Eleições brasil 2018

Polícia investiga denúncia de estupro de mulher ameaçada por racistas em Fortaleza

Estudante da universidade privada Unifor havia registrado BO após ser abordada por homem que teria citado Bolsonaro e lhe feito injúrias. Observatório da Intolerância Política e Ideológica do Ceará acompanha o caso

MAIS INFORMAÇÕES

Uma estudante de 33 anos denunciou ter sido estuprada na noite desta quinta-feira (25), no bairro Edson Queiroz, em Fortaleza. O caso aconteceu no entorno da Universidade de Fortaleza, instituição particular onde estuda, dois dias após a universitária formalizar um boletim de ocorrência no qual declarou vir sofrendo ameaças que seriam motivadas por racismo e intolerância política. Um inquérito policial foi instaurado na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, unidade responsável por crimes de estupro, e a investigação corre sob sigilo.

Segundo a Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), a vítima compareceu à Casa da Mulher Brasileira na noite de quinta-feira, onde foi acolhida no Centro de Referência da Mulher por uma equipe formada por assistentes sociais e psicólogos. Em seguida, a estudante foi encaminhada para realização de exame de corpo de delito, na sede da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) e conduzida para uma unidade de saúde para ser medicada. O caso provocou manifestações de estudantes de diversas instituições no entorno da universidade "pela democracia".

A jovem já havia feito denúncias de racismo. No dia 10 de outubro, por volta das 20h30, ela teria sido abordada por um homem na entrada da Unifor, que lhe perguntou o que estava fazendo no local. A estudante respondeu que era aluna. Segundo declarou à polícia, o homem lhe disse: “Aqui não é o seu lugar, aqui não é lugar de escravos e negros. Depois que Bolsonaro ganhar, a partir de primeiro de janeiro, nós vamos fazer uma limpa na universidade e tirar sua gente. Aqui não é lugar de sua gente, não é espaço de vocês, sua macaca suja”.

A estudante contou que passou então a andar mais rápido, mas o homem a acompanhou: “Macaca, suja, eu sei o que vou fazer com você. Vou te colocar no seu lugar, lugar de escrava. E sabe o que a gente faz com escrava? A gente estupra”. A jovem contou à polícia que teria se abalado com o episódio, mas que seguiu as atividades na universidade e nada mais aconteceu neste dia.

Cerca de duas semanas depois, ela teria passado a receber mensagens no WhatsApp de diferentes números com ameaças de estupro e ofensas de cunho racista e político, segundo o boletim de ocorrência ao qual o EL PAÍS teve acesso. Uma dessas mensagens afirmava que ela seria estuprada por três homens e que seria gravada para servir de exemplo.

Universidade repudia ato de violência

A polícia não dá detalhes sobre o caso para não atrapalhar os trabalhos de investigação. Por meio de nota, a Unifor disse repudiar qualquer ato de violência e informa ter colocado sua estrutura de apoio jurídico e psicológico à disposição da vítima. “A Universidade de Fortaleza repudia qualquer ato de violência e se solidariza com as vítimas, em quaisquer circunstâncias, dentro ou fora do campus. Sobre o caso exposto na mídia nas últimas horas envolvendo uma aluna, a Unifor está tomando as medidas cabíveis junto às autoridades competentes e coloca a sua estrutura de apoio jurídico e psicológico para acompanhamento, mesmo que o assunto em voga não tenha ocorrido no campus. Reiteramos o compromisso da instituição de preservar as identidades de todos os envolvidos até que as questões sejam esclarecidas”, diz a nota da universidade.

O Observatório da Intolerância Política e Ideológica no Ceará – organização formada na semana passada pela Defensoria Pública do Estado do Ceará (DPE-CE), Defensoria Pública da União do Ceará (DPU-CE), Ordem dos Advogados do Brasil Secção Ceará (OAB-CE) e pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos (CEDH) – está acompanhando o caso para averiguar os indícios de motivação política. “Todos os procedimentos cabíveis (nas esferas legal e criminal) e medidas administrativas estão sendo adotados para identificação do autor, responsabilização e resguardo da integridade da estudante”, diz a nota publicada pela entidade.

O Ministério Público do Ceará também se colocou à disposição da Polícia Civil para esclarecer a denúncia de racismo e estupro. "O MPCE repudia todas as formas de violência contra a mulher e reafirma seu compromisso na defesa e promoção dos direitos humanos", afirma, em nota. Já a Comissão de Direitos Humanos da OAB-CE afirmou, por meio de nota, estar acompanhando o caso "com muita preocupação e consternação" o caso do estupro "que ocorreu aparentemente por motivações políticas". "É lamentável e repugnante o nível que se chega nessas eleições. É preocupante o empoderamento de grupos que repercutem o discurso de ódio. A CDH presta total solidariedade à vítima e sua família e cobrará a apuração célere do caso, com a responsabilização desses criminosos", afirma a nota.

Muitos crimes e agressões com motivações políticas vêm sendo denunciados desde o primeiro turno das eleições. Desde então, pelo menos duas pessoas foram assassinadas e outras 70 sofreram agressões por conta de seus posicionamentos políticos, de acordo com levantamento do Open Knowledge Brasil e da Agência Pública. Os dados mostram que em seis dos casos as vítimas foram apoiadores de Bolsonaro; as demais foram agredidas por pessoas favoráveis a ele.

Arquivado Em: