várias regiões.

Logística: Máquina anfíbia – 3 (equipamento que transita tanto na água quanto na terra); Retroescavadeira e escavadeira – 12 Previsão total de 15 máquinas em operação

Aeronaves: 9 Cães: 14  

Talita Bedinelli
Marina Novaes

Bombeiros divulgam balanço mais recente da operação de resgate em Brumadinho:

Marina Novaes
Marina Novaes

Número de mortes chega a 134

A Defesa Civil de Minas Gerais confirmou, no início da tarde desta segunda-feira, que foram localizados 134 corpos de vítimas do rompimento da barragem da Vale. Outras 199 pessoas continuam desaparecidas. O Corpo de Bombeiros admitiu que está ficando cada vez mais difícil de localizar os restos mortais das vítimas do desastre, mas as buscas continuam no local.

Segundo o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, a operação deve levar ainda muito tempo para ser concluída.

"Questão de quantidade de corpos vai diminuir mesmo. Com relação a tempo de operação, vai durar meses certamente. Em Mariana, que teve um número muito menor de corpos, ficamos três meses e aqui a gente pretende operar por esse tempo. A gente só vai parar quando for impossível fazer um resgate de corpos", disse Aihara, segundo o jornal O Estado de Minas.

Marina Novaes
Marina Novaes

“Durante a operação não é cada um por si”: um dia com os bombeiros em Brumadinho

“Durante a operação não é cada um por si, mas todo mundo olhando todo mundo”, diz o capitão Farah, comandante da Companhia Operacional de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.

http://cort.as/-EV_Z

Fotos: Douglas Magno . Reportagem: Heloísa Mendonça

Marina Novaes
Marina Novaes

A dura rotina de Daisy, Vinicius e Selmo na linha de frente das buscas em Brumadinho

EL PAÍS seguiu três integrantes dos bombeiros de Minas que há nove dias mergulham na lama da barragem da Vale para tentar encontrar os desaparecidos. "Estamos preparados, mas não acostumados. Ninguém nunca vai se acostumar". Leia a reportagem exclusiva de Heloísa Mendonça, que acompanhou os trabalhos de resgate no sábado. http://cort.as/-EV_D

Foto: Douglas Magno

 

Marina Novaes
Marina Novaes

Os bombeiros ainda buscam 226 pessoas que continuam desaparecidas. No início da manhã desta segunda-feira, 4 de fevereiro, as buscas foram suspensas devido a chuva forte, mas foram retomadas no final da manhã.

Marina Novaes
Marina Rossi

As entrevistas coletivas da Defesa Civil que, até hoje eram realizadas por volta do meio dia e novamente no final da tarde, agora serão feitas uma vez a cada dois dias. Os oficiais, portanto, voltarão a falar com a imprensa na segunda-feira. Todo o trabalho de buscas e resgate continua.

Marina Rossi
Marina Rossi

Em entrevista coletiva agora, o tenente Pedro Aihara negou que os bombeiros reduziriam o efetivo ou encerrariam as buscas. "O corpo de bombeiros permanecerá, até que o último corpo seja entregue aos familiares das vítimas, ou então até o momento em que a recuperação de corpos se torne inevitável do ponto de vista fático, considerando a questão da decomposição da matéria orgânica", disse. "Até que esse momento seja atingido, ou até que o corpo de bombeiros entregue o último corpo, nós não emcerraremos a nossa operação".

Marina Rossi
Marina Rossi

Defesa Civil informa novas atualizações aqui em Brumadinho: 121 mortos e 226 desaparecidos. 

Marina Rossi
Marina Rossi

Neste sábado, 294 militares trabalham no resgate em Brumadinho. A estrutura inclui 15 aeronaves, 22 cães farejadores e seis drones.

Marina Rossi
Marina Rossi

Na mdarugada de hoje, 60 bombeiros da Força Nacional de Segurança Pública foram enviados a Brumadinho para ajudar nas buscas por mortos e desaparecidos. Eles começarão o trabalho no domingo.

Crédito da imagem: FNSP/MJSP

Marina Rossi

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS