Johnson & Johnson afunda na Bolsa após relatório a acusar de saber há anos sobre fibras cancerígenas em talco

Multinacional cai 10% em Wall Street em meio a uma onda de processos pelos componentes de seus produtos

Embalagem do talco de bebê Johnson's fabricado pela Johnson and Johnson.
Embalagem do talco de bebê Johnson's fabricado pela Johnson and Johnson. (AFP)

As ações da Johnson & Johnson, o gigante dos produtos de higiene e de farmácia, despencaram 10% na sexta-feira em Wall Street. A enorme queda das ações veio após a Reuters publicar que a empresa sabia há quarenta anos que seus talcos em pó estavam contaminados por amianto, algo que a J&J desmentiu diversas vezes. A vaca sagrada da empresa, que significou milhares de processos por casos de câncer de ovário, volta a atingir a empresa, dessa vez apagando 40 bilhões de dólares (156 bilhões de reais) da capitalização de mercado. A J&J afirma que a matéria publicada pela agência nos Estados Unidos é unilateral e falsa.

MAIS INFORMAÇÕES

A informação da agência, baseada em memorandos e relatórios confidenciais da empresa, afirma que a J&J sabia da presença de pequenas quantidades de asbesto em seus produtos desde 1971. A multinacional se submeteu a vários julgamentos coletivos por parte de mulheres que dizem ter sido vítimas da fibra cancerígena e acumula 10.000 processos ainda pendentes relacionados especialmente ao seu produto Johnson’s Baby Powder. Em meio às batalhas legais e com o relatório da Reuters, a empresa protagonizou a maior queda porcentual na bolsa nos últimos 16 anos.

A Reuters também publica que a empresa encomendou e pagou os estudos realizados em sua franquia Baby Powder. “Qualquer sugestão de que a Johnson & Johnson soubesse e ocultasse informações sobre a segurança do talco é falsa”, disse a empresa.

Há alguns meses a maior autoridade sanitária dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), realizou um estudo com amostras do produto em que não detectou presença do amianto. Isso não impediu, entretanto, que um júri em Saint Louis (Missouri) ordenasse em julho que a empresa pagasse 4,69 bilhões de dólares (18 bilhões de reais) a 22 mulheres e suas famílias, que a responsabilizaram por ficarem doentes após utilizar o produto para bebês. A empresa apelou da sentença.

No ano passado um tribunal de Los Angeles também condenou a multinacional a pagar 417 milhões de dólares (1,6 bilhão de reais) a uma mulher que desenvolveu câncer de ovários após usar durante anos o talco em pó. A condenação afirma que a J&J não alertou adequadamente sobre o risco de câncer associado ao uso de produtos. A empresa apelou com sucesso da sentença. “A ciência venceu”, disse à época Bart Williams, advogado do gigante farmacêutico. Hoje em Wall Street venceu o ceticismo dos investidores.

Johnson & Johnson diz que talco é seguro e não contém amianto

Em nota enviada ao EL PAÍS, a empresa afirmou que a matéria publicada pela Reuters nos Estados Unidos é unilateral e falsa. Leia a nota na íntegra:

O talco para bebês da Johnson & Johnson é seguro e não contém amianto. Estudos com mais de 100 mil homens e mulheres mostram que o talco não causa câncer ou doenças relacionadas ao amianto. Milhares de testes independentes realizados por órgãos reguladores e laboratóriós de pesquisa de referência mundial provam que nosso talco para bebês nunca conteve amianto.

A reportagem da Reuters está incorreta em três pontos centrais:

  1. A matéria ignora que milhares de testes realizados pela J&J, por órgãos reguladores, por laboratórios independentes e instituições acadêmicas mostraram repetidamente que nosso talco não contém amianto.
  2. A matéria ignora que a J&J cooperou totalmente e abertamente com a agência reguladora americana (Food and Drug Administration – FDA) e outros órgãos reguladores, fornecendo aos mesmos todas as informações solicitadas ao longo de décadas. Nós também disponibilizamos as nossas minas de talco cosmético e o nosso talco processado aos órgãos reguladores para testes. Órgãos reguladores testaram ambos e sempre declararam que o nosso talco não contém amianto.
  3. A matéria ignora que a J&J sempre usou os métodos mais avançados de testes disponíveis para confirmar que nosso talco cosmético não contém amianto. Todos os métodos disponíveis para testar o talco da J&J em relação ao amianto foram usados pela companhia, órgãos reguladores ou especialistas independentes, e todos esses métodos concluiram que nosso talco cosmético é livre de amianto. .Para mais informações, acesse o site: Fatos sobre Talco.

Arquivado Em: