Nicole Kidman rompe o silêncio sobre os filhos que adotou com Tom Cruise

Atriz, que manteve sob férrea blindagem a sua relação com Isabella e Connor Cruise, afirma que “daria a vida por eles”

Nicole Kidman e Tom Cruise com seus filhos Connor e Bela quando pequenos.
Nicole Kidman e Tom Cruise com seus filhos Connor e Bela quando pequenos.
Mais informações
Os salários astronômicos que podem colocar as séries em xeque
A paisagem idílica que esconde os obscuros segredos de ‘Big Little Lies’
Já não se trata apenas de se concentrar na mulher

Nicole Kidman foi eleita neste ano pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. Continua colhendo sucessos e prêmios com suas interpretações, e mantém um feliz casamento com o cantor country neozelandês Keith Uban. Casaram-se em 25 de junho de 2006 e têm duas filhas, Sunday Rose, de 10 anos, e Faith Margaret, de oito, que nasceu por gestação sub-rogada.

Não se sabe muito sobre elas, porque a atriz sempre preferiu preservar sua vida particular, mas em março de 2017 algumas fotos da família completa, tiradas no aeroporto de Sydney, causaram a mesma curiosidade que despertariam dois astros do rock. Sunday Rose é mais parecida com seu pai, e Faith Margaret, mais próxima dos traços da sua mãe.

Mas, se suas duas filhas menores estão resguardadas, mais misteriosa ainda é a relação da atriz australiana com seus dois filhos mais velhos, Isabella e Connor, de 25 e 23 anos respectivamente, que ela adotou enquanto esteve casada com Tom Cruise, o ultrafamoso ator da saga Missão Impossível. Depois do rompimento do casal em 2001, a máxima de Nicole Kidman tem sido o silêncio sobre eles e sobre a Cientologia, a doutrina que Cruise professa e propaga ardorosamente. Essa atitude e o fato de praticamente não existirem imagens da atriz com seus filhos mais velhos chegaram a tornar generalizada a crença de que não existe relação entre eles.

Uma entrevista à revista australiana Who serviu para romper o silêncio da atriz sobre Isabella e Connor, e também a falsa impressão de que havia renunciado ao papel de mãe deles. “Sou muito reservada sobre eles”, manifestou a atriz à revista. “Tenho que proteger essa relação. Mas o que sei 150% é que renunciaria à minha vida por meus filhos.”

Connor e Bela Cruise em Londres, em 2015.
Connor e Bela Cruise em Londres, em 2015.Instagram

Também pela primeira vez faz uma referência direta a seus filhos e sua relação com a Cientologia: “São adultos. São capazes de tomar suas próprias decisões. Tomaram a decisão de ser cientologistas, e, como mãe, minha tarefa é amá-los”. “Sou um exemplo de tolerância, é no que acredito”, prossegue, “que, não importa o que seu filho fizer, ele tem amor e sabe que estou aqui”. Kidman insistiu nesse aspecto do carinho e afirmou acreditar que o mais importante para uma criança, para um filho, “é esse nosso trabalho como pais, oferecer sempre amor incondicional”.

O fato é que Bela Cruise se casou em segredo em 2015 com o consultor Max Parker, e nenhum de seus pais esteve presente à cerimônia. Apesar dos rumores, fontes próximas a Kidman informaram então que ela estava feliz com o casamento da sua filha. Mãe e filha se encontraram em meados de 2016 em Londres, onde vive Isabella, e foi então que ela conheceu seu genro. “Foi um momento muito emocionante para todos eles”, disseram na ocasião essas fontes. “Nicole não demorou a começar a chorar, e Bela a seguiu.” Segundo se noticiou na época, a atriz tentava havia bastante tempo recuperar os laços com sua filha, e em fevereiro o nome que Isabella Cruise escolheu para a grife que lançou no mercado comprovava que ela não renunciava à sua mãe: BCK, sigla de Bela, Cruise, Kidman, foi o nome com o qual ela lançou uma coleção de camisetas, e sua forma de afirmar que não renega nenhum dos progenitores.

Nicole Kidman e Keith Urban com suas filhas, Faith Margaret e Sunday Rose, em março de 2017, em Sydney.
Nicole Kidman e Keith Urban com suas filhas, Faith Margaret e Sunday Rose, em março de 2017, em Sydney.Getty

Nicole Kidman já havia falado anteriormente sobre sua faceta como mãe, e nunca se esquece de mencionar todos os seus filhos. “Sou muito afortunada. Tenho um marido e quatro filhos, e além disso tenho uma família extensa”, disse há alguns anos. “Por estranho que pareça, podemos viver em qualquer lugar do mundo. Sentimo-nos em casa quase em qualquer lado.”

Também se referiu à idade em relação à maternidade: “O que eu adoro de ser mais velha, e especialmente de ser uma mãe mais velha, é a paciência que você adquire e a sabedoria que isso acarreta”. E acrescentou: “O que aprendi como mulher e como ser humano foi muito benéfico para a capacidade que tenho agora de criar meus filhos. O outro lado da moeda é que você não tem a energia física, mas tem a energia mental.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS