Seleccione Edição
Login

Alckmin encara o árduo desafio de virar presidente sem conquistar o Nordeste

Tucano tem apenas um palanque relevante na região que concentra um quarto do eleitorado nacional.

Melhor resultado de um candidato do PSDB entre os nordestinos foi de 28% nas últimas eleições

eleições 2018 alckmin
Alckmin durante viagem a Petrolina, em Pernambuco, nesta quinta-feira. Campanha Geraldo Alckmin

"É natural que o vice venha do Nordeste", comentava o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) em junho, durante passagem por Campina Grande (PB). Era consenso à época que o tucano se beneficiaria de um nome forte numa região historicamente cativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) — e onde o ex-governador tem 5% dos votos no melhor dos cenários segundo as pesquisas de intenção de voto. Mas Alckmin acabou com uma vice do Rio Grande do Sul e, mesmo com nove partidos em sua coligação, conseguiu apenas um palanque relevante na região que concentra um quarto (26%) do eleitorado nacional. "O Nordeste é o maior desafio da nossa campanha", reconhece o secretário-geral do PSDB, deputado Marcus Pestana (MG). Não por acaso, o tucano menciona apenas as regiões Nordeste e Norte diretamente nas diretrizes de seu plano de Governo.

O PSDB lançou 12 candidatos a governos estaduais. A região mais prestigiada é o Centro-Oeste, com nomes em três estados disputando a reeleição — Pedro Taques, no Mato Grosso, Reinaldo Azambuja, no Mato Grosso do Sul, e, em Goiás, José Éliton, que assumiu o Governo local em abril após Marconi Perillo deixar o cargo para disputar vaga no Senado. Os tucanos também estão bem colocados no Sudeste, com o ex-prefeito João Doria em São Paulo e o senador Antônio Anastasia em Minas Gerais. O ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite é outro bem posicionado na disputa pelo Governo do Rio Grande do Sul — onde a campanha de Alckmin recebeu o reforço da senadora Ana Amélia (PP) como vice. Essas são situações bem diferentes das candidaturas tucanas no Norte e no Nordeste.

Sem o reforço do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), que preferiu adiar a disputa pelo Governo da Bahia, e do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que decidiu não se candidatar no Ceará, restou para Alckmin apenas Pernambuco como plataforma expressiva entre os três maiores colégios eleitorais da região, e sem muita convicção do ex-senador Armando Monteiro (PTB). Ex-ministro do Governo Dilma Rousseff (PT), o candidato do PTB ao Governo pernambucano chegou a publicar uma nota no fim de julho para afirmar seu apoio formal a Alckmin, já que o PSDB ameaçou se retirar da chapa "Pernambuco vai mudar" depois de Monteiro declarar voto em Lula.

“O nosso palanque, tendo em vista o apoio majoritário que recebe dos partidos dessa frente, estará sempre aberto para que o candidato Geraldo Alckmin possa trazer aos pernambucanos as suas propostas, neste momento tão importante e desafiador para o nosso País”, dizia Monteiro na nota. No último dia 9, contudo, o candidato do PTB voltou a declarar voto no petista, em entrevista à Rádio Jornal reproduzida em seu perfil no Twitter: "Se Lula for candidato, eu voto nele. Caso não, vou analisar os nomes colocados".

A concorrência de palanque com o PT no Nordeste deve ser generalizada para Alckmin. Na última sexta-feira, o presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), fez campanha ao lado do ex-prefeito Fernando Haddad em Teresina (PI) e pediu voto para Lula apesar de seu partido compor a chapa de Alckmin com a vice Ana Amélia. Alckmin inicia sua campanha oficial pelo Nordeste por Pernambuco nesta quinta-feira.

Questionado nesta segunda-feira em evento da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) sobre a pulverização de seus apoios, em especial no Nordeste, o candidato tucano à presidência minimizou e disse que "tem partidos que têm candidato, e também me apoiam", sem mencionar nomes. Os tucanos negam que pretendam priorizar a campanha no sul do país, mas, nos primeiros dias de atividades oficiais, a senadora Ana Amélia passou por Castro, no Paraná, e por Porto Alegre (RS), enquanto Alckmin visitou o Pará e, além da passagem por Pernambuco e dos compromissos em São Paulo, completa a agenda da semana com viagens ao Rio de Janeiro, Tocantins e a Minas Gerais.

Bolsonaro

"Hoje, a campanha é resolvida muito diretamente com o eleitor, através da tevê, do rádio e das mídias sociais", diz o deputado Marcus Pestana. "Independentemente de palanque, não vejo empecilho". Mas será possível ganhar a eleição sem votação expressiva no Nordeste? O cientista político Alberto Carlos Almeida diz que sim, desde que se consiga vitórias expressivas nas outras regiões. A região Sudeste concentra quase metade do eleitorado (43,4%) e a região Sul tem 14,5% — Centro-Oeste (7,3%) e Norte (7,8%) são têm os menores eleitorados. "O melhor resultado do PSDB no Nordeste nas últimas quatro eleições foi 28%", lembra Almeida. Hoje, segundo a última pesquisa Ibope, Alckmin tem 4% das intenções de voto no Nordeste no melhor cenário, sem Lula — no Datafolha, o índice é de 5%.

Os números na região têm andado bem distantes daqueles das últimas vitórias tucanas na disputa pelo Palácio do Planalto. Fernando Henrique Cardoso teve 57,6% dos votos nordestinos em 1994 e 47,7% em 1998. Apesar disso, mesmo com um patamar baixo de votos no Nordeste em 2014, bastaria ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) ter vencido em forma expressiva em sua terra natal, Minas Gerais, para superar a ex-presidenta Dilma no segundo turno. Ou seja, a falta dos votos nordestinos poderia ser compensada com a vitória em outras regiões do país. Dilma teve 12,2 milhões de votos a mais no Nordeste naquele ano, enquanto Aécio conseguiu vantagem de apenas 5,6 milhões de votos na região Sudeste, com 56% do eleitorado e uma derrota por 500.000 votos em Minas — a diferença no final geral ficou em 3,5 milhões de votos a mais para a petista.

O problema para Alckmin no primeiro turno desta eleição, segundo Alberto Carlos Almeida, é o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ), já que os votos nordestinos já estariam reservados em maioria para Lula, e o PT teria no máximo de tentar revertê-los para outro candidato caso se confirme o impedimento de sua candidatura. O ex-governador e o deputado partilham o eleitorado com maior escolaridade. "O Alckmin percebeu que só tem uma maneira de tirar eleitores de Bolsonaro: ocupando o tempo de televisão bem maior. Investiu nisso", analisa Almeida, destacando que nas últimas quatro eleições os dois candidatos com maior tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e na tevê foram para o segundo turno. É, de fato, onde o tucano deposita todas suas expectativas. "A campanha só vai começar efetivamente a partir do dia 31, quando começa o horário do rádio e da televisão. As pesquisas vão mudar totalmente. A decisão de voto da eleição nem começou ainda", repetiu Alckmin nesta semana ao ser questionado sobre seus limitados índices de intenção de voto.

MAIS INFORMAÇÕES