Bombas e prisões em SP na primeira manifestação contra Bolsonaro eleito

Ato foi pacífico até o final, quando manifestantes se recusaram a desocupar rua da Consolação e jogaram garrafa na PM, que reagiu com bombas e gás

Final da manifestação, próximo à Praça Roosevelt
Final da manifestação, próximo à Praça RooseveltDaniel Arroyo (Ponte)

O primeiro ato contra o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), realizado na noite desta terça-feira, 30, na região central da cidade de São Paulo, foi pacífico durante quatro horas, desde o início, às 18h, na Avenida Paulista, até o final, na Praça Roosevelt. Ali, por volta das 22h15, um grupo de manifestantes se recusou a desocupar a rua da Consolação e, durante uma discussão, jogou uma garrafa nos policiais. A noite, então, terminou com bombas, gás lacrimogêneo, correria e pânico nas ruas.

A Polícia Militar deteve três manifestantes. O primeiro a ser detido foi o estudante Vitor Meneguim, 18 anos, ainda durante a concentração do ato, na Avenida Paulista.

Daniel Arroyo (Ponte)
Mais informações
Justiça absolve jovens presos em ação que envolveu espião do Exército
Assassinato de travesti em São Paulo ganha matiz político à véspera da eleição
Mulheres trans na política: elas cansaram de ser silenciadas

Os policiais que prenderam o jovem afirmam, em vídeo, que ele estava com uma máscara antigás, uma camiseta com dizeres antifascistas, além de combustível e um bastão – que testemunhas afirmam que era uma estrutura de bandeira – e que isso “demonstraria enfrentamento” (assista ao vídeo no fim da matéria).

O jovem foi levado ao 78º DP (Jardins). Ali, foi liberado em seguida sem ser autuado, por volta das 21h40.

O ato foi inicialmente convocado pela Frente Povo Sem Medo, mas contou com a adesão de vários outros grupos, inclusive evangélicos e antifascistas. No trajeto, do Masp (Museu de Arte de São Paulo) até a Praça Roosevelt, o ato foi pacífico. A organização pediu que os manifestantes começassem a dispersão por volta das 21h, sob gritos de “aqui está o povo sem medo, sem medo de lutar”, “lutar, virar, poder popular”, “nem fraquejada e nem do lar, a mulherada tá na rua pra lutar” e “ô Bolsonaro, seu fascistinha, a mulherada vai botar você na linha”.

Por volta das 22h15, a PM informou a um grupo de 150 pessoas, que continuava diante da Praça Roosevelt, que precisava liberar a Rua da Consolação para os carros passarem. A conversa entre PMs e manifestantes mudou quando uma garrafa foi jogada contra o escudo de um dos policiais. Em seguida, o grupo de jovens foi alvo de bombas de efeito moral. Dois jovens foram detidos, um no terminal Parque D. Pedro e outro no Avenida Nove de Julho.

Daniel Arroyo (Ponte)

O manifestante detido na Nove de Julho foi identificado como Samuel. Questionado pela Ponte, o PM se negou a dizer para onde e por que o jovem havia sido detido. Depois que a viatura saiu, levando o manifestante detido, a reportagem entrou em contato, por telefone, com a divisão de Imprensa da PM, que informou que uma viatura do Caep (Companhia de Ações Especiais) havia detido um jovem no Viaduto Nove de Julho e que “provavelmente” seria levado para o 78º DP (Jardins). “Posteriormente será informado o motivo da detenção ou se foi detido para averiguação”, afirma a Divisão de Imprensa. A detenção para averiguação, comum durante a ditadura militar, é uma prática ilegal.

O estudante Thiago Torres, 18 anos, contou à Ponte que, apesar de ainda estar abatido com o resultado das eleições, agora é hora de lutar nas ruas. “É para ficar claro para a população que esse governo, apesar de ter sido eleito democraticamente, não representa toda a população. Não temos o que esperar, não temos tempo a perder porque cada segundo que a gente perde vai ser um direito que a gente vai perder também. Esse governo me afeta diretamente, porque Bolsonaro é assumidamente homofóbico e racista e eu sou negro e gay”, disse.

A atriz Damaris Soares também reafirmou o clima de resistência. “A gente não vai ficar calado perante a necessidade de lutar pela democracia. Ele foi eleito de forma democrática, mas é um político fascista, e temos que nos posicionar. Hoje começa a oposição e é importante lutar pelos meus direitos enquanto mulher negra e homossexual. Todo dia a gente vai lutar, seremos resistência sempre”, afirmou.

Thiago: ‘Bolsonaro é assumidamente homofóbico e racista e eu sou negro e gay’
Thiago: ‘Bolsonaro é assumidamente homofóbico e racista e eu sou negro e gay’Daniel Arroyo (Ponte)

Para o aposentado Bruno Gaigher, 70 anos, jornalista aposentado, as ruas devem seguir ocupadas para garantir a democracia. “Elegeram um fascista e a sociedade está correndo risco, a democracia está morrendo e não podemos deixar isso acontecer. O povo tem que tomar as ruas porque não tem outro jeito. Ele ganhou as eleições, mas não ganhou com a maioria de brasileiros”, defendeu.

Já para o captador de recursos Tiago Ramos da Silva, 30 anos, estar nas ruas hoje é lutar por aqueles que se foram na ditadura militar. “Mostrar que lutamos pela nossa democracia contra um governo que é a favor da ditadura e quer nos calar, mostrar que o povo tá na rua unido e não vamos aceitar calados. Independentemente do que aconteça, a gente vai estar nas ruas exercendo o nosso direito, lutando pela nossa liberdade e por aqueles que lutaram pela gente há 30 anos, por todo sangue derramado. É a nossa obrigação estar aqui pela nossa liberdade de expressão”, disse.

Texto originalmente publicado no site da Ponte Jornalismo

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS