Eleições Brasil 2018

“Você acha que pode resolver tudo no grito, Bolsonaro”, as frases do debate da RedeTV

Daciolo não citou a Ursal, hit do confronto passado, mas sempre se referiu "à nação brasileira"

Marina interpelou Bolsonaro e foi aplaudida.
Marina interpelou Bolsonaro e foi aplaudida.PAULO WHITAKER / REUTERS

O segundo debate entre os candidatos a presidente da República foi em tom cordial. Quando tudo se encaminhava para a monotonia, a presidenciável da Rede Sustentabilidade, Marina Silva, aproveitou uma resposta mal elaborada de Jair Bolsonaro (PSL) sobre a brecha salarial de gênero e a falta de oportunidades de trabalho para mulheres para esquentar o estúdio da RedeTV! e roubar a cena. Chegando a aproximar-se fisicamente do ex-capitão do Exército, ela encurralou Bolsonaro. Veja os melhores momentos, em frases:

Mais informações

De Bolsonaro para Marina:

"Temos aqui uma evangélica que defende um plebiscito para aborto e para a maconha e quer agora defender a mulher"

De Marina para Bolsonaro:

"Você acha que pode resolver tudo no grito, na violência. Nós somos mães, nós educamos os nossos filhos. A coisa que uma mãe mais quer é ver um filho ser educado para ser um cidadão de bem, e você fica ensinando para o nosso jovem que tem que resolver as coisas na base do grito, Bolsonaro. Você um dia desses pegou a mãozinha de uma criança e ensinou como se faz para atirar"

De Ciro Gomes (PDT) para Geraldo Alckmin (PSDB):

"Vou chamar o Alckmin mais uma vez para o debate, quer dizer, para o ringue"

Bolsonaro para com Cabo Daciolo (Patriota): 

"Um pai não quer chegar em casa e ver o filho brincando de boneca"

De Alckmin respondendo a Guilherme Boulos, que repetiu a fórmula de que os "50 tons de Temer" estavam representados no debate:

"Dos 50 tons de Temer, 40 são vermelhos, porque eles [eleitores do PT] que elegeram o Temer como vice da Dilma"

De Boulos em resposta a Alckmin:

"Pelo visto, a carapuça serviu"

Cabo Daciolo (Patriota), que dessa vez não citou a conspiração sobre a Ursal:

"Sirvo ao Deus das causas impossíveis. Creio que serei o próximo presidente da República"

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete